O Google anunciou esta semana que o Pixel 6 e o Pixel 6 Pro já estão certificados para funcionar na banda C do 5G na Verizon. Apesar da notícia animadora para os fãs dos celulares da empresa, o comunicado inclui outra informação inesperada: os modelos mais antigos da linha Pixel não receberão o suporte para a frequência nos Estados Unidos.

A companhia afirma que não há planos para que o Pixel 4a (5G), Pixel 5 e Pixel 5a (5G) operem na banda C nos EUA, apesar de contarem com o hardware necessário. O mais curioso é que isso não se aplica a outros países, onde os mesmos modelos poderão receber as atualizações de software para funcionar nessa frequência.          

Ainda não há explicações por parte do Google sobre a sua decisão. O comunicado apenas diz que os modelos Pixel com 5G poderão operar na banda C em alguns países e sugere que os usuários verifiquem com suas operadoras quais redes estão disponíveis para seus dispositivos.                       

A companhia ainda afirma que, no caso do Pixel 4a (5G), Pixel 5 e Pixel 5a (5G), eles continuarão a ter acesso aos serviços Sub 6 e mmW fornecidos de acordo com a operadora, plano e localização do usuário. 

A notícia da certificação do Pixel 6 e do Pixel 6 Pro também foi celebrada por George Koroneos, gerente de relações públicas e comunicação corporativa da Verizon, no Twitter. Segundo ele, isso permitirá que os donos desses aparelhos tenham acesso ao poder total do 5G Ultra Wideband. Koroneos ainda afirmou que a atualização de software começaria a ser liberada esta semana. 

Decisão inesperada

Além de contar com o hardware necessário, os modelos Pixel 5 já haviam recebido a aprovação da Federal Communications Commission (FCC) para funcionar nas frequências do 5G, o que traz ainda mais dúvidas sobre o motivo de o Google decidir não oferecer suporte para a banda C nesses aparelhos. 

Logo escrito 5G.
As empresas de telecomunicações estão investindo bilhões para garantir que a frequência de banda C faça parte das suas redes 5G.

Considerando que a Verizon tem testado e aprovado cada dispositivo individualmente para que eles possam utilizar a frequência de banda C, uma possível explicação seria que os hardwares mais antigos talvez não atendam a alguns requerimentos.

Por outro lado, modelos da mesma época do Pixel 5, como a série Galaxy S21, Z Fold/Flip3 e os iPhones 12, já receberam aprovação da Verizon para funcionar na banda C.

Uma das principais vantagens da banda C é que, apesar de não ser tão veloz quanto a mmWave, ela tem um alcance maior, o que a torna mais viável para um número maior de consumidores. 

A notícia da ausência de suporte para a banda C nos modelos citados foi inesperada principalmente pelo fato de a decisão se limitar aos EUA e considerando que o Pixel 5 é um modelo topo de linha ainda relativamente novo.

Alternativa mais viável

As empresas de telecomunicações estão investindo bilhões para garantir que a frequência de banda C faça parte das suas redes 5G. A T-Mobile é uma das grandes operadoras que atuam nos EUA que ainda não utiliza a banda C, mas já tem planos de oferecer o serviço aos seus clientes no próximo ano. 

A estratégia da Verizon para o 5G é utilizar a banda C para oferecer respostas para algumas das necessidades que o mmWave não é capaz de atender. Algumas empresas chegaram a criar versões mmWave, geralmente mais caras, dos seus aparelhos para a rede da Verizon especificamente.

Agora que a operadora conta com uma alternativa mais viável, a tendência é que as fabricantes abandonem esses hardwares de mmWave, como é o caso da terceira geração do iPhone SE recém-anunciado.

Você também pode gostar