Neste ano, os NFTs caíram em gosto popular e tiveram um pico de popularidade em múltiplas indústrias ao redor do globo, indo de jogos a filmes, somadas às criações exclusivas do meio da arte digital.

Em suma, os colecionáveis utilizam toda a segurança e transparência do blockchain para funcionar, garantindo que você sempre tenha um item único. Projetos de diversos tipos (e coleções inteiras) foram leiloados, gerando um novo rumo à indústria.

Fato é que, somente em 2021, estima-se que 153 bilhões de reais tenham movimentado o mercado, dentre os dois contratos de Ethereum (criptomoeda) associados às vendas de NFTs. 

Desta estimativa, cerca de R$90 bilhões estaria relacionada ao OpenSea, atualmente o maior marketplace de NFTs. De acordo com o estudo recém-publicado pelo Chainalysis, há um incremento significativo tanto no volume enviado (ou seja, o dinheiro trocado em si) como também no tamanho das transações. 

A publicação também sugere que NFTs tornaram-se uma categoria de ativos com crescente valor, à medida que isso atrai novos usuários. Um dos picos de interesse pelo público surgiu em agosto deste ano, pois tivemos o lançamento de uma nova coleção do popular grupo NFTs, chamado Bored Ape Yacht Club. 

Porém, ainda que isto tenha nascido e crescido em 2021, o que podemos esperar sobre o ano que vem?

2022 e a queda de NFTs

Assim como há oscilação nos valores de criptomoedas, os mercados de NFT passam por períodos de alta e baixa, explica o Chainalysis. A constatação é recente, afinal, vimos um grande crescimento durante o começo do segundo semestre e uma retração nos meses seguintes. 

Como explica o VentureBeat, o primeiro sinal de crash seria uma “queda agregada nos preços mínimos”. Isso possui relação direