Dentre as diversas aplicações da inteligência artificial, uma nova pesquisa sugere que ela pode ser utilizada para criar tabelas de horários mais precisas para os transportes públicos, reduzindo a probabilidade dos passageiros se atrasarem.

Para quem vive em grandes centros urbanos, depender de transportes públicos significa estar sujeito a imprevistos diariamente. Apesar de as viagens serem baseadas em horários estabelecidos, nem sempre é possível segui-los conforme o planejado, visto que inúmeros fatores podem afetar o percurso.

Para solucionar esse problema, uma equipe formada por pesquisadores da Martin Luther University Halle-Wittenberg (MLU), do Fraunhofer Institute for Industrial Mathematics ITWM e da University of Kaiserslautern desenvolveu uma nova inteligência artificial capaz de criar horários menos suscetíveis às disrupções enfrentadas pelos transportes públicos. 

A pesquisa recebeu o apoio da Deutsche Forschungsgemeinschaft (DFG, German Research Foundation), e os resultados do estudo foram publicados na revista acadêmica Transportation Research Part C: Emerging Technologies.

Precisão de milissegundos

O objetivo inicial dos pesquisadores era encontrar uma maneira eficiente de testar como as tabelas de horários levam em conta pequenas disrupções e atrasos inevitáveis; ou seja, avaliar a “robustez”, conforme o termo técnico.

Pessoa para em um ponto de ônibus.
O objetivo inicial dos pesquisadores era encontrar uma maneira eficiente de testar como as tabelas de horários levam em conta pequenas disrupções e atrasos inevitáveis.

Tradicionalmente, as otimizações de horários dependem de simulações computacionais elaboradas que calculam as rotas de um grande número de passageiros em diferentes cenários. 

O problema é que uma única simulação pode levar vários minutos para ser processada, sendo que o trabalho de otimização dos quadros de horários exige milhares de simulações desse tipo.

A estratégia proposta pelos autores do artigo, por outro lado, permite que a robustez dos horários seja estimada com a precisão de milissegundos. Esse resultado foi possível graças ao trabalho dos pesquisadores de Halle and Kaiserslautern, que utilizaram diversos métodos de avaliação para treinar a inteligência artificial.

O método foi testado em tabelas de horários de Göttingen e de uma parte da região sul de Lower Saxony, ambos na Alemanha. Segundo o artigo, os resultados observados foram muito satisfatórios. 

Otimização de horários

Os autores do estudo pontuam que atrasos são inevitáveis, considerando que eles podem ser causados pelo trânsito, uma porta emperrada, ou um número elevado de passageiros tentando embarcar ou desembarcar em determinados pontos.

Um dos grandes inconvenientes é o fato de muitas tabelas de horários não incluírem uma margem de tempo suficiente de modo a levar em conta esses fatores externos. O resultado disso é que mesmo pequenas disrupções podem fazer com que um passageiro perca a conexão com outra linha ou meio de transporte. A situação é ainda pior quando se trata da última viagem do dia. 

Além disso, as consequências não se limitam apenas aos passageiros do veículo que sofreu disrupções. Um único atraso pode afetar as próximas viagens, que já serão iniciadas tardiamente, fazendo com que o problema continue a aumentar.

Uma das soluções sugeridas pelos pesquisadores é aumentar os tempos de parada e de espera nas estações e pontos, oferecendo uma maior margem ao estabelecer horários. No entanto, isso depende também da eficiência econômica, que pode variar em diferentes regiões. 

O que a nova inteligência artificial oferece, segundo os autores, é a capacidade de otimizar tabelas de horários para que se possa atingir um equilíbrio entre as necessidades dos passageiros e as condições econômicas externas das companhias de transportes.

Você também pode gostar