Já ouviu falar da ferramenta Vue.js? Frameworks JavaScript como o Vue.js são úteis para conferir uma maior reatividade e funcionalidade às aplicações web e mobile. Além disso, a pessoa desenvolvedora trabalha com mais agilidade, entregando uma solução que vai atender bem as demandas de clientes.

Atualmente, muitas pessoas que trabalham com aplicações web utilizam o Vue.js para projetos de pequeno e de grande porte. Gostou e acredita que lhe possa ser útil? Venha com a gente!

Ao longo deste artigo você verá:

  • O que é Vue.js?
  • Vue.js: para que serve?
  • Qual a estrutura do Vue.js?
  • Diretivas usadas em Vue.js
  • Ferramentas usadas no Vue.js
  • Porque usar o Vue.js: cinco vantagens!

Boa leitura!

O que é Vue.js?

O Vue.js foi criado por Evan You, que na época trabalhava como desenvolvedor na Google. Na ocasião, ele buscava uma forma de conceber uma ferramenta que pudesse ser mais eficiente na hora de lidar com o User Interface (UI).

Como dissemos há pouco, o Vue.js é um framework JavaScript. É open source, o que contribui para a sua alta popularidade em repositórios como o Github.

Além disso, quem trabalha com desenvolvimento web o utiliza do lado front-end da aplicação. Vale ainda salientar que é um dos frameworks mais utilizados, em comparação ao Angular e outros.

Vue.js: para que serve?

Nos dias de hoje, os websites estão cada vez melhores em termos de layout, navegação e reatividade mobile. Essa é justamente uma das utilidades do Vue.js: ser um framework robusto para criar aplicações web funcionais e agradáveis a quem utiliza.

Com o advento da transformação digital, muitas empresas procuram prover uma experiência web agradável a clientes.

Para isso, contratam o serviço de uma companhia especializada para desenvolver uma determinada aplicação. Esta, por sua vez, pode ser desde um site institucional até um e-commerce. Profissionais o utilizam tanto para criar uma página única interativa como para projetos mais complexos.

Qual a estrutura do Vue.js?

O Vue.js é composto basicamente pelos chamados componentes reativos. Quando se tem, por exemplo, uma aplicação web de grande porte, é possível separá-los de modo a permanecerem reutilizáveis.

Esses componentes são compostos pelas três características de um projeto web: comportamento, marcação e estilo, que são respectivamente representados pelo JavaScript, HTML e CSS

Vale salientar que a capacidade reativa do Vue.js consiste em tomar um objeto Javascript e conferir as suas atualizações no DOM (Document Object Model) do HTML.

Na prática, quem a utiliza pode interagir com uma página e ver as informações sendo automaticamente realizadas. 

Diretivas usadas em Vue.js

Existem diversas diretivas oferecidas pelo Vue.js. Logo abaixo, apresentamos três delas, que são:

  1. V-for: responsável por percorrer os elementos em um vetor. É uma diretiva que renderiza listas;
  2. V-if: utilizada para fazer uma renderização condicional. Existem também variações como o v-else e o v-else-if;
  3.  V-on: usada para monitorar eventos durante a navegação, como o clique ou o posicionamento do mouse sobre um botão ou palavra específica.

DOM

Para que se entenda melhor sobre a diretiva v-on, é preciso falar sobre o DOM. Mesmo usando o JavaScript e frameworks como o Bootstrap, ainda é possível aprimorar o front-end de uma aplicação web.

Quando o navegador lê um HTML, existe uma interface capaz de representar de maneira estruturada o documento, definindo a forma de acesso dessa estrutura. Para manusear o DOM, pode-se usar o JavaScript. Além disso, é possível:

  • atualizar dados automaticamente sem precisar dar o F5 do navegador;
  • quem utiliza pode fazer customizações de páginas;
  • ações do tipo mover, arrastar e excluir elementos.

Ferramentas usadas no Vue.js

O Vue.js conta com diversas ferramentas que auxiliam no desenvolvimento web. Apresentamos algumas delas nas subseções a seguir.

Vue CLI

O Vue CLI permite não só o desenvolvimento ágil como também deixa a pessoa desenvolvedora livre para inovar. Uma característica importante da ferramenta diz respeito à sua prototipagem instantânea.

