Seguindo o modelo “pay to earn”, os jogos NFT dominaram o mercado desde a alta das criptomoedas e de investimentos similares ao longo de 2021. Por referência, no final do ano passado houve a estimativa de lucro de R$ 13 bilhões em apenas 3 meses. O principal título? Axie Infinity, uma startup baseada em NFTs.

Porém, como diversos sistemas baseados em blockchain logo encontraram o ápice de sua popularidade, o potencial de lucros virou um caminho rumo à falência. E Axie Infinity não foi uma exceção à regra. Em uma extensa reportagem da Bloomberg, vemos as principais histórias, contadas pelo ponto de vista de quem mais foi afetado.

O caso de mais destaque é o de um morador da Flórida (EUA), que cresceu na Argentina, e estima ter gastado US$ 40 mil (ou cerca de R$ 200 mil) desde agosto do ano passado. Alejo Lopez de Armentia explica que a principal forma de lucrar com Axie Infinity era a reprodução das criaturas NFT adquiridas pelo jogador.

Tela de jogo de Axie Infinity
Tela de jogo de Axie Infinity, jogo que utiliza NFTs como “personagens” de batalha.

Como campeão de um torneio, você recebe certos tokens; ao vencer batalhas, há outros tokens (de valor inferior) como prêmio. Ao longo da jogatina, independente de qual token você ganhar, as criptomoedas e os personagens funcionam como a maior  “recompensa”. A reprodução gera uma nova criatura e serve como um plano para possíveis vitórias no futuro.

Com estas táticas de potencial lucro e uma jogabilidade relativamente básica, Axie Infinity cruzou a marca de 2 milhões de usuários ativos em um único dia, em outubro. No mesmo mês, tiveram mais de US$ 160 milhões (R$ 800 milhões) arrecadados por investidores.

No início de 2022, este e outros jogos NFT viram a perda de interesse. Em março, houve queda de 40% dos usuários ativos, com os respectivos tokens também com valor inferior à média. As moedas SLP e AXS, que valiam US$ 0,40 e US$ 165 respectivamente, agora estavam valendo US$ 1,8 e US$ 56.

Pouco tempo depois, os escritórios do estúdio desenvolvedor, o Sky Mavis, foram roubados. A estimativa de danos chegou a R$ 3 bilhões, somente em NFTs afetados.

Em poucas semanas, ao invés de ser um exemplo ímpar do que a web3 (ou web 3.0) prometia ao longo desta década, Axie Infinity reforçou o que céticos pensavam a respeito de quem “caiu” neste tipo de investimento. A vida útil do projeto, hoje, está comprometida.

Como saída, o Sky Mavis pretende focar seus eforços em Axie: Origin, a aguardada sequência espiritual de Infinity, que não envolverá criptomoedas em seu funcionamento. Ao longo do tempo, o plano da empresa é ter Origin como o carro-chefe, caso ele atraia uma gama de jogadores interessados em fugir dos investimentos do título original. Porém, só o tempo dirá se esta nova “aposta” cobrirá o prejuízo de quem entrou no mercado de jogos baseados em blockchain – e quem se decepcionou após a desvalorização de suas criaturas em Axie Infinity.

Você também pode gostar