Proteger seus dados em um aparelho de celular tem se tornado cada vez mais primordial para os usuários. Evitar o vazamento ou a coleta de informações por parte de aplicativos ajuda a manter a segurança e a privacidade de quem não quer ser incomodado com excesso de anúncios e nem ter seu aparelho invadido por hackers.

No entanto, na prática, essa proteção está longe de acontecer. Em abril, os donos de Iphones ganharam a opção de optar por não permitir que apps monitorem suas atividades, mas alguns programas encontraram maneiras de continuar coletando dados.

Antes da implementação do poder de decisão dos usuários, os aplicativos disponíveis na App Store tinham um recurso chamado App Tracking. Essa função faz com que a Apple forneça um identificador único para cada aparelho e, a partir disso, disponibilize informações sobre os hábitos do usuário, como quais sites ele está acessando e com quais anúncios ele interage.

Esses dados são enviados para as empresas, permitindo que ela os venda para agências de publicidade. Em abril, após a determinação, a gigante da tecnologia introduziu o App Trancking Transparency, que permite aos usuários decidir se querem ou não que o App Tracking funcione naquele programa específico.

Programas quebram regras de modo sorrateiro

imagem de computadores com códigos na tela e um óculos em primeiro plano

Agora, se um usuário optar por não ativar a funcionalidade, nenhum outro método pode ser usado para a coleta de dados. Mesmo assim, alguns programas estão quebrando as regras, usando a estratégia de maneira sorrateira.

Essas ferramentas coletam dados a partir de uma estratégia que usa identificadores de páginas da internet, geralmente usados para garantir que os sites estão sendo mostrados corretamente em diferentes dispositivos.

Essa nova estratégia foi detectada em 3 aplicativos populares do iPhone: Subway Surfers, Streamer Life! e Run Rich 3D. Durante o uso de qualquer um desses apps, eles estão constantemente enviando dados para a agência de anúncios Chartboost 29.

As plataformas costumam coletar dados corriqueiros, como o endereço IP do celular, seu espaço de armazenamento disponível, o seu nível de volume atual e o seu nível de bateria, ajudando no direcionamento de publicidades específicas para cada aparelho.

Para Johnny Lin, ex-engenheiro do iCloud, a falta de ação da Apple em relação a esse método de coleta de dados torna as novas regras de privacidade introduzidas pela empresa em abril inúteis, e, em alguns casos, até mesmo mentirosa, já que mesmo quando o usuário opta por não ser monitorado, informações podem estar sendo transmitidas para agências de publicidade sem seu conhecimento.

Deixe um comentário
Você também pode gostar