O Golden Circle, de Simon Sinek, é uma das ideias mais eficientes para as marcas se conectarem com seus públicos. Esse conceito traz a ideia de propósito, que consegue se comunicar com as emoções e valores das pessoas consumidoras e criar relações mais significativas com as marcas.

O problema é que muitas empresas ainda não entenderam isso. Elas focam a comunicação apenas no “o quê”, ou seja, nos produtos que vendem, em vez de priorizar o seu propósito no branding. O que Simon Sinek propõe é que essas marcas façam o caminho contrário: começar pelo “porquê”.

Neste artigo, vamos explicar tudo sobre o Golden Circle ou Círculo Dourado, criado por Simon Sinek, e como aplicar esse conceito no seu negócio. Acompanhe agora para entender tudo!

O que é Golden Circle?

Golden Circle, que pode ser traduzido como Círculo Dourado, é um conceito criado por Simon Sinek para explicar por que algumas pessoas líderes e marcas conseguem inspirar as pessoas ao seu redor e outros não.

A ideia se popularizou com a publicação do livro Start with Why (em português, Comece pelo Porquê), mas principalmente pela apresentação de Simon Sinek no TED Talks, que se tornou um fenômeno da internet.

Na apresentação, o autor e palestrante explica, de forma didática, que as marcas que entendem e comunicam o seu propósito — ou seja, o seu “porquê” — conseguem se conectar verdadeiramente com as pessoas consumidoras. Dessa forma, a venda dos produtos se torna mais bem sucedida, já que não é preciso argumentar que o seu produto é melhor por isso ou aquilo.

Enquanto isso, a maioria das marcas foca a sua comunicação em mostrar produtos, características e vantagens — ou seja, o “o quê” — e não conseguem criar laços fortes com os públicos. Elas não se conectam profundamente com valores e emoções das pessoas e, por isso, não ganham a sua fidelidade e não se destacam no mercado.

Entenda o raciocínio por trás do Golden Circle!

Para entender o raciocínio por trás do Golden Circle, pense em um dos líderes mais inspiradores que já existiu: Martin Luther King.

Ele conseguiu mobilizar milhares de pessoas e se tornar um dos maiores nomes da luta contra o racismo e a segregação porque tinha um propósito. Ele lutava por algo maior, que ia além da sua própria existência. Ele tinha um “sonho”, que ficou famoso no seu histórico discurso, de viver em um mundo que não julgasse seus filhos pela cor da sua pele.

O propósito de Martin Luther King era forte e evidente. Foi por isso que ele conseguiu — e ainda consegue — inspirar as pessoas na luta contra o racismo. E é isso que Simon Sinek explica para as marcas que querem se destacar no mercado: elas precisam identificar e comunicar o seu propósito para inspirar as pessoas.

De acordo com o Golden Circle, as marcas devem começar pelo “porquê” — ou seja, por que elas fazem o que fazem, por que elas existem. É com isso que as pessoas consumidoras se identificam, porque o propósito se conecta diretamente com seus valores e emoções, com aquilo que dá sentido à sua vida.

Porém, poucas empresas sabem o seu propósito. Mas elas sabem quais produtos vendem e como eles são produzidos, porque isso é muito mais fácil de identificar. Por isso, é mais comum começar pelo “o quê”. Só que isso não se conecta com o íntimo das pessoas e não cria conexões emocionais.

Qual a importância do Golden Circle?

Agora que você já entendeu a ideia por trás do Círculo Dourado, talvez esteja se perguntando: tudo bem, mas por que as marcas precisam inspirar as pessoas?

Segundo Philip Kotler, um dos principais pensadores do marketing, a era do Marketing 3.0 marca uma mudança na relação entre marcas e pessoas consumidoras. A partir dessa fase, elas deixam de ser tratadas como alvos do marketing e passam a ser vistas como seres humanos.

E, como seres humanos que são, têm valores e princípios. Na era digital, as pessoas consumidoras se tornam mais conscientes e engajadas e, por isso, valorizam marcas que se comprometem com causas e querem deixar um impacto positivo na sociedade. Por outro lado, aquelas empresas que só se preocupam com suas vendas e seus produtos perdem espaço.

É aí que entra a importância do propósito e do Golden Circle de Simon Sinek. Quando as empresas colocam o propósito no centro da sua existência, elas conseguem alcançar essas pessoas que querem relações mais profundas com as marcas.

Essas marcas alcançam um patamar mais profundo de envolvimento e reconhecimento. Elas não precisam mais focar a comunicação nos atributos funcionais dos seus produtos. Em alguns casos, até o preço se torna secundário, pois o que importa para elas é o significado que a marca traz para a sua vida.

Dessa forma, as marcas que começam pelo “porquê” fortalecem o seu branding e o relacionamento com as pessoas consumidoras. De maneira prática, isso representa mais valor agregado à marca e mais poder de vendas no mercado.

Quem é Simon Sinek e qual a relação dele com o Golden Circle?

