Criatividade: o que é e como desenvolver essa soft skill?

Nós estamos vivendo na era da criatividade e inovação. A forma de pensar automatizada e computacional do século passado está sendo lentamente fundida a um pensamento humano, compreensivo e empático. Dentro dessa lógica, uma pessoa criativa tende a se destacar entre as demais

Criatividade é um elemento primordial do conjunto de habilidades subjetivas conhecidas como soft skills. O mercado de trabalho se abre cada vez mais para quem tem essa capacidade, sem contar que fica mais fácil de alcançar as metas propostas em seu plano de carreira. Quer saber mais sobre essa característica? Então, confira a seguir:

  • O que é criatividade?
  • Qual a importância da criatividade?
  • Quais os tipos de criatividade?
  • Como desenvolver a criatividade?

Então, vamos começar!

O que é criatividade?

Pode parecer um conceito muito abstrato e de difícil percepção, mas a verdade é que não é tão complexo assim. Criatividade é o ato de transformar o que já existe por meio de ideias novas e imaginativas, produzindo algo inédito. Pode ser caracterizada como a habilidade de perceber o mundo a nossa volta em prol de encontrar pontos de vista ainda não explorados, fazer conexões entre assuntos aparentemente não relacionados e gerar soluções. 

Além disso, criatividade é conhecida por ser uma característica com forças mistas, surgindo a partir dos nossos próprios recursos pessoais — como conhecimento, informação, inspiração — e todos os fragmentos de experiência que coletamos ao longo da vida.

Qual a diferença entre uma pessoa criativa e uma pessoa imaginativa?

Apesar de parecer que ambas as coisas são similares, e muitas vezes serem utilizadas como se fossem de fato a mesma coisa, existe uma diferença muito marcante entre elas. Pessoas imaginativas têm o mesmo ímpeto de ter novas e brilhantes ideias assim como as criativas, entretanto, são somente as pessoas criativas que conseguem fazer com que o que foi imaginado saia do campo das ideias e se concretize em realidade

Portanto, a distinção é bem nítida. Criatividade é ser capaz de trazer aquilo imaginado para a vida real, dando a solução para um problema ou criando novos caminhos. Se a ideia permanece na imaginação, não podemos afirmar que ela é criativa. 

Qual a importância da criatividade?

A criatividade acompanha a gente em todos os âmbitos de nossa vida, sejam eles profissionais, acadêmicos ou pessoais. Ter a capacidade de demonstrar soluções criativas apresenta uma série de benefícios, independentemente da área em que for aplicada. 

Em relação aos estudos, uma pessoa que estuda de forma criativa consegue evitar a falta de foco e a improdutividade, além de conseguir não ser vítima da temível procrastinação. Fora isso, estudos criativos garantem que você consiga deixar de enxergar aquilo que estuda como um fardo e passe a ser uma pessoa mais integrada e interessada, logo, desenvolvendo a capacidade de expressar-se melhor e de utilizar o pensamento crítico.

No que se diz respeito ao âmbito profissional, a criatividade é o fator mais crucial para alcançar o sucesso. Isso porque, dentre as demais características buscadas em líderes e CEOs de empresas e startups, a criatividade é a mais valorizada. 

Ao desenvolver a criatividade como um de seus pontos fortes, uma pessoa na posição de liderança é capaz de:

  • conseguir flexibilizar o modelo de negócios para ser capaz de realizar as estratégias e alcançar as metas desejadas;
  • equilibrar investimentos entre inovações incrementais e disruptivas, apostando sempre na melhor estratégia para o momento;
  • se sentir confortável com mudanças necessárias no modo de se administrar o negócio;
  • inventar novos modelos de negócios baseados em experiência e diferentes premissas.

Em 2012, a Adobe conduziu um estudo em relação à criatividade. Neste estudo, 8 entre 10 pessoas acreditavam que a criatividade era característica primordial para o crescimento econômico, dois terços dos entrevistados acreditavam que o atributo era valoroso para a sociedade, enquanto apenas 1 entre 4 pessoas afirmava que havia atingido seu potencial criativo pleno.  

Quais os tipos de criatividade?

O professor de neurociência cognitiva Arne Dietrich propõe uma interessante teoria acerca da criatividade. Segundo ele, existem quatro tipos diferentes de criatividade, a depender de qual região do cérebro é utilizada. A partir deles, se monta um quadrante de tipos criativos com diferentes características. Vamos conferi-las?

