Enquanto a demanda por profissionais de Tecnologia da Informação (TI) está em crescimento acelerado no Brasil, a capacitação de profissionais para a área caminha na contramão.

Segundo o Ranking de Competitividade Digital, do Centro de Competitividade Mundial do Instituto IMD, há três fatores principais quando o assunto é TI: Tecnologia, Prontidão Futura e Conhecimento.

O último fator aborda também o quesito Talento e, dentro dele, segundo um estudo realizado pelo IMD, o Brasil está na penúltima posição entre 64 países. O país ocupa um lugar melhor em Treinamento e Educação (58º) e mais próximo da liderança em Concentração Científica (21º).  

A abordagem do IMD mede o Talento a partir de três frentes: investimento e desenvolvimento de recursos destinados à educação, atração e retenção de talentos locais e qualidades das habilidades e competências disponíveis.

O baixo desempenho do Brasil não é novidade. Desde o início do relatório de competitividade digital, o país se configura entre os cinco últimos anos colocados no subfator talento.

O resultado negativo, de acordo com o estudo, é fruto da ausência de habilidades digitais e tecnológicas na educação básica, a baixa percepção do empresariado sobre estratégias de gestão das cidades que apoiem o desenvolvimento de negócios e baixa atratividade de capital humano.

O desafio de reter talentos

Jovens trabalham ao redor de uma mesa

A adoção de novas tecnologias ainda é um desafio para o país. A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) contempla o desenvolvimento de habilidades atreladas a elas, mas a implementação efetiva desses recursos está distante.

De acordo com um levantamento realizado em junho de 2021 pela Fundação Lemann, apenas 3,2% das escolas brasileiras possuem acesso à internet em padrão internacional, ou seja, com velocidade adequada. 

A retenção de talentos em território nacional também é um desafio. O relatório de competitividade global do IMB 2021 posiciona o Brasil na 44ª posição no quesito “fuga de cérebros”.

Segundo a Fundação Dom Cabral, que colaborou com o estudo no País, isso mostra que profissionais qualificados estão preferindo ofertas de trabalho no exterior, seja por melhores condições de trabalho, qualidade de vida, ou empregabilidade. 

Deixe um comentário
Você também pode gostar