Imagine que uma empresa crie um produto extremamente inovador, que consiga transformar todo o seu ramo de atuação. Aquela invenção acaba mudando todo os paradigmas de qualidade e influenciando toda uma geração. Parece uma história de ficção científica, não é verdade?

Mas não é. Inclusive, o produto que acabamos de descrever seria um belo exemplo de inovação disruptiva. Neste post, falaremos mais sobre o conceito e mostraremos alguns exemplos em atividade, que mostram que a transformação digital parece não ter limites. Você lerá sobre:

  • O que é inovação disruptiva?
  • Quais são alguns exemplos de inovação disruptiva?
  • Quais são as suas vantagens e desvantagens?

O que é inovação disruptiva?

Trata-se, basicamente, da transformação de um serviço em um produto totalmente novo. Quando pensamos em inovação disruptiva, nos referimos às tecnologias ou modelos que provocam uma mudança profunda na forma como utilizamos uma determinada funcionalidade.

O conceito foi desenvolvido por Clayton Christensen, um professor de Harvard, ainda na década de 1990. Ele se refere às mudanças profundas que trazem uma transformação total, seja em um setor industrial ou empresarial. A principal característica é a capacidade de tornar um serviço mais acessível e descomplicado.

É importante notar que esse processo afeta diretamente o relacionamento das pessoas consumidoras com as empresas, já que clientes buscam soluções cada vez mais rápidas e ágeis para as suas demandas. Desse modo, as próprias companhias têm que se adequar a pessoas mais exigentes.

Além disso, a inovação disruptiva traz, para as companhias, a necessidade de competir com as outras sob parâmetros relacionados à destruição criativa. Isso quer dizer que toda inovação introduzida com sucesso no mercado traz a substituição da antiga forma por um serviço mais acessível.

A inovação disruptiva é um assunto especialmente importante para as pessoas que se interessam ou que já estejam estudando sobre tecnologia, já que elas causam uma redefinição contínua nos mercados — assim como o próprio setor, que está sempre mudando.

Exemplos de inovação disruptiva:

Agora, apresentaremos 5 exemplos que se tornaram marcos da inovação disruptiva.

Netflix

Pode ser difícil de acreditar, mas a Netflix não nasceu como um serviço de streaming com capacidade técnica invejável. Na verdade, o serviço se iniciou como uma mera empresa de locação de DVDs por meio da internet, com envio por correspondência.

No entanto, é possível dizer que a disrupção já estava lá: afinal, já eram oferecidos filmes por demanda, sem exigir que os clientes saíssem de casa. Tal como o Spotify fez com as lojas de CD, a Netflix se mostrou muito além das locadoras tradicionais.

WhatsApp

É possível que você nem se lembre da época na qual o principal meio de comunicação em celulares eram os SMS. Isso porque o WhatsApp teve uma aceitação tão grande que modificou a forma como enxergamos essa troca aqui no Brasil.

Com esse novo serviço de mensagens instantâneas, não era preciso gastar qualquer dinheiro para se comunicar — bastava apenas estar conectado à internet. Além disso, o aplicativo ainda conta com a opção de chamadas e gravações de áudio, se tornando um exemplar bem-sucedido de inovação disruptiva.

Nubank e os bancos digitais

O Brasil ainda pode crescer mais para conseguir produzir exemplos numerosos de inovação disruptiva, mas isso não significa que já não temos os nossos cases de sucesso. O Nubank é um deles, já que foi uma das empresas pioneiras no conceito de banco digital.

O Nubank oferece um cartão de crédito/ débito controlado por um aplicativo, facilitando o processo de compra e trazendo mais segurança para os usuários. Além disso, o banco digital não cobra anuidade — justamente pelo fato de operar no ambiente on-line, sem os gastos de infraestrutura associados às instituições financeiras tradicionais.

Wikipédia

A Wikipédia é outro exemplo bastante curioso. Há pouco tempo, pessoas vendedoras costumavam ir de porta em porta para vender enciclopédias volumosas, como as famosas Britannica ou Barsa. No entanto, comprar um livro enorme com conhecimento geral, atualmente, parece uma ideia pouco prática.

Um dos motivos disso é a Wikipédia, a enciclopédia on-line gratuita está ao alcance de todas as pessoas que possam se conectar à internet. Além disso, ela funciona de forma colaborativa: trata-se de uma inovação disruptiva ocasionada por uma entidade sem fins lucrativos.

Airbnb

O Airbnb é utilizado como mediador entre pessoas proprietárias de imóveis e quem deseja procurar um lugar para ficar, principalmente em viagens.

O programa (que também ganhou um aplicativo bastante responsivo) se tornou um exemplo de inovação disruptiva pelos novos parâmetros que estabeleceu. Por meio da internet, alguém que planeja uma viagem pode reservar uma habitação em poucos cliques.

Além disso, a pessoa usuária descobre o preço pelo qual precisa pagar de forma rápida e prática, sem ter que negociar por muito tempo com hotéis e pousadas, por exemplo.

Vantagens e desvantagens da inovação disruptiva?

Uma das maiores vantagens desse novo paradigma é que ele tornou mais acessível a posição de destaque no mercado, mesmo sem um investimento absurdo. Afinal de contas, basta uma ideia inovadora e a aceitação do público para que uma criação decole — o próprio WhatsApp é um exemplo clássico dessa estratégia.

As relações com as pessoas consumidores foram extremamente afetadas por tecnologias disruptivas. Os processos de compra se tornaram bem mais rápidos e simples, com a popularização dos aplicativos, por exemplo. Isso levou clientes a buscar mais conforto e acessibilidade na hora de buscar novos produtos e serviços.

Entretanto, novas tecnologias e metodologias trazem desafios para todo empreendimento. Isso porque os negócios e as empresas precisam se renovar de forma contínua, o que vale tanto para marcas já estabelecidas como para iniciantes.

Além disso, outra possível desvantagem tem a ver com a abordagem: uma empresa pode acabar negligenciando suas atividades-fim, que garantem sua rentabilidade, para se dedicar exclusivamente ao desenvolvimento de tecnologias disruptivas. A melhor saída é buscar um equilíbrio.

Ao utilizar a automação de processos burocráticos, por exemplo, é possível retirar tarefas operacionais das mãos da equipe e entregá-las as soluções digitais dedicadas a esse fim. Assim, a empresa ganha tempo para se dedicar à inovação disruptiva.

Como vimos no artigo, empresas e serviços como o WhatsApp, a Netflix e o Spotify revolucionaram o mercado e transformaram as demandas.

Gostou desse conteúdo? Então não deixe de conferir mais sobre inovações tecnológicas e suas facetas.

5 Shares:
Você também pode gostar