Javascript: o guia definitivo sobre essa linguagem de programação!

Linguagens de programação é certamente um dos primeiros assuntos que toda pessoa entusiasta da área de tecnologia ouve falar. Essa ferramenta possibilita a criação de softwares, aplicativos e outros sistemas e também permite que seres humanos executem ações sob eles. 

Uma das linguagens mais conhecidas na atualidade é o Javascript. Criado em 1995,  por Brendan Eich, enquanto esteve na Netscape Communications Corporation, a tecnologia é extremamente flexível e multifacetada, fazendo com que milhares de pessoas desenvolvedoras se interessassem com ela. 

O Javascript é muito usado em praticamente toda a web, inclusive, se você desativar a linguagem no navegador, verá os sites se comportando de formas muito estranhas. Assim, é necessário conhecer e dominar essa tecnologia.

Quer saber mais sobre essa linguagem de programação para se preparar para bons empregos e oportunidades no mercado? Confira o nosso guia!

O que é Javascript?

O Javascript é uma linguagem de programação de uso geral, mas principalmente aplicada para desenvolvimento web, seu propósito de surgimento. Como citamos anteriormente, ele criado em 1995, por um programador chamado Brendan Eich, para funcionar como um complemento para o navegador proeminente da época, o Netscape.

É um padrão multiparadigma com o objetivo de tornar as páginas web dinâmicas e interativas. Antes de 1995, a internet ainda estava nos seus anos iniciais, e tudo o que se tinha de tecnologia para desenvolvimento das interfaces era HTML e CSS.

O HTML é uma linguagem de marcação, focada em determinar os elementos principais que compõem a estrutura básica de uma página web, como um esqueleto. Já o CSS é o responsável pela personalização visual de um site, como cores, posicionamento, configurações específicas de fontes e tamanhos, etc.

Contudo, essas duas tecnologias ainda eram muito limitadas para as necessidades crescentes das pessoas. Tudo se resumia a sites estáticos, que eram baixados e interpretados de uma vez pelo navegador.

Onde o Javascript pode ser usado?

Para prosseguir, vamos entender um pouco sobre o funcionamento da internet: de um lado, temos uma pessoa, que vamos chamar de cliente. Ao acessar o site através do navegador, a cliente faz uma solicitação ao outro lado, conhecido como servidor. O servidor então envia os dados para o navegador da cliente, para que o site seja exibido. Você, ao acessar este blog, é uma cliente e nosso servidor está enviando informações para que seu navegador possa te mostrar esse post.

Durante esse processo, são executadas diversas funções no servidor e no navegador da cliente. O Javascript está presente principalmente no lado da pessoa cliente (frontend), instruindo o navegador a executar determinadas ações, mas também pode ser utilizado no lado servidor (backend).

O JS, como é conhecido, foi proposto como uma forma de tornar os sites mais robustos ao potencializar a comunicação deles com a pessoa que o acessa, permitindo manipulações dos componentes web a partir de suas ações, por exemplo.

Além disso, ele possibilitou às páginas web mais funcionalidades, ao permitir a inserção de uma lógica de programação no lado da pessoa cliente. Ou seja, com Javascript, tornou-se possível pensar em fluxos lógicos, como “se X ocorrer, faça Y” ou “enquanto X estiver acontecendo, continue repetindo Y”.

Assim, profissionais da programação poderiam começar a pensar em aplicações web — e não somente em um conjunto estático de informações.

Javascript no frontend: nesse contexto, torna os sites mais robustos ao potencializar a comunicação deles com a pessoa cliente, permitindo manipular elementos da página e criar comportamentos dinâmicos a partir de suas ações, por exemplo.

Javascript no backend: No contexto do servidor, é possível executar diversas tarefas, tais como tratar requisições, comunicar com bancos de dados e enviar dados para a pessoa cliente, por exemplo.

Quem deve estudar Javascript e quais os requisitos? 

Por ser uma linguagem amplamente utilizada no mercado de trabalho e flexível, o Javascript é uma ótima opção para pessoas que querem iniciar no mundo da programação web e não sabem por qual linguagem optar. 

Além disso, para aqueles que desejam aprender uma nova tecnologia, também vale apostar no JS. Isso porque ela é uma linguagem de fácil aprendizagem e conta com uma série de frameworks e bibliotecas, que otimizam o trabalho da pessoa desenvolvedora. 

