Inteligência Emocional: o que é e qual a importância!

Difícil existir alguém que não tenha ouvido falar em inteligência emocional nos dias de hoje. O motivo para isso é que cada vez mais tem-se percebido sua importância e benefícios para a vida pessoal e profissional. Pode parecer que é algo novo, mas suas origens remontam à pesquisas feitas por Charles Darwin. 

Inteligência emocional é um item essencial que compõe uma série de habilidades conhecidas como soft skills. A inserção desse tipo de habilidade no mundo profissional está cada vez maior e, como independem de formação técnica, é muito comum que não se saiba ao certo como desenvolvê-las. 

Tendo isso em vista, nós preparamos este material para auxiliar a compreender a atualmente tão comentada inteligência emocional. Confira:

  • O que é inteligência emocional?
  • Qual a importância de se desenvolver a inteligência emocional?
  • Quais os principais elementos da inteligência emocional?

Vamos lá?

O que é inteligência emocional?

Inteligência emocional é um termo que se refere não somente à habilidade de identificar e gerenciar as próprias emoções como também se responsabilizar pelas do próximo

Um indivíduo emocionalmente inteligente é consciente daquilo que sente, mesmo que seja um sentimento negativo, como frustração, raiva e tristeza. Também, é capaz de identificar essas emoções, mesmo que de maneira sutil, em outras pessoas. 

Por meio dessa habilidade, entende-se que a pessoa pode se tornar uma melhor amiga, companheira e líder. Apesar de ser um processo que exige muita dedicação, é possível desenvolver tais características e incorporá-las ao nosso comportamento. 

A inteligência emocional pode ser subdivida em três habilidades menores que se sobrepõem a todo instante: 

  • entendimento emocional: consiste em identificar e nomear as próprias emoções;
  • resolução de conflitos: diz respeito a canalizar essas emoções em tarefas como pensar e resolver problemas;
  • gerenciamento emocional: inclui administrar os próprios sentimentos e ajudar outras pessoas a fazer a mesma coisa.

Inteligência Emocional: Daniel Goleman e sua importância!

Como dito anteriormente, o conceito de inteligência emocional surge com Charles Darwin ao apontar em suas pesquisas que as emoções eram primordiais na adaptação e evolução das espécies. Depois disso, outros pesquisadores e cientistas foram moldando a teoria em torno da importância da inteligência emocional.

Todavia, foi somente na década de 90 que a definição chegou em seu auge com a ajuda de Daniel Goleman, PhD em Psicologia pela Universidade de Harvard. Desde então, Daniel é conhecido como o pai da inteligência emocional

Em suas próprias palavras, o autor define a importância da habilidade ilustrando que pessoas com habilidades emocionais bem desenvolvidas são mais suscetíveis a serem satisfeitas e assertivas em suas vidas, dominando os hábitos de suas mentes que levam até a sua própria produtividade

Do contrário, pessoas que não conseguem estabelecer controle em suas vidas emocionais estão constantemente travando batalhas internas que acabam por sabotar o foco e a habilidade de pensar de forma nítida. 

Qual a importância de se desenvolver a inteligência emocional?

Como dito por Goleman, Inteligência emocional pode traçar uma rota com destino à felicidade e plenitude. Com as caóticas e atarefadas rotinas, é fácil com que se desenvolva uma doença psicossomática, como estresse ou depressão. Segundo pesquisas, o Brasil está em segundo lugar quando o assunto é estresse no trabalho.

Ao desenvolver a inteligência emocional, é possível lidar de uma forma melhor com todo o estresse e outros distúrbios que possam aparecer. Além disso, cultivar tal habilidade possui benefícios também para a vida profissional.

Pessoas que são inteligentes emocionalmente são mais capazes de trabalhar de forma coesa dentro de uma equipe, lidar com a pressão de prazos e afazeres, além de focarem melhor no desenvolvimento de sua carreira profissional.

Inteligência emocional e sucesso profissional!

Não importa qual seja sua definição de sucesso profissional, a inteligência emocional tem um papel significativo no processo de alcançá-lo. Goleman afirma que tal inteligência pode ser uma ferramenta poderosa e até mesmo mais importante que a inteligência tradicional — o superestimado QI — para levar ao sucesso.

