Antes de falarmos sobre oJMeter e os testes de performance, vamos refletir um pouquinho: é bastante chato utilizar um aplicativo ou site lento e que sai do ar constantemente, certo? Mas você sabia que, muitas vezes, esse tipo de problema pode ser evitado?  Isso porque a performance de um sistema pode variar bastante de acordo com as situações às quais ela é submetida.

Por isso, durante a fase de planejamento de um software vários requisitos são definidos. Entre eles, alguns dos mais importantes são referentes ao desempenho do sistema, ou seja, os parâmetros de qualidade esperados para a sua performance. 

Assim, antes que a aplicação chegue às mãos das pessoas que vão utilizá-la, é importante garantir que tais requisitos sejam atendidos para que o software não sofra com oscilações de desempenho e falhas constantes.

Mas como isso pode ser feito? Simples: com a aplicação de testes de performance. É aí que entra o JMeter. Quer saber mais sobre o assunto? Confira os tópicos que preparamos para este post:

  • O que é JMeter?
  • O que são os testes de performance e quais os tipos?

Fique com a gente e tenha uma boa leitura!

O que é JMeter?

Criado em 2007 pela Apache Software Foundation, o JMeter é uma ferramenta muito utilizada para a realização de testes de performance. Trata-se de uma ferramenta escrita em Java gratuita, de código aberto e que busca simular os cenários de teste mais reais possíveis.

Inicialmente, o JMeter foi desenvolvido para testar aplicações Web. No entanto, com o tempo a tecnologia foi aprimorada e já é possível utilizá-la para testes em diferentes serviços, como requisições HTTP, SOAP ou FTP, bancos de dados, servidores de e-mail, etc.

Mesmo sendo gratuito, o JMeter apresenta uma grande variedade de recursos para a realização de testes mais precisos, como:

  • recursos para a configuração dos ambientes de teste;
  • extrator de expressão regular: componente utilizado na coleta de dados dos resultados e que auxilia nas validações dos testes;
  • componentes que auxiliam nas avaliações das respostas que são recebidas diante das requisições feitas aos servidores;
  • recursos que ajudam a gerenciar os scripts de teste;
  • componentes para o controle dos cenários de teste aplicados.

Com esses e outros recursos o JMeter é capaz de executar testes que avaliam o desempenho de uma aplicação quando ela é submetida a situações extremas ou que verificam o comportamento dos componentes em alguns casos específicos. 

Para isso, a ferramenta é capaz de simular, por exemplo, milhares de acessos simultâneos a um servidor, submetendo a aplicação a uma alta carga e verificando se ela atende aos parâmetros de qualidade e desempenho especificados nos requisitos.

O que são os testes de performance e quais os tipos?

Garantir a boa experiência da pessoa usuária é um dos pontos fundamentais durante o desenvolvimento de uma aplicação. Para que esse objetivo seja atingido, é necessário assegurar que o software tenha uma performance eficiente com base nos níveis de qualidade estabelecidos e que consiga suportar grandes quantidades de solicitações e acessos simultâneos sem perder desempenho.

Os testes de performance são usados exatamente para isso. Para aplicá-los, em um ambiente controlado, o sistema é submetido a uma série de avaliações para observar como os componentes da aplicação vão se comportar e se ela atende aos requisitos de desempenho.

De acordo com o ISTQB — International Software Testing Qualifications Board — são definidos sete tipos de teste de performance diferentes. Alguns costumam ser mais usados do que outros, mas falaremos brevemente sobre cada um deles aqui. Veja!

Teste de carga

O teste de carga é usado para verificar o desempenho da aplicação diante de uma onda crescente de cargas. Para isso, é realizada uma avaliação na qual a aplicação é submetida gradativamente a um aumento na quantidade de acessos, transações e processos.

Teste de estresse

No teste de estresse é verificado como a aplicação lida com cargas maiores que o limite especificado. Assim, durante a avaliação são aplicadas cargas superiores ao valor suportado pelo sistema. Com isso, é possível observar o comportamento da aplicação em situações extremas e como ela é afetada durantes esses momentos.

Teste de escalabilidade

O teste de escalabilidade é usado para verificar se o sistema é capaz de atender a possíveis requisitos futuros sem perder performance. Ou seja, ele avalia a capacidade da aplicação de expandir — por exemplo, para atender mais usuários — sem que os requisitos de desempenho definidos inicialmente sejam violados.

Teste de pico

Como o próprio nome indica, o teste de pico se concentra em descobrir se a aplicação se comporta corretamente diante de altas cargas súbitas para, logo após, voltar a um estado estável.

Teste de resistência

Com o teste de resistência, é possível verificar se o sistema é capaz de manter a estabilidade durante um período de tempo específico. Assim, é avaliado se existe algum problema de capacidade de recursos, como vazamentos de memória, capaz de gerar falhas e prejudicar a performance da aplicação.

Teste de concorrência

A partir do teste de concorrência podemos verificar o impacto causado no sistema quando a demanda de uma ação específica é muito alta. Um exemplo de concorrência que podemos citar é quando várias pessoas tentam logar em um aplicativo ao mesmo tempo.

Teste de capacidade

O teste de capacidade é um pouco parecido com o de carga, já que ambos submetem o sistema a uma carga crescente. A diferença é que o foco desse é encontrar o limite da aplicação. Ou seja, quantas transações ou pessoas usuárias o sistema comporta atendendo aos parâmetros de qualidade definidos.

Agora você já sabe o que é o JMeter e quais são os tipos de teste de performance utilizados para avaliar o desempenho de uma aplicação. Vale lembrar que, de acordo com as especificidades de cada aplicação, alguns testes podem ser mais ou menos importantes. Por isso, é essencial conhecer as necessidades do seu software para aplicar as avaliações corretamente.

Gostou do conteúdo? Então, para continuar aprendendo, aproveite a visita e descubra o que são os testes automatizados!

0 Shares:
Você também pode gostar