Isso significa que uma aplicação ou uma parte dela pode ter as suas funcionalidades testadas, de modo que eventuais inconsistências na versão de teste podem ser corrigidas com maior rapidez. 

Além disso, o Vue CLI conta com uma interface gráfica para permitir o desenvolvimento de aplicações web. A GUI em questão também é responsável por facilitar o gerenciamento e a configuração desse projeto.

Ainda sobre essa ferramenta, convém destacar o seu sistema de plugins, que é bastante extensível. Com isso, diversas tecnologias web e ferramentas são suportadas pela Vue CLI, como:

  • TypeScript;
  • Babel;
  • PWA;
  • PostCSS;
  • Cypress;
  • Nightwatch;
  • Mocha;
  • Jest;
  • ESLint.

Vue Press

Se um projeto web for estático, o Vue Press é uma excelente ferramenta de uso. Com o tempo, ela deixou de ser para documentação técnica e se tornou um CMS gerenciador de sites na rede.

Mesmo com um tema padrão, o Vue Press permite personalização no intuito de prover uma melhor experiência de navegação das pessoas usuárias.

A ferramenta funciona da seguinte forma: primeiro, é desenvolvido o conteúdo em marcação, ou markdown. Posteriormente, ocorre uma conversão para um HTML pré-renderizado. Ao final do processo, a aplicação roda como uma página web estática única. O Vue Press permite a inserção de códigos ou componentes reativos do Vue.js dentro do markdown. Dessa forma, o desenvolvimento do site estático ganha bastante flexibilidade.

Gridsome

Uma característica indispensável de um site diz respeito ao seu SEO. Em outras palavras, toda a semântica deve ser minuciosamente planejada, de modo que as pessoas usuárias tenham facilidade em encontrá-lo.

Dado o contexto, essa é uma característica que pode ser desenvolvida no Gridsome. Entretanto, a ferramenta do Vue.js ainda vai mais além. Ela funciona em conjunto com o GraphQL, que consiste em um gerenciador de dados. 

A vantagem imediata disso é que um site web pode contar com dados de diversos formatos. O funcionamento do Gridsome pode ser feito em três etapas, que são:

  1. Os dados da aplicação podem ser em markdown, CSV, YAML e JSON. Além disso, existe a possibilidade de importar do Drupal ou do WordPress, por exemplo;
  2. O GraphQL fica responsável por gerenciar os dados que foram importados, para que posteriormente sejam utilizados pela aplicação com o Vue.js;
  3. Por fim, a pessoa desenvolvedora faz a implantação dos arquivos em HTML. Vale salientar que estes estão localizados em CDNs ou hosts web, de forma pré-renderizada.

VueX

Um problema bastante recorrente em aplicações web diz respeito ao gerenciamento do estado. Nesse sentido, o VueX é uma ferramenta gerencial, responsável por centralizar todos os componentes envolvidos.

Não podemos deixar de citar aqui o objeto “store”, que consiste em uma árvore de estado, sendo que, para a aplicação, é criado um objeto exclusivo para ele.

A vantagem disso está na facilidade em localizar uma parte do estado e, se necessário, pode ser feita uma depuração de forma mais rápida. O store é dividido em quatro partes, que são:

  1. State: responsável pelo armazenamento de dados da aplicação;
  2. Getters: utiliza abstração por meio de métodos para o acesso de um estado;
  3. Mutations: é com esse componente que as pessoas desenvolvedoras fazem a manipulação direta dos estados;
  4. Actions: serve para o acionamento das Mutations, bem como a execução de códigos assíncronos.

Nuxt

O Nuxt é uma ferramenta modular utilizada para o chamado SSR, ou renderização do lado do servidor. Além disso, é útil em SPA e PWA, que são, respectivamente, aplicações web progressivas.

O Nuxt provê uma maior simplicidade do lado do desenvolvimento, de modo que a estruturação e a otimização são feitas pela ferramenta.

Vuetify

Se você for desenvolver aplicações web ou mobile, saiba que o Vue.js conta com a ferramenta Vuetify. Ela consiste em uma biblioteca de componentes de interface, de modo a prover várias possibilidades para uma aplicação.

Quem usa o Vuetify pode também escolher uma parte dos componentes que estão em uso, de modo que o tamanho final da aplicação seja menor. 