Para desenvolver com Javascript no frontend, é fundamental que você saiba HTML e CSS, dado que para manipular elementos, estilos e funcionalidades da página com Javascript, você precisa entender como ela funciona e entender as possibilidades.

Para desenvolver com Javascript no backend, não é necessário saber HTML e CSS, pois seu código será executado inteiramente no interpretador de Javascript, sendo assim o código depende apenas das funcionalidades da linguagem e/ou framework e bibliotecas utilizadas.

Nesta seção, vamos analisar as vantagens e desvantagens da linguagem de programação Javascript. Confira!

Vantagens

Linguagem leve

Navegadores possuem um interpretador nativo da linguagem e interpretam o código Javascript muito rápido. Sendo assim, o código é executado na sua forma natural, sem a necessidade de um compilador ou interpretador externo, permitindo que alterações no código ou identificação de erros sejam feitas em tempo de execução.

Assim, o Javascript permite realizar funções rápidas no lado da pessoa cliente, gerando maior praticidade e agilidade no sistema web. Afinal, se não existisse JS, toda a lógica de programação teria que ser feita no lado do servidor, ou seja, com demoradas requisições para o sistema que armazena os sites.

Alto nível

Além disso, o JS é uma linguagem de alto nível, ou seja, apresenta comandos em um idioma comum, que, no caso é o inglês, facilitando o desenvolvimento se comparada a linguagens de baixo nível, onde os comandos são complexos e com muitos termos desconhecidos e/ou abreviados.

No alto nível, os códigos são compreensíveis, com termos auto explicativos, inclusive. Por conta disso, a curva de aprendizado também é consideravelmente menor.

Flexibilidade e versatilidade

Por ser uma linguagem interpretada e um padrão no desenvolvimento web, pode ser executada em diferentes navegadores, simplificando o processo de desenvolvimento, dado que não é necessário criar várias versões da mesma aplicação.

Além disso, é possível também executar Javascript no lado do servidor e criar diversas outras aplicações, tais como criar jogos, aplicativos desktop e aplicativos mobile. Isso faz com que essa tecnologia esteja praticamente onipresente em nossos sistemas.

O que torna isso possível é uma quantidade surpreendente de frameworks e bibliotecas, resultando em uma tecnologia poderosa. Esses frameworks são códigos prontos com uma funcionalidade específica.

Ao aplicar os frameworks, as pessoas que estão desenvolvendo determinado sistema conseguem agilidade e velocidade através do reuso de códigos — e não precisam construir tudo do zero.

Comunidade consolidada

Como vimos anteriormente, o Javascript é a linguagem mais conhecida do mundo. Por isso, a comunidade é também outro ponto forte.

Se a comunidade de uma tecnologia é grande, isso significa que há ajuda mútua em canais de comunicação, códigos prontos, muitas bibliotecas e/ou frameworks, tudo isso contribuindo para a evolução da linguagem. Por ser uma grande comunidade, a maioria das dúvidas que você tiver certamente já terão sido (ou serão) abordadas em algum canal — o que é muito útil no dia a dia.

Desvantagens

Agora que você já descobriu quais as vantagens, deve estar se perguntando se existem pontos negativos nessa linguagem de ampla usabilidade.

Frameworks obsoletos

Um dos pontos negativos é justamente outra perspectiva sobre o que apresentamos como benefício: o número de frameworks.

Enquanto por um lado é bom contar com várias ferramentas para solucionar problemas, por outro, a realidade mostra que surgem novos frameworks com uma frequência muito alta. Isso torna os outros obsoletos frequentemente.

Vamos considerar que a pessoa que faz a programação utiliza um framework X em um dia, mas um mais robusto e atualizado surge logo depois. Sua aplicação, que depende de X, já fica obsoleta e vulnerável. Dessa forma, existe uma pressão grande por acompanhar novidades e gera-se uma discussão sobre a dependência desses códigos prontos.

Diferentes interpretadores

A capacidade do JS ser interpretado por diversos navegadores é considerado uma vantagem, porém requer que a pessoa desenvolvedora tenha muita atenção ao implementar novas funcionalidades, pois cada navegador possui seu próprio “motor” para interpretar Javascript e em alguns casos, podem apresentar interpretações diferentes do mesmo código.

Segurança limitada

Por último, falamos de um quesito que ainda é muito sensível quando discutimos JS: a segurança. Uma das características das linguagens interpretadas é o fato de que o seu código fica totalmente aberto e disponível para inspeção no sistema que o interpreta.

Por exemplo, você já usou a ferramenta “inspecionar” do seu navegador? Se sim, já deve ter visto que essa opção nos permite ver todo o código-fonte de qualquer página na web.

Assim, é possível entender a lógica por trás de qualquer aplicação JS e, inclusive, copiar algumas partes. Por conta disso, a segurança ainda é um problema para a linguagem, principalmente na construção de aplicações que têm acesso a fatores sensíveis, como a câmera de quem acessa. Isso pode ser facilmente clonado e utilizado por pessoas mal-intencionadas.

Por que aprender Javascript é importante?

Com o crescimento dos sistemas web e da demanda por profissionais capacitados nessa tecnologia, é crucial ter essa habilidade no currículo, tanto para quem é iniciante quanto para quem já tem um conhecimento em programação. 

No desenvolvimento web, o Javascript pode ser usado no Frontend, Backend e até mesmo na comunicação com banco de dados.

No frontend é possível manipular os elementos da página, como já exploramos. No backend é possível tratar requisições e executar diversas tarefas através do framework mais popular Node.js. Já para o banco de dados, o MongoDB permite que a mesma tecnologia seja usada em consultas.

Assim, com o conhecimento de apenas uma linguagem, a pessoa pode se tornar um full-stack — termo que descreve a pessoa capaz de desenvolver em todas as etapas de um sistema web. Ter esse tipo de pessoa na equipe é vantajoso para as empresas, pois dispensa a necessidade de mais contratações.

Contudo, estamos falando de uma tecnologia que vai além da web. Atualmente, ela é importante também para o desenvolvimento de aplicações mobile, através de frameworks como por exemplo o React Native e o Cordova. É possível também criar aplicações desktop, com o Electron, por exemplo.

No mercado de games, também há possibilidades, bem como no de criação de testes de software e no universo da internet das coisas. Ou seja, aprender Javascript é abrir uma porta para um universo de possibilidades na carreira. Você pode usar esse conhecimento em diferentes áreas e evoluir como profissional com desafios novos.

Por onde começar a aprender Javascript?

Começar a aprender Javascript pode parecer uma tarefa desafiadora, mas é possível torná-la bem prática e intuitiva apenas com a organização dos tópicos principais dessa linguagem! Confira quais são eles: 

Variáveis e Constantes

Variáveis são nomes simbólicos para representar valores em sua aplicação. Esses valores podem ser tipos primitivos ou objetos. Variáveis podem ser declaradas através de duas palavras reservadas var e let, as duas formas de declarar possuem diferenças, mas nesse momento seguiremos apenas com a palavra reservada var  e posteriormente vamos entender a diferença da palavra reservada let.

Exemplo de variáveis:

var aluno = “Kennedy Batista”

var idade = 26

var temCachorro = true

Uma constante é semelhante a uma variável, representa um valor, porém não pode ter seu valor alterado ou ser declarada novamente durante a execução do código.

Exemplo de constantes:

const numeroPi = 3.14

const escola = “Trybe”

Tipos primitivos

São tipos de dados básicos que possuem apenas um valor. Primitivos não são objetos e portanto não possuem métodos. Objetos e métodos serão explicados mais à frente.

Em Javascript temos os seguintes tipos primitivos:

strings: É uma sequência de caracteres utilizados para representar textos.

Ex: var nome = “Kennedy Batista”

Neste exemplo temos a variável nome que tem como valor uma string contendo os caracteres “Kennedy Batista”.

number: É um tipo de dado que representa números.

Ex: var idade = 26

Neste exemplo temos a variável idade que tem como valor um number contendo o número 26.

boolean: é um tipo de dado lógico que pode ter apenas dois valores: true ou false.

Ex: var estaPago = true

Neste exemplo temos a variável “estaPago” que tem como valor um boolean verdadeiro (true).

null: em Javascript representa um valor nulo ou vazio. Pode representar também um objeto inexistente.

Ex: var meuObjeto = null

Neste exemplo temos a variável “meuObjeto“, que não possui valor.

undefined: é um tipo de dados especial atribuído automaticamente a variáveis criadas sem valor ou a parâmetros de uma função que não recebeu argumentos.

Ex: var data

Neste exemplo temos a variável data, porém não atribuímos nenhum valor a ela, portanto automaticamente seu valor é undefined.

symbol: Introduzido no ES6, não iremos aprofundar neste momento.