Simon Sinek é o criador do conceito do Círculo Dourado. Nascido no Reino Unido em 1973, Sinek mudou-se cedo para os Estados Unidos, onde iniciou sua carreira em agências de publicidade. Mais tarde, formou-se em antropologia cultural e passou a atuar como consultor de empresas.

Em 2007, fundou seu próprio negócio, Simon Sinek Inc., com o qual rodou o mundo como palestrante. Destacou-se sempre com uma visão inovadora e disruptiva sobre negócios e liderança.

Mas foi em 2009 que seu nome se tornou globalmente conhecido. Naquele ano, Sinek lançou o livro “Start with why” e participou do TED Talks que viralizou na internet. Foi dessa forma que as suas ideias se espalharam pelo mundo.

Assista o TED Talks sobre o Golden Circle de Simon Sinek

A apresentação do TED Talks de Simon Sinek alcançou mais de 40 milhões de visualizações, foi legendada em 47 idiomas e se tornou o terceiro vídeo mais assistido do TED.com.

O sucesso da apresentação de Simon Sinek, com uma fala simples e didática, mostra que suas ideias conseguiram inspirar pessoas e marcas pelo mundo inteiro. Se você também quer se inspirar, assista abaixo ao vídeo sobre o Golden Circle:

As 3 esferas do Golden Circle: porquê, como e o quê

O Golden Circle de Simon Sinek é formado por três círculos concêntricos. O “why” (porquê) está no centro, porque é por ali que as marcas devem começar. Na esfera do meio, está o “how” (como), que diz como a empresa quer alcançar o seu propósito. Por fim, o círculo externo é o “what” (o quê), que termina dizendo o que a empresa vende para alcançar o seu propósito.

Embora a maioria das empresas faça o caminho de fora para dentro, Simon Sinek defende que as marcas inspiradoras são aquelas que vão de dentro para fora. Vamos entender melhor agora o que significa cada uma dessas esferas:

Porquê?

O “porquê” é o propósito. A marca precisa responder por que ela existe, que impacto ela quer trazer para o mundo, como quer fazer diferença na vida das pessoas. Segundo Simon Sinek, as pessoas não compram o que você faz, mas por que você faz o que faz.

Perceba que o “porquê” entra em um nível mais profundo e complexo, por isso exige mais reflexão da marca sobre a sua própria existência. E, por isso, é um aspecto que as marcas têm mais dificuldade de identificar.

Como?

O “como” são os métodos da empresa. Essa esfera do Círculo Dourado deve explicar como a empresa cria seus produtos e processos e como eles se diferenciam dos concorrentes. A empresa deve identificar quais características os produtos devem ter para que eles cumpram o propósito da marca.

Perceba que, no caminho que Simon Sinek propõe, é o “porquê” que embasa as decisões da empresa sobre seus processos de produção. Dessa forma, os produtos se tornam muito mais significativos.

O quê?

O “o quê”, enfim, são os produtos que a empresa vende. Para alcançar seu propósito, uma empresa precisa oferecer soluções para as pessoas, que agreguem valor à sua vida e resolvam suas necessidades.

Mas, no Golden Circle, mais importante ainda é que os produtos carreguem significados, que estejam embasados no propósito da marca. Dessa forma, as marcas conseguem ser inspiradoras e conquistar uma legião de pessoas seguidoras.

Qual a relação entre o Golden Circle e a Lei da Difusão da Inovação?

A Lei da Difusão da Inovação, criada por Everett Rogers, pretende explicar como os produtos inovadores se difundem no mercado e se tornam um sucesso de vendas. Vamos explicar melhor essa teoria e como se relaciona com o Golden Circle.

De acordo com o autor, os produtos inovadores passam pelos seguintes tipos de pessoas consumidoras no mercado, nesta ordem:

1.      Inovadores;

2.      Primeiros adeptos;

3.      Maioria inicial;

4.      Maioria tardia;

5.      Retardatários.

Para alcançar o sucesso pleno, o produto deve chegar à maioria inicial e tardia. Mas, antes disso, precisa passar pelos inovadores e primeiros adeptos (early adopters), que corroboram a qualidade e o valor do produto e fazem as demais pessoas consumidoras comprarem.

É aí, então, que a Lei de Difusão da Inovação se relaciona com o Golden Circle. A empresa precisa conquistar os inovadores e early adopters para inspirar o restante das pessoas.

E esse tipo de cliente geralmente não se motiva com alguma característica ou benefício que o produto entrega. Quando falamos de inovação, muitas vezes os produtos sequer conseguem mostrar seu valor num primeiro momento.

Por isso, os inovadores e primeiros adeptos são motivados por algo maior — ou seja, o propósito da marca, a diferença que ela vai fazer para as pessoas, o impacto que vai trazer para o mundo. Quando o produto conquistar o mercado, essas pessoas vão poder dizer que foram precursoras.

Como aplicar o Golden Circle no seu negócio?

Gostou de conhecer melhor o Golden Circle? Então, vamos ver agora como aplicar esse conceito no seu negócio:

Entenda o propósito da marca

Para começar pelo “porquê”, o primeiro passo para aplicar o Círculo Dourado na sua empresa é identificar o seu propósito.

Procure entender o que dá significado à existência da marca. Talvez você pense que é o lucro da empresa, mas lembre que as pessoas consumidoras atuais não se interessam mais por empresas que só querem vender e lucrar. Elas querem empresas comprometidas com o mundo.

Por isso, é preciso definir um propósito que seja relevante para a sociedade e que seja valorizado pelo público da marca. Se não, o propósito não vai gerar qualquer identificação.

Consolide a cultura organizacional

Assim como o próprio Golden Circle, a mudança da empresa também acontece de dentro para fora. Por isso, depois de identificar o propósito da marca, comunique essa definição internamente.

Porém, essa comunicação não se resume a uma frase colada na parede. O propósito deve fazer parte da cultura organizacional, que carrega os valores e princípios da marca.

Quando os colaboradores absorvem a cultura organizacional e vivenciam no dia a dia de trabalho, fica muito mais fácil transparecer o propósito para o mercado.

Aplique o Golden Circle no marketing

A ideia do Golden Circle só se concretiza quando é comunicada ao mercado. Então, o propósito deve embasar todas as estratégias, ações e peças de marketing.

Em geral, a comunicação das marcas inspiradoras não foca em atributos e preços dos produtos. Elas transparecem o branding de forma mais subjetiva e significativa, já que as características do produto são secundárias quando há um propósito forte.

Lembre-se de que as pessoas compram o “porquê”, não o “o quê”. Por isso, o marketing deve tomar suas decisões de olho no propósito, não exatamente no produto.

Crie conexões emocionais com os consumidores

Para fortalecer a comunicação do Círculo Dourado, invista também no marketing de relacionamento. Não se preocupe apenas em difundir seu propósito, mas também em nutrir relações com o público.

Marcas inspiradoras não falam sozinhas. Elas querem ouvir o que as pessoas consumidoras têm a dizer e falam de igual para igual com eles. Se não, acabam criando um distanciamento com as pessoas. E, dessa forma, elas não se identificam com propósito algum. É muito mais fácil se identificar com o propósito e os valores de quem está próximo da gente, não é?

3 exemplos de aplicação do Golden Circle!

Agora, vamos ver alguns exemplos de marcas que aplicam a ideia do Golden Circle. Elas se destacam no mercado porque têm um propósito forte que desperta a identificação do público e comunicam isso pelo marketing. Veja agora quais são elas:

Apple

A Apple é um dos principais exemplos de aplicação do Golden Circle. A marca é citada por Simon Sinek diversas vezes durante a sua apresentação no TED Talks para explicar o conceito.

De acordo com o palestrante, a Apple seria apenas mais uma empresa de hardwares se usasse a comunicação tradicional: nós fazemos computadores; eles são bonitos, simples e fáceis de usar; então, compre os nossos produtos. Não dá vontade de comprar, não é?

Mas a marca é diferente porque comunica o seu propósito primeiramente: nós queremos desafiar o status quo; por isso, criamos produtos bonitos e fáceis de usar; então, quer comprar nossos computadores? Agora, com uma comunicação muito mais atrativa e envolvente, dá vontade de comprar, não é?

Essa abordagem aparece em todas as estratégias da Apple, desde os eventos de lançamento do iPhone até os anúncios minimalistas da marca.

Dove

A Dove também se tornou uma marca inspiradora. Poderia ser apenas mais uma empresa que vende produtos de higiene pessoal, mas a relação com o público feminino fez a marca perceber que tinha um propósito maior.

A marca poderia anunciar shampoos, condicionadores, hidratantes e desodorantes. Porém, a comunicação se tornou muito mais inspiradora quando passou a focar na valorização da “real beleza”, que é a bandeira da marca há mais de uma década.

Podemos dizer que hoje a marca se comunica assim: queremos valorizar a real beleza da mulher, como fonte de confiança e autoestima; por isso, criamos produtos que protegem e cuidam do corpo da mulher; então, quer comprar produtos para a sua pele e seus cabelos?

Patagonia

A Patagonia é mais um exemplo de marca inspiradora, conectada à natureza e ao meio ambiente. A marca vende roupas e acessórios para atividades ao ar livre, mas, na sua comunicação, mais importante que isso é cuidar do planeta.

Essa posição fica evidente em tudo o que o marketing comunica, desde as próprias roupas, que são extremamente duráveis, até as produções cinematográficas da marca, que refletem seus valores de responsabilidade ambiental e social.

Na linha do Círculo Dourado, a marca se comunica assim: nós queremos salvar o nosso planeta; por isso, criamos produtos duráveis e sustentáveis para atividades outdoor; então, quer comprar nossas roupas e acessórios?

Pronto, agora você já sabe o que é e como aplicar o Golden Circle, um dos conceitos mais inspiradores para as empresas. Essa ideia se alinha a uma mudança do marketing nos últimos anos, que passou a focar no impacto positivo que as empresas podem trazer para o mundo. As pessoas consumidoras valorizam um propósito significativo, então é isso que as marcas devem buscar.

Agora, aproveite para ler também sobre a inovação disruptiva e como esse mecanismo pode impulsionar as vendas de produtos.

Você também pode gostar