Isso porque é a inteligência emocional que é responsável por contribuir na obtenção de credibilidade, motivação e cooperação no âmbito profissional. É característica de toda pessoa em posição de liderança não só ter conhecimentos técnicos e profissionais que a ajudem a fazer um bom trabalho, mas, mais importante ainda, utilizar toda sua experiência para reduzir o estresse e gerir os conflitos. Isso é inteligência emocional. 

Há cada vez mais evidências que apontam para a crescente gama de habilidades e competências que se relacionam com a ideia de inteligência emocional. Elas participam ativamente da construção da trajetória profissional que levará ao sucesso, podendo ser em qualquer âmbito profissional. 

Quais os principais elementos da inteligência emocional?

Já debatemos um pouco acerca da definição e da importância da inteligência emocional, mas ainda não conhecemos quais são de fato as habilidades que fazem parte de seu inventário. Vamos agora explicar uma a uma, seu conceito e importância:

Autoconhecimento

Talvez essa seja a característica que melhor define em totalidade a inteligência emocional; sem ela, seríamos incapazes de conseguir desenvolver o restante das habilidades. O autoconhecimento é o indivíduo se tornar ciente sobre seus próprios processos internos. É essa prática que permite que a pessoa se compreenda e saiba quais são as emoções que estão em evidência no momento

Por conta disso, é possível evitar crises de baixa autoestima, ansiedade, depressão e desmotivação, elevando o nível da qualidade de vida e do posicionamento frente às adversidades no geral.

Saiba quais são os fatores que nos ajudam a alcançar nosso autoconhecimento e, consequentemente, a inteligência emocional:

Emoções

É muito comum que, ao experienciarmos um acontecimento não muito agradável, fiquemos confusos em relação ao que estamos sentindo. Buscar a base desse sentimento e compreender que está tudo bem deixar essas emoções fluírem e serem entendidas é o ponto principal do autoconhecimento.

Isso pois, conhecer nossas emoções é a base para nos conhecermos. Um forte indicador de que se é alguém inteligente emocionalmente é o fato de que se sabe exatamente aquilo que está sentindo e o motivo pelo qual aquele sentimento aflorou dentro de si.

História de vida

Traumas e eventos negativos podem ser os maiores antagonistas na busca pelo autoconhecimento e desenvolvimento de uma inteligência emocional. Muitas vezes eles nos levam a suprimir determinado sentimento ou lembrança, criando um espaço que não poderá ser preenchido posteriormente. 

À vista disso, é essencial fazer as pazes com o passado e abraçar sua história de vida. Procure não se colocar do ponto de vista de vítima e sim identificar os pontos de fraqueza e dificuldade, a fim de demonstrar todo o progresso que fez desde então. 

Caso seja difícil refletir sobre determinado acontecimento a ponto de ser impossível fazer isso por conta própria, conte com a ajuda de amigos, familiares e, acima de tudo, de um especialista para ajudar a romper essas barreiras. 

Temperamento

Costuma ser alguém que as demais pessoas a sua volta definem como “pavio-curto”? Ter um problema de temperamento muitas vezes envolve uma explosão de sentimentos que são incapazes de serem contidos e acabam sendo extravasados sem muita cautela, causando diversos danos a si e a pessoas próximas. 

Desenvolver a calma e paciência na hora de agir e falar, sempre pensando com prudência antes de tomar uma decisão importante, também é uma forma de demonstrar inteligência emocional. Por mais difícil que possa parecer, até mesmo a pessoa mais impulsiva pode aprender a controlar.

Uma boa tática para praticar o controle do temperamento é adotar o mindfulness como uma prática cotidiana. Com o mindfulness, você será capaz de encontrar um momento para organizar os pensamentos e voltar o foco para o que for mais essencial. 

Valores

Valores podem ser definidos como um conjunto de fatores que levará alguém a se comportar de uma determinada maneira frente a uma situação. Eles podem ser tanto pessoais, ou seja, morais e éticos ou conduta de um ambiente de trabalho. 

O importante aqui é identificar se você é capaz de compreender o que é certo e errado frente a uma circunstância. Vale ressaltar que o moralmente correto possivelmente não será igual para duas pessoas, por isso a necessidade de se pensar também nos sentimentos alheios — para garantir que suas decisões não sejam corretas somente do seu ponto de vista. 

Talentos

Saiba quais são seus principais pontos fortes de antemão. Isso é importante em qualquer aspecto da vida, tanto para garantir que está se dando o devido valor e também para perpetuar a motivação naquilo que faz

Uma boa dica para evidenciar os seus talentos e compreender aquilo que pode ser fortalecido para eventualmente também se tornar um ponto forte é a análise SWOT. Essa ferramenta permite que visualize de forma esquemática todos os pontos de sua vida, sejam fortes ou fracos. 

Projetar o futuro

Conhecer-se também passa pelo ponto de conhecer o futuro. Ter um plano bem traçado, seja profissional ou pessoal, é essencial para garantir que você se mantenha em um caminho e tenha um objetivo para percorrer. Além de muito importante para manter-se saudável, ter sonhos ajuda também a compreender melhor seu presente, tendo em vista que suas metas são uma projeção de quem você é agora. 

Empatia

Além de se conhecer, é de suma importância que se conheça também as outras pessoas. É nesse aspecto que se encontra uma famosa habilidade social chamada Empatia. Ser empático vai além de uma simples habilidade. Ela diz respeito a uma competência relacionada a inteligência emocional que abarca outras muitas habilidades na hora da compreensão de uma pessoa amiga, companheira ou colega de trabalho. 

Diferentemente de ser alguém simpático, que envolve sorrir — verdadeiramente ou não — e dar conselhos, muitas vezes iniciados como “Veja pelo lado bom…” ou “Pelo menos você…”, empatia envolve conectar-se e verdadeiramente procurar experimentar os sentimentos alheios

Ser uma pessoa empática normalmente envolve:

  • ouvir: ouça atentamente o que a pessoa tem a dizer, sem julgamentos ou pular para conclusões precipitadas;
  • verbalizar: ajude o outro a arrumar palavras para que possa definir aquilo que está sentindo;
  • perceber: antes de tentar achar uma solução por conta própria, tente perceber o que aquela pessoa está precisando no momento;
  • ajudar: ajude a pessoa a tomar uma providência ou pedir por aquilo que ela precisa.  

Resiliência 

De tempos em tempos nossos limites são testados nos mais diversos desafios que a vida proporciona. Existem muitas maneiras de reagir frente à uma adversidade, mas é característica da pessoa resiliente utilizar os momentos difíceis como forma de crescimento individual. 

A resiliência pode ser definida como a capacidade de lidar com problemas e superar momentos difíceis. Faz parte também da inteligência emocional ser capaz de lidar com crises e conseguir tirar proveito delas, já que requer certo esforço para não sucumbir e desistir das metas propostas. 

Dentre as pessoas mais bem sucedidas, a resiliência é característica marcante, já que essas são mais otimistas e costumam enxergar uma saída até mesmo para situações que parecem impossíveis

Autogestão

Essa habilidade se refere à capacidade de uma pessoa em gerir sua vida com autonomia e organização. Essa característica permite que ela seja capaz de definir seu próprio caminho, reconhecendo de forma independente o que é necessário para alcançar seu objetivo

A autogestão faz parte do rol de habilidades da inteligência emocional, pois ter a vida pessoal em ordem certamente trará maior facilidade para organizar a vida emocional. Uma pessoa que, por exemplo, não tem um gerenciamento de tempo adequado, não conseguirá seguir prazos, possivelmente procrastinará e ficará ansiosa por conta disso.

Relacionamentos interpessoais

Ser capaz de conectar-se com as pessoas no ambiente de trabalho ou de estudo é essencial para conseguir desenvolver sua inteligência emocional. Além de ser empático, saber comunicar-se e estar atento ao que os outros dizem é uma forma de crescimento e de conseguir ganhar mais experiências, além de ser ótimo para desenvolver o seu networking

A inteligência emocional é uma das mais importantes soft skills a serem desenvolvidas, e certamente trará muitos benefícios seja para a vida pessoal ou profissional daquela pessoa que se compromete a desenvolvê-la.

Gostou do conteúdo? Aprenda agora sobre autodesenvolvimento, além de conferir dicas de como alcançá-lo!