Ressaltamos ainda que essa ferramenta tem uma ampla documentação, o que é de grande ajuda para fins de aprendizado e consulta de funcionalidades. O Vuetify existe tanto na versão gratuita como na premium.

Quasar

O Quasar permite que uma aplicação seja executada em diferentes plataformas. Assim como o Vuetify, conta com uma ampla documentação e componentes de alta reatividade. Dentre as práticas do Quasar, podemos citar:

  • bloqueio de caches;
  • shaking de árvores;
  • acessibilidade;
  • quebra de código;
  • mapeamento de origem;
  • redução de HTML/CSS/JavaScript;
  • transpilação ES6;
  • divisão de código com carregamento lento.

Salientamos também que o Quasar tem uma ferramenta CLI para a concepção de novos projetos. Em resumo, a ferramenta auxilia a pessoa desenvolvedora a concentrar os seus esforços nos recursos de uma aplicação web.

StoryBook

O StoryBook é uma ferramenta responsável pelo desenvolvimento, gerenciamento e teste dos componentes em Vue.js. Além disso, contém uma API flexível e o recurso de exportar na forma de um aplicativo web. Por último, ocorre a implantação em um servidor HTTP.

Eagle.JS

Se a sua aplicação web precisar de uma apresentação em slides, uma boa opção é utilizar o Eagle.JS. Com ele, é possível criar transparências bastante dinâmicas, uma vez que permite o uso de widgets, animação e temas interativos.

Vale ainda ressaltar que o Eagle.JS tem uma API bastante simples, de modo que a pessoa desenvolvedora tem autonomia na hora de conceber as suas aplicações.

Porque usar o Vue.js: cinco vantagens!

Como já foi possível ver, o Vue.js é um framework JavaScript poderoso. Neste tópico, listamos e explicamos algumas das suas principais vantagens. Por isso, acompanhe as subseções a seguir!

1. Ampla documentação e baixa curva de aprendizado

Todo aquele que desenvolve deseja acessar a documentação de um framework para fins de consulta e aprendizado. Nesse sentido, o Vue.js fornece uma baixa curva de aprendizado.

Na prática, isso significa que uma pessoa desenvolvedora levará pouco tempo para dominar as suas funcionalidades, principalmente se já tiver manuseado outros frameworks. Se você já conhece o Angular e o react, por exemplo, será bastante fácil aprender o Vue.js. 

2. Flexibilidade e adaptabilidade

Quem está habituado a usar outros frameworks não terá dificuldades com o Vue.js. Isso porque ele oferece flexibilidade e adaptabilidade. Por padrão, são utilizados templates, mas também é possível optar pelo suporte a JSX e de funções de renderização.

Além disso, é possível contar com funcionalidades adicionais como o vue.router, utilizado em SPA, ou Single Page Application.

3. Experiência da pessoa usuária

Quem consome aplicações web e mobile deseja a melhor experiência de navegação possível. Mais do que isso, pretende resolver o seu problema de forma rápida.

Para o lado do desenvolvimento, pode-se ter a certeza de que o Vue.js é uma ferramenta robusta e que atenda aos requisitos solicitados por clientes.

4. Escalabilidade

A escalabilidade é um requisito indispensável em diversas aplicações web. Mesmo em projetos de grande porte, o Vue.js dá conta do recado. Isso é devido aos seus componentes responsivos.

5. Desenvolvimento ágil

O desenvolvimento ágil é uma grande tendência dos dias atuais. Isso porque ele permite não só uma maior colaboração entre membros de uma equipe como promove a interação contínua com o usuário.

Dependendo do projeto, a metodologia ágil é muito mais adequada do que a tradicional. É sob essa perspectiva que o Vue.js se insere, como um meio de prover uma maior colaboração entre as partes envolvidas.

Dessa forma, o produto final é o mais próximo possível das expectativas e necessidades de clientes.

O Vue.js é um framework JavaScript que lida com User Interface. Por possuir uma baixa curva de aprendizado e ampla documentação, as pessoas programadoras conseguem em pouco tempo absorver as suas funcionalidades. Com isso, as aplicações web passam a ser mais interativas pela perspectiva de quem usará um determinado website.

Gostou do assunto? Aprenda agora um pouco mais sobre o Desenvolvimento Rápido de Aplicação, o RAD!

0 Shares: