O desenvolvimento de software sofreu durante muito tempo com um problema comum: a falta de flexibilidade que as equipes enfrentavam quando era preciso alterar alguma funcionalidade do programa. Essa foi uma das dificuldades que levaram ao surgimento da metodologia RAD.

Tanto os requisitos do software quanto as necessidades de clientes são fatores que mudam constantemente durante a construção de um sistema a longo prazo. Contudo, é extremamente complicado lidar com essas alterações repentinas quando se utiliza um método de desenvolvimento rígido.

Por conta disso, o RAD nasceu oferecendo a possibilidade de um desenvolvimento rápido e iterativo, capaz de garantir mudanças durante as diversas etapas de construção de uma aplicação. Quer descobrir como essa metodologia tornou isso possível? Veja os tópicos que preparamos para explicar essa e outras questões:

  • O que é RAD?
  • Como funciona o RAD?
  • Quais são as vantagens de aplicar o RAD no desenvolvimento?

Tenha uma boa leitura!

O que é RAD?

O Rapid Application Development, ou Desenvolvimento Rápido de Aplicação, é uma metodologia de desenvolvimento de software que prioriza um ciclo de trabalho curto, iterativo e incremental. Trata-se de um método que foi projetado para substituir as tradicionais técnicas de desenvolvimento, como o modelo cascata, que apresentavam processos mais lentos e pouco flexíveis.

Para que isso seja possível, a metodologia busca concentrar esforços e recursos na prototipagem do produto, optando por reduzir o tempo de planejamento. Dessa forma, a equipe pode desenvolver uma aplicação rapidamente, obter feedbacks sobre o protótipo criado e fazer as alterações necessárias com mais facilidade.

Toda essa simplicidade é uma consequência da maleabilidade dos processos do RAD. Afinal, o método não se prende a um desenvolvimento rígido e sequencial. Pelo contrário, ele foi criado para que todas as etapas conseguissem suportar mudanças no escopo, novos recursos e alterações facilmente.

Além disso, a metodologia ainda trabalha com a reutilização de componentes do software, o que ajuda a otimizar o processo de desenvolvimento, garantindo uma entrega mais rápida e uma redução no desperdício de tempo e dados.

Como funciona o RAD?

Para otimizar o tempo de desenvolvimento ao mesmo tempo em que possibilita a flexibilidade do escopo do projeto, a metodologia RAD é dividida em cinco etapas. Logo abaixo, mostramos resumidamente como cada uma delas funciona. Veja!

Modelagem do negócio 

A primeira etapa do RAD é a modelagem do negócio. De uma forma simples, podemos dizer que ela é a fase de análise e negociação do projeto, na qual são definidos o escopo e os requisitos da aplicação.

Nessa fase, é feita a estruturação do fluxo de informações entre as funções do negócio, o que garante uma visão dos processos que serão suportados pelo software. A partir disso, pode-se traçar o plano de trabalho da equipe de desenvolvimento.

Modelagem dos dados 

Basicamente, a segunda etapa do RAD trabalha com a estruturação dos dados do sistema. Ou seja, após analisar o fluxo de informações obtido na fase anterior, a equipe pode determinar quais são os objetos de dados cruciais para o negócio, separando-os em grupos de acordo com sua utilidade.

Nesse momento, também é feita a análise da composição dos objetos de dados, das relações estabelecidas entre eles e do relacionamento que cada um tem com os processos que vão manipulá-los.

Modelagem do processo

Nessa etapa do RAD, os objetos de dados definidos na fase anterior são convertidos em informações necessárias para montar o fluxo de implementação das funções do negócio. Durante o percurso, otimizações e mudanças nos objetos de dados também podem ser feitas.

No mais, ainda são estruturadas as regras que vão delimitar a modificação, recuperação, descarte e adição de objetos ao sistema.

Geração da aplicação

Essa é etapa em que todas as informações coletadas vão, de fato, serem transformadas em código para criar um protótipo testável do sistema. Como o RAD trabalha a ideia do reaproveitamento, sempre que possível a aplicação utiliza componentes de programas já existentes.

Quando não há essa possibilidade, são criados componentes que poderão ser utilizados em outras partes do sistema. Além de que, para facilitar o desenvolvimento, geralmente são usadas ferramentas automatizadas nessa fase.

Teste e modificação

Enfim, cada protótipo é testado separadamente, o que reduz consideravelmente o tempo de teste global. Além do mais, por se tratar de um processo de desenvolvimento iterativo que conta com vários componentes reutilizados que já foram testados, é possível testar apenas o que foi criado no ciclo.

Assim, aplicando o teste individual em cada componente, consegue-se identificar as melhorias e modificações que precisam ser feitas para atingir a construção de um produto mais eficaz.

Quais são as vantagens de aplicar o RAD no desenvolvimento?

Devido ao seu processo iterativo e flexível de desenvolvimento, a metodologia RAD oferece uma série de vantagens para as equipes que o utilizam. O reaproveitamento de módulos, por exemplo, além de otimizar o tempo de desenvolvimento, reduz a chance de encontrar erros na aplicação, visto que o componente já foi previamente testado.

Há, ainda, uma série de outros benefícios, como:

  • garante feedback rápido e constante;
  • oferece mais flexibilidade em relação às mudanças de necessidades;
  • reduz a codificação;
  • uma vez que a fase de planejamento é reduzida, a equipe consegue desenvolver mais em menos tempo;
  • o projeto pode ser dividido em tarefas menores e mais gerenciáveis;
  • possibilita o trabalho com modelos;
  • o progresso é facilmente mensurado;
  • garante ciclos de desenvolvimento curtos que, geralmente, variam entre 60 a 90 dias;
  • como o RAD enfatiza o uso de protótipos, é possível visualizar, testar e modificar o sistema mais rapidamente.

Como você pode perceber, o RAD é uma metodologia interessante para quem busca criar aplicações de forma rápida, mas sem perder a qualidade final do projeto. Por isso, entender como ela funciona pode ser um diferencial para o sucesso da sua carreira!

E aí, gostou do artigo? Então, para continuar aprendendo, aproveite a visita ao blog e conheça o Extreme Programming, uma metodologia de programação que otimiza o trabalho das equipes de desenvolvimento!

0 Shares:
Você também pode gostar