O cenário econômico atual tem levado a Meta a tomar decisões mais cautelosas, inclusive em relação a projeto anunciados recentemente e com os quais a empresa parecia determinada em seguir adiante.

A gigante das redes sociais declarou que vai retirar seus investimentos em uma série de produtos, incluindo as equipes formadas no início da pandemia de Covid-19 como uma forma de competir com a plataforma de videochamadas Zoom e criar recursos de compras.

Outra medida de contenção foi a suspensão de contratações para alguns cargos na área de engenharia, assim como de recrutadores e cientistas de dados

Logo da empresa Meta.
O próprio CEO Mark Zuckerberg, no entanto, afirmou em uma conferência interna da empresa na semana passada que o corte de profissionais não está nos planos.

A decisão relacionada à suspensão do recrutamento de novos profissionais gerou preocupação entre os funcionários da Meta, que já imaginavam uma onda iminente de demissões.

O próprio CEO Mark Zuckerberg, no entanto, afirmou em uma conferência interna da empresa na semana passada que o corte de profissionais não está nos planos. Ele alertou, no entanto, que não poderia prometer que a decisão é permanente, uma vez que talvez fosse necessário reconsiderar isso caso o cenário mudasse. 

Ainda assim, Zuckerberg garantiu que, diante da situação atual, a expectativa é que não seja necessário demitir profissionais. A estratégia adotada pela empresa, por enquanto, é ajustar os planos de crescimento de acordo com o que ela acredita ser gerenciável a longo prazo. 

Reavaliação de estratégias

Para iniciar a implementação dessa nova estratégia, portanto, os profissionais em cargos de liderança da Meta já começaram a alertar algumas equipes específicas que elas não poderão contratar novos engenheiros e nem receber transferências internas de funcionários. 

A decisão indica que os produtos dessas áreas não são lucrativos ou estrategicamente importantes o suficiente para manter os investimentos da empresa em um momento em que as ações da Meta caíram 43% este ano. 

Os departamentos que já estão sendo impactados pela suspensão das contratações incluem o Facebook Dating e Gaming, Messenger Kids, Commerce e Remote Presence, tendo este último sido criado durante a pandemia para desenvolver recursos de vídeos e áudio para competir com a plataforma Zoom. 

A pausa nas contratações de engenheiros foi confirmada por um porta-voz da empresa, que também afirmou que a Meta continua a recrutar de forma ativa profissionais para as áreas de machine learning e inteligência artificial

Segundo o porta-voz, a companhia está avaliando suas prioridades para focar nos produtos adequados e que estão relacionados com o core business da empresa e com o Reality Labs. 

Reality Labs

O Reality Labs é a divisão responsável por criar os softwares e hardware para o metaverso, que é a grande aposta de Zuckerberg para o futuro da empresa. Ainda assim, ela também entrou para a lista de departamentos impactados pela nova estratégia da Meta. 

A equipe do Reality Labs já foi alertada que alguns projetos deixariam de ser prioridade em detrimento de outros. Cerca de 17 mil profissionais estão alocados nessa divisão, e a expectativa é que esse quadro não seja alterado. 

As movimentações da Meta refletem uma série de fatores que vêm prejudicarando o desempenho da empresa, incluindo a ascensão do TikTok, uma liquidação em larga escala das ações em tecnologia, e as mudanças na política de rastreamento de anúncios da Apple, que gerou à companhia de Zuckerberg um prejuízo de bilhões de dólares em receita publicitária. 

Apesar dessa mudança forçada de estratégia, o CEO da Meta tentou tranquilizar os funcionários afirmando que a empresa mantém-se em uma posição forte no mercado e que continua a crescer rapidamente.

Você também pode gostar