Operadores Aritméticos

Em Javascript é possível realizar operações matemáticas de maneira simples, através dos operadores aritméticos. Estes operadores utilizam valores numéricos como operandos e retornam um único valor, que representa o resultado da operação. Se dividem em operadores unários e binários.

Operadores unários recebem um valor A como operando.

Operadores binários recebem um valor A e um valor B como operandos, sendo eles:

Soma (+): Faz a soma do valor A com o valor B e retorna o resultado.

Ex: var sum = 2 + 2

Neste exemplo a variável sum terá o valor 4.

Subtração (-): Subtrai o valor B do valor A.

Ex: var sub = 10 – 5

Neste exemplo a variável sub terá o valor 5.

Multiplicação (*): Multiplica o valor A pelo valor B.

Ex: var mult = 10 * 5

Neste exemplo a variável mult terá o valor 50.

Divisão (/): Divide o valor de A pelo valor de B.

Ex: var divi = 10 / 2

Neste exemplo a variável divi terá o valor 5.

Vale ressaltar que divisão por 0 (zero) retorna infinito, exemplo:

var diviPorZero = 10 / 0

Neste exemplo, o valor de diviPorZero será Infinity, que é um number.

Módulo (%): Retorna o inteiro restante da divisão do valor A pelo valor B.

Ex: var mod = 12 % 5

Neste exemplo o valor da variável mod será 2

Exponenciação (**): Calcula o valor A elevado à potência do valor B.

Ex: var exp = 2 ** 3

Neste exemplo a variável exp terá o valor 8

Operadores de Comparação

Estes operadores compara dois valores e retorna um valor lógico (boolean), sendo eles:

Maior que (>): Retorna verdadeiro caso o valor da esquerda seja maior que o valor da direita.

Ex: var maior = 5 > 2

Aqui a variável maior terá o valor true.

Maior que ou igual (>=): Retorna verdadeiro caso o valor da esquerda seja maior ou igual ao valor da direita.

Ex.: var maiorOuIgual = 10 >= 9

maiorOuIgual = 10 >= 10

Aqui a variável maiorOuIgual terá o valor true em ambos os casos.

Menor que (<): Retorna verdadeiro caso o valor da esquerda seja menor que o valor da direita.

Ex.: var menor = 3 < 7

Aqui a variável menor terá o valor true.

Menor que ou igual (<=): Retorna verdadeiro caso o valor da esquerda seja menor ou igual ao valor da direita.

Ex.: var menorOuIgual = 9 <= 9

menorOuIgual = 8 <= 10

Aqui a variável menorOuIgual terá o valor true em ambos os casos.

Igualdade (==): Retorna verdadeiro caso os valores sejam iguais.

Ex: var iguais = 5 === 5

Aqui o valor da variável iguais é true.

Desigualdade (!=): Retorna verdadeiro caso os valores sejam diferentes.

Ex: var desiguais = 10 !== 4

Aqui o valor da variável desiguais é true.

Estritamente Igual (===): Retorna verdadeiro caso os valores e os tipos sejam iguais.

  Ex.: var resultado1 = 15 === 15

  var resultado2 = 15 === “15”

Aqui o valor da variável resultado1 é true, porém o valor da variável resultado2 é false, pois mesmo que o valor seja 15, o tipo da variável resultado1 é number e o tipo da variável resultado2 é string.

Estritamente Desigual (!==): Retorna verdadeiro caso os valores e/ou tipos não sejam iguais.

  Ex.:var resultado1 = true !== “true”

  var resultado2 = “João” !== “José”

Aqui o valor da variável resultado1 é false, pois mesmo que ambos os valores sejam true, na esquerda temos um valor boolean e na direita temos um valor string.

O valor da variável resultado2 também é false, pois mesmo que ambos os tipos sejam string, os valores são diferentes.

Operadores Lógicos

São utilizados com valores boolean ou expressões e retornam um valor boolean como resultado da operação, sendo eles:

AND Lógico (&&):

Ex: OU Lógico ( || ):

Ex: NOT Lógico (!):

Estruturas condicionais

São blocos de códigos que são executados apenas se determinada condição for verdadeira, muito útil para programar um comportamento específico baseado nas ações da pessoa usuária ou em algum valor.

Funções

Em Javascript, uma função é um bloco de código representado por um identificador. Esse bloco de código é um conjunto de instruções que executa uma tarefa ou calcula um valor.

Estruturas de Repetição

São blocos de códigos que executam determinadas instruções repetidas vezes. Em Javascript temos diferentes mecanismos para repetir esses blocos de código, o que os difere são as condições para iniciar ou parar a execução. Essas estruturas também são conhecidas como loop.