Deliberativo-cognitivo

Esse tipo recebe como exemplo a figura de Thomas Edison, inventor e cientista americano que foi responsável por invenções revolucionárias, como a lâmpada elétrica e a câmera cinematográfica. Assim como Edison, a pessoa que tem esse tipo de criatividade é conhecida por ter muito conhecimento em determinado assunto, e suas invenções e ideias virão através de muita pesquisa e produção acadêmica

O motivo para isso é que sua origem no cérebro é conhecida como córtex pré-frontal, a região responsável pelo foco e pela conexão entre informações que estão chegando e outras já armazenadas em outras regiões do cérebro. Esse tipo de criatividade requer muito tempo, pesquisa, e dedicação até conseguir atingir seu objetivo

Deliberativo-emocional

Esse tipo mistura as habilidades do córtex pré-frontal de analisar e confrontar informações armazenadas com as do córtex cingulado, responsável pelas emoções e senso de ética e moralidade. Por conta disso, ele é ilustrado através da interjeição “A há!”, utilizada quando temos um momento de autodescoberta.

Ao utilizar esse tipo de criatividade, a pessoa volta-se a si mesma e procura entender os processos pelos quais está passando. Portanto, silêncio e muito trabalho emocional interno é requerido. Os resultados desse tipo de criatividade são menos lógicos e mais subjetivos, podendo ser até mesmo experiências pessoais. 

Espontâneo-cognitivo

Já ouviu a história do pensador grego Arquimedes? Um rei acreditava que havia sido enganado na confecção de sua coroa, cuja composição deveria ser total de ouro. Arquimedes ficou com a impossível tarefa de comprovar a teoria do rei. Depois de muito esforço, a resposta veio quando foi tomar banho e percebeu a água que saia da banheira servia para medir a densidade de objetos irregulares.

Esse momento “Eureka” é característico desse tipo de criatividade. Geralmente, para conseguir que a resposta de um problema muito difícil venha, é necessário um período de descanso e lazer. E então, subitamente ela aparece. Se Isaac Newton não tivesse descansado fora de seu laboratório, dificilmente uma maçã teria caído em sua cabeça e não teríamos hoje a teoria da gravidade!

Espontâneo-emocional

Esse tipo é dedicado para a tão desejada epifania. A epifania é um súbito entendimento sobre determinado assunto que pode vir carregado de inspiração, levando ao desenvolvimento de obras únicas. Uma característica da epifania é sua profunda ligação com o lado emocional

Por conta disso, pessoas com esse tipo de criatividade dificilmente se adaptam a prazos e pressões. A epifania surge em momentos inesperados. O que define essa categoria em sua grande totalidade são músicos e artistas, que dependem de suas emoções para que consigam criar algo. Não é necessário que tenha qualquer conteúdo cognitivo envolvido, apenas sentimentos e experiências

Como desenvolver a criatividade?

Depois de entender qual tipo de criatividade ocorre com maior frequência em sua vida, você pode estar se perguntando o que pode fazer para que se tornar uma pessoa ainda mais criativa. Separamos algumas dicas para ajudar você nesse processo:

Seja uma pessoa inovadora

Ser uma pessoa inovadora consiste em usar a criatividade para preencher um espaço vulnerável, seja na profissão ou nos estudos. Para começar a inovar, primeiro tenha um brainstorming. Não descarte nenhuma das ideias que teve, até as mais absurdas podem servir de ponte para uma mais concreta. Após ter várias ideias, veja qual a melhor forma de construir uma juntando todos os aspectos positivos das anteriores. 

Ao fazer isso em grupo, suas chances de conseguir criar alguma coisa nova aumenta, além de proporcionar momentos de trocas de experiências e fortalecimento do networking

Quando sentir que está sem ideias e ainda não conseguiu chegar no ponto em que queria, tire um tempo para descansar e fazer algo que goste. Isso pode ajudar, caso sua criatividade seja do tipo espontânea-cognitiva. 

Seja uma pessoa proativa

A proatividade está ligada com saber moldar o ambiente de trabalho e ser alguém flexível o suficiente para se adaptar em qualquer situação. Uma pessoa proativa costuma antecipar problemas e situações ao olhar para determinada tarefa, e então otimizar todo o processo. 

Faça anotações de tudo que funciona e que não funciona, a fim de não se repetir nas demais vezes em que for executar aquela tarefa. Caso a tarefa seja realizada com regularidade, como estudar para uma prova, procure os pontos em que ela possa ser executada com maior eficiência

Seja uma pessoa curiosa

Curiosidade é uma característica importante da pessoa criativa, tendo em vista que ela sempre está querendo aprender e conhecer mais coisas, para contribuir com suas ideias. Procurar respostas para os assuntos que te instigam é uma ótima forma de desenvolver a criatividade, já que será capaz de enxergar novas possibilidades e problemas para serem solucionados.

Além do mais, ser uma pessoa curiosa ainda contribui para que você tenha uma variedade maior de conhecimentos, o que ajuda em provas, entrevistas de emprego e até mesmo em situações empresariais, como em um pitch.

No final das contas, não é muito difícil entender que a criatividade é aquilo que faz as pessoas criarem novas respostas para problemas e que ela pode se apresentar em vários tipos dependendo da situação que nos encontramos. Ser uma pessoa criativa é ser flexível e adaptável para qualquer ocasião!

Gostou do nosso artigo? Então descubra o que é pensamento sistêmico e como ele pode ajudar no dia a dia!