Em meados de abril deste ano, o domínio do Orkut foi reativado. O site, que para muitos brasileiros foi o primeiro contato com uma rede social, “retornou” 8 anos após ser desativado. Porém, seu sucessor espiritual ainda está para ser lançado. Entenda a seguir se o Orkut realmente voltou à ativa.

Orkut voltou: criador da rede social reativou o site

Orkut Büyükkökten, criador da rede social, teve o domínio de volta ao ar – o estimado orkut.com. O site, porém, mostra um comunicado, que se conclui com “é por isso que estou construindo algo novo. Vejo você em breve!”. Então é de se esperar que haverá uma nova rede social, seja ela com nome Orkut ou não.

O que se sabe até agora?

Ao que dá a entender, por ter seu logotipo repaginado, talvez trate-se de uma versão “2.0” da rede social original, que atraiu nada menos que 30 milhões de usuários. Por ora, não há confirmações oficiais a respeito do que será do lançamento, mas você pode inserir seu e-mail para receber em primeira mão o que será do futuro site.

Como funcionava a rede social?

Print da tela inicial do perfil no Orkut
Orkut Büyükkökten, criador da rede social, teve o domínio de volta ao ar – o estimado orkut.com

Similar ao Facebook, o Orkut tinha perfis e grupos de interesses em comum. Porém, o empenho do perfil era, no mínimo, mais “provocante”. Eram três atributos principais: sexy, confiável e legal, sendo votadas (secretamente) por quem visitava seu perfil. Além disso, visitantes ainda podiam colocar textos (chamados de “depoimentos” e “scraps”) no seu perfil.

Existiam também aplicativos terceiros dentro da plataforma, com jogos (Colheita Feliz) e interações sociais (BuddyPoke). Outro aspecto interessante era poder visualizar suas visitas recentes – quem clicou no seu perfil nas últimas 24 horas. E, claro, as comunidades eram um dos maiores atrativos e geravam um enorme engajamento.

Orkut, Facebook, Instagram ou TikTok: o que há de semelhantes entre as redes

Mesmo que o Orkut tenha sido adquirido pelo Google, ela não se equivalia ao que tornou-se mais relevante na época – até 2014. De lá para cá, muitos ex-usuários do Orkut migraram para o Facebook, que se moldou também com o passar do tempo. Neste aspecto, de adicionar amigos e criar grupos/comunidades, ambas as plataformas se aproximam. 

Celulares com o aplicativo do Facebook
Muitos ex-usuários do Orkut migraram para o Facebook, que se moldou também com o passar do tempo

Uma grande diferença são os feeds personalizados, onde o Instagram também é relevante para a discussão. Ao invés de seguidores, as atividades do Orkut funcionavam como feeds de discussão, não publicações (de notícias e temas similares). No Orkut tudo também girava em torno da comunidade retroalimentada, menos incentivado por marcas – como as redes da atualidade.

O acesso era guiado por você, nas comunidades delimitadas por você e no seu círculo social. Isso também implicava na difícil circulação de memes memoráveis, marcantes na “era de ouro” do Facebook. Desafios a um nível de Instagram, YouTube e TikTok também eram inexistentes. Novamente, a raíz do site se firmou nas próprias escolhas dos usuários, dando pouca abertura para a rede social “guiar” seu acesso.

10 comunidades que vão deixar saudade:

  • Queria sorvete, mas era feijão
  • Eu odeio acordar cedo
  • Eu odeio segunda-feira
  • Eu abro a geladeira para pensar
  • Anti-Social Club
  • Hoje é dia de maldade
  • Eu adoro trabalhar
  • Eu amo chocolate
  • Eu leio o xampu no banho
  • Confundo famosos

Ainda é possível recuperar as fotos no Orkut?

Não, quem não salvou imagens do Orkut não conseguirá mais resgatá-las. Até 2016, dois anos após o fim da rede social, o Google permitiu salvar as imagens e dados diversos (depoimentos e publicações), mas hoje esse acesso não é mais possível.

O que é possível fazer no orkut.br?

orkut.br, uma cópia não oficial do orkut
orkut.br, uma cópia não oficial do orkut

O clone não oficial do Orkut é o orkut.br, recriado há poucos anos por um fã, que tem sua estrutura toda similar ao original. As ferramentas citadas acima, como scraps e depoimentos, estão de volta e funcionam virtualmente de maneira idêntica. Contudo, os aplicativos secundários (como jogos) não foram revividos, por pertencer a terceiros e pedir por um esforço extra da equipe de desenvolvimento. 

Outro ponto importante é a falta de popularidade da plataforma: afinal, até “todos” migrarem para a rede, seu valor não será facilmente medido, visto que os usuários ditam seu funcionamento. 

Ainda há espaço para o Orkut no mercado?

Voltando a citar as principais distinções das redes da atualidade, o mercado se moldou a publicações patrocinadas e a força de marcas em mídias sociais. A monetização se distingue da estrutura básica do Orkut e é extremamente complexo imaginar como o tal “Orkut 2.0” poderá se firmar à essência de navegação enquanto tenta se adaptar aos modelos atuais.

Celulares com imagens de transmissao ao vivo e Tik Tok
Repensar em um feed de notícias/interesses será um obstáculo a Orkut Büyükkökten e sua equipe

Transmissões ao vivo estão em alta e pedem por uma infraestrutura interna massiva – que pode ou não ser baseada em obtenção de “créditos” internos, como no TikTok. Se pensarmos em como o Reddit, por exemplo, atua neste setor, talvez esta seja a plataforma que hoje mais se aproxime do Orkut: colocando comunidades em primeiro lugar.

A comunicação ao nível do Messenger é impossível de ser ignorada, tanto que o Facebook tenta, aos poucos, distanciar-se do que é o carro-chefe de redes sociais e a plataforma dedicada para mensagens de texto/áudio/vídeo. Logo, ter novas ferramentas internas deve fazer parte da repaginação do Orkut. Com isso vem também a popularização de smartphones, aplicativos e outras plataformas conectadas.

Repensar em um feed de notícias/interesses será um obstáculo a Orkut Büyükkökten e sua equipe, mas o potencial de lucros com certeza será considerado em equilíbrio à satisfação de quem sente saudades. Publicações pagas podem fazer parte do “novo Orkut”, porém, jogos e scraps devem permanecer com seus próprios fundamentos.

Você também pode gostar