Confira no nosso vídeo uma introdução sobre estruturas de repetição:

Estruturas de repetição – For

For, que significa “para” em português, determina que uma ação deve ser executada a partir de uma condição inicial até que seja encontrada outra que interrompa o laço. O fluxo de repetição é controlado por uma variável, que é testada a cada repetição até que se encontre a condição de parada.

Objetos

Em Javascript um objeto é um conjunto de propriedades e métodos. O objeto é usado para representar algo da vida real, possibilitando definir características e comportamentos únicos.

Métodos

São funções que pertencem a um objeto e podem ser invocadas por esse objeto. Possuem a capacidade de acessar as propriedades do objeto que as invocou através da palavra reservada this, seguida por . (ponto) e o nome da propriedade.

Arrays

São objetos capazes de armazenar múltiplos valores, primitivos ou objetos, em formato de lista. Um array pode ser armazenado em uma variável ou constante. Além disso, permite que cada valor armazenado seja acessado individualmente. Em Javascript, os arrays possuem métodos, que são automaticamente acessados através do objeto global Array.

Tipos primitivos e métodos?

Ao decorrer deste texto, você irá se deparar com exemplos mostrando variáveis com tipos primitivos utilizando métodos. Bom, isso parecerá muito estranho dado que você acabou de aprender que métodos são funções que pertencem a um objeto e não a um tipo primitivo.

Calma! Já vamos te explicar!

Em Javascript, temos algumas facilidades que a linguagem nos provê a fim de simplificar nosso desenvolvimento. Para todo tipo primitivo, com exceção de null, undefined e Symbol, existem os objetos Wrappers. Esses objetos são responsáveis por fornecer todas as funções relacionadas ao tipo primitivo, pré existentes na linguagem Javascript.

Quando você faz a chamada de um método através de uma variável ou constante que possui um tipo primitivo, o Javascript faz a conversão automática em segundo plano, executa sua instrução, e retorna o valor. Durante a conversão, um objeto wrapper é criado com o valor da variável ou constante, o método é executado e o valor é retornado, e então o objeto wrapper é destruído, restando apenas a variável ou constante inicial.

Alguns objetos e métodos globais do Javascript

Agora que você já sabe o que são funções, objetos e métodos, confira abaixo alguns objetos e métodos globais do Javascript, ou seja, que podem ser acessados em qualquer parte do código:

Javascript alert

O método alert(), que pertence ao objeto global window, exibe uma mensagem no navegador por meio de uma caixa de diálogo, que nada mais é que uma pequena janela popup. Além do texto, também é exibido um botão de confirmação para indicar que a pessoa realmente leu a mensagem. Portanto, a janela só será fechada após o clique no botão de confirmação.

Por ter a característica de bloquear a navegação da pessoa usuária enquanto o botão confirmar não for clicado, esse recurso deve ser usado com moderação. Além disso, existem navegadores que oferecem a função de bloquear o uso dessa funcionalidade.

Javascript date

O objeto Date faz parte dos objetos globais disponíveis na linguagem e é utilizado para a manipulação de data e hora. Para isso, conta com uma série de métodos para trabalhar com datas e tempos.

A manipulação de informações sobre a data e tempo requer muita atenção, pois existem situações que podem causar alterações no seu conteúdo em função da diferença de tempo entre as localizações. Por isso, é preciso entender como esse objeto funciona e qual a melhor forma de garantir a precisão adequada ao trabalhar com datas em JavaScript.

Basicamente, os formatos de input são os tipos de datas que o JavaScript pode receber e interpretar. Portanto, existem três formatos de datas que a linguagem aceita. Confira, a seguir, cada um deles.

  • ISO Date: que segue o padrão internacional e tem o formato YYYY-MM-DD, exemplo: “2020-01-29”;
  • Long Date: tem o formato MMM DD YYYY, exemplo: Jan 29 2020 ou 29 Jan 2020;
  • Short Date: MM/DD/YYYY, exemplo: 01/29/2020.

Clique aqui para saber mais sobre Javascript data format no texto que preparamos sobre esse assunto!

O objeto wrapper String e as Semelhanças com arrays

Alguns métodos do objeto wrapper String

Como vimos anteriormente, em Javascript é possível acessar métodos a partir de tipos primitivos, através da conversão automática dos objetos wrapper.

