A rotina de quem trabalha com programação tem várias etapas. Cada uma é formulada para resolver problemas e garantir que os requisitos sejam cumpridos. Uma delas é o momento em que os testes automatizados são realizados.

Testes automatizados são uma importante ferramenta para quem trabalha com o desenvolvimento de softwares. Neles, o sistema é otimizado com precisão e agilidade: é nessa hora que você encontrará bugs, falhas de segurança e qualquer outro problema que prejudique o uso da aplicação.

Para que você entenda melhor como o processo de testar um código-fonte de modo automatizado funciona, preparamos o texto abaixo. Continue a leitura e veja como esse modo de encontrar problemas pode ser feito por meio dos seguintes tópicos:

  • Por que testes são importantes?
  • O que é um teste automatizado?
  • Quais os 3 tipos principais de testes automatizados?
  • Por que e como usar os testes automatizados?

Por que os testes são importantes?

Para quem trabalha com programação, é relevante adquirir vários conhecimentos. Criar um sistema exige a habilidade de entender requisitos, atender a métricas e alinhar suas práticas com diferentes metodologias. Além disso, é importante identificar o que fazer para entregar as demandas dentro do prazo e livre de erros.

Para reduzir o número de erros em um código-fonte só existe um caminho, que é o teste do software. Esse processo é feito simulando casos de uso reais e avaliando se todas as funcionalidades entregam o que é esperado. Em outras palavras, o teste é o momento em que a equipe avalia se o programa funciona como o esperado e se registra pequenos problemas e falhas de segurança.

Se você já utilizou um programa com bugs ou em uma fase beta, certamente sabe o impacto que esse tipo de problema pode ter, até porque não é muito provável que alguém goste de um aplicativo que não funciona com alta performance. Bugs atrapalham todo o fluxo de trabalho de uma pessoa, às vezes gerando até uma reinicialização forçada do aplicativo.

Justamente por isso tantos recursos são gastos para avaliar se um programa tem problemas. Se o software é entregue para o público-alvo com poucos erros, seu uso será muito mais amplo, pois os usuários não terão problemas para executar suas atividades diárias.

O que é um teste automatizado?

Conforme programas ficaram mais complexos, pessoas que trabalham com desenvolvimento começaram a ter mais dificuldades para avaliar se os recursos são funcionais. A quantidade de funções e pontos que deveriam ser avaliados a cada projeto aumentou junto com a evolução das tecnologias de criação de sistemas.

Por isso, profissionais da área se viraram para encontrar um dos melhores benefícios que a TI traz: a possibilidade de automatizar rotinas. Assim surgiu o teste automatizado. Esse tipo de avaliação de código-fonte tem como base a verificação de várias características de uma aplicação. Tudo isso sem a interferência de quem está criando o sistema.

Como consequência, o tempo gasto para avaliar se um programa atende aos requisitos caiu rapidamente. As empresas do setor conseguem identificar bugs e brechas de segurança em alguns instantes: basta criar um número adequado de máquinas virtuais para validar a integridade do código-fonte e identificar como ele responde a vários cenários de uso.

Quais os 3 tipos principais de testes automatizados?

Os testes automatizados de software podem ser feitos de diferentes maneiras. As três principais adotadas pelo mercado têm o mesmo objetivo: garantir que o esforço para encontrar bugs seja o menor possível sem que isso comprometa a qualidade das operações da equipe.

Veja que testes são esses e por qual motivo cada um é importante!

1. Testes de Unidade Automatizada (Unit Tests)

Esse tipo de teste é executado a partir de interações diretas com o código-fonte da aplicação. Uma ferramenta faz a avaliação de funções, métodos e rotinas que foram escritos pela equipe de desenvolvimento. Assim, é possível rastrear problemas de sintaxe, variáveis mal estruturadas e estruturas que possam comprometer o desempenho da aplicação.

Os Testes de Unidade Automatizada conseguem validar se toda a estrutura do código-fonte conseguirá ser executada sem erros. Eles são feitos antes do código ser compilado. Com isso, o time pode garantir que a aplicação só será executada se sua estrutura for funcional.

2. Testes de Web Service/API tests

As APIs são um recurso crítico para qualquer sistema. Com elas você pode integrar aplicações e sistemas web. Além disso, tem mais meios para aproveitar os recursos existentes.

Esse tipo de teste consegue validar se as APIs do seu programa estão funcionando conforme o esperado. Geralmente, ele é feito sem o apoio de uma interface de usuário. Afinal, não há a necessidade de compilar o aplicativo para validar a performance das APIs a ele integradas.

A partir dos testes de Web Service e APIs, a pessoa que está escrevendo o software também consegue rastrear bugs de segurança. Como consequência, o aplicativo será finalizado com APIs que são funcionais e manterá um bom nível de disponibilidade. Tudo isso sem gerar problemas de privacidade para o seu público-alvo.

3. Testes de GUI

No geral, as pessoas não gostam de um programa pouco responsivo, não é mesmo? Por isso, os testes automatizados de GUI devem fazer parte do seu dia a dia. Esse é o tipo de avaliação que pode ajudar a identificar se cada detalhe da interface gráfica consegue responder a interações do usuário sem problemas.

Esse tipo de teste valida os comportamentos que usuários podem ter ao utilizar uma aplicação. Ao mesmo tempo, também possibilita fazer testes de estresse. Esse tipo de avaliação simula situações que normalmente não aconteceriam (como toques acidentais em áreas não interativas) para analisar se nenhum ponto da interface apresenta problemas.

Quais as melhores ferramentas para testes automatizados?

Para utilizar os testes automatizados, quem trabalha no projeto de desenvolvimento deve avaliar qual a melhor ferramenta para o seu perfil. No mercado, existe um grande número de soluções voltadas para esse fim. Elas ajudam públicos como as pessoas que trabalham com jogos digitais, com aplicativos mobile e, até mesmo, com a criação de sistemas operacionais.

Portanto, faça uma análise para identificar o que melhor atende às suas demandas. Não deixe de conversar com quem mais estiver envolvido no projeto e buscar feedbacks. Ao mesmo tempo, faça um estudo cuidadoso de cada solução que está disponível para avaliar se ela realmente atende às suas necessidades.

Tomando os cuidados corretos, você não terá dificuldades para criar o melhor aplicativo para o que precisa. Cada recurso será avaliado com o apoio de uma ferramenta de testes automatizados robusta e abrangente. Desse modo, ficará muito mais fácil rastrear bugs e possíveis problemas.

Gostou das nossas dicas e quer ficar por dentro de mais informações sobre tecnologia? Não deixe de conferir nossa categoria exclusiva para esses conteúdos.

1 Shares:
Você também pode gostar