Sendo assim, é possível acessar métodos muito úteis de forma transparente. Agora vamos abordar alguns métodos muito utilizados por pessoas que desenvolvem em Javascript:

Javascript substring

Esse método permite a seleção de caracteres dentro de uma string original de forma livre, de acordo com a necessidade de quem estiver programando. Assim, a partir de uma string maior, ele extrai uma string menor e a retorna como um resultado.

Sempre que necessário, as pessoas programadoras podem simplesmente chamar o método e pegar o valor entre os índices determinados. Por exemplo: se temos uma variável ou constante do tipo string, que nesse exemplo chamarei de “frase”, podemos utilizar esse método dessa maneira: “frase.substring(inicio, fim)”.

Javascript split

Esse método é utilizado para dividir uma string de acordo com o caractere de separação informado. Ele percorre a string e quando o encontra, divide a string em um array, onde cada posição armazena uma parte da divisão, 

Ex.: var frase = “Eu quero estudar na Trybe”

var fraseDividida = frase.split(‘estudar’)

Irá retornar um array contendo [‘Eu quero ‘, ‘  na Trybe’]

Javascript replace

A palavra replace significa substituir. É isso o que o método replace() faz, ou seja, substitui um trecho de uma string por outro e retorna a operação em uma nova string. É importante lembrar que o método replace() não altera o conteúdo da string original.

Ex.: var frase = “Eu estudo na Trybe!”

var novaFrase = frase.replace(‘estudo na’, ‘amo a’)

A variável novaFrase irá conter “Eu amo a Trybe!”

Alguns métodos do objeto wrapper Array

Assim como Strings, os Arrays também possuem métodos nativos da linguagem, abaixo vamos conferir alguns:

Javascript foreach

É um recurso muito prático quando queremos que uma função de callback seja executada em todos os elementos de um array, já que ele elimina a necessidade de escrevermos muitas linhas de códigos. Traduzindo para o português, a palavra forEach significa para cada. Ou seja, “Para cada item do array, execute essa função, passando o item atual como parâmetro”.

Javascript map

Faz exatamente o mesmo que o forEach, com a diferença que ao final da execução, retorna um novo Array contendo as modificações feitas pela função de callback.

Javascript filter

Assim como indica seu nome, o JavaScript filter() tem a função de filtrar o conteúdo de um array. Essa filtragem é feita através de uma função de callback que testa o valor atual em relação a determinada condição e retorna verdadeiro (true) ou falso (false) para cada elemento. Os elementos testados e avaliados como verdadeiros, são retornados em um novo Array ao final da execução.

Empresas que utilizam o Javascript

Hoje, estima-se que a maior parte da web tenha sido construída em Javascript. Por isso, trouxemos uma lista de sites que utilizam a tecnologia.

  • Slack: essa aplicação desktop é feita com o framework Electron;
  • Google: boa parte das interações do Google é em Javascript. Um exemplo disso é a ferramenta de autocompletar da barra de pesquisa; outro é a rolagem infinita da pesquisa de imagens;
  • Twitter: a rolagem infinita da timeline é em JS, bem como a divisão do site em colunas. Perceba como uma dessas colunas sempre permanece estática, enquanto outras mudam com novas páginas carregadas. Isso é Javascript em ação;
  • Netflix: a reprodução automática de partes de um filme/série quando posicionamos o mouse sobre a miniatura é JS, bem como as mini galerias que mostram os filmes/séries em sequência.

Como é o mercado de trabalho para quem programa Javascript?

Em complemento à pesquisa que vimos sobre o Javascript ser a linguagem mais conhecida, temos também um estudo do Stack Overflow que sacramentou a sua importância: ela é a linguagem mais usada no mundo, superando Python, PHP e Java. Assim, profissionais dispõem de um mercado aquecido com diversas e ótimas oportunidades.

Além disso, o desenvolvimento full-stack tem alta demanda ultimamente. Ou seja, quem domina esses conhecimentos têm grande chance de encontrar ótimos trabalhos, principalmente em aspectos de remuneração. Outra procura grande é por frameworks e bibliotecas específicas, como o Angular e o React.

Como vimos, o Javascript é uma tecnologia com enorme potencial e importância. Tanto na web quanto fora dela. Por isso, oferece inúmeras vantagens para quem deseja avançar na carreira de programação e conseguir bons empregos.

Agora que você já conhece mais sobre essa linguagem, bora colocar a mão na massa? Confira o curso introdutório de Javascript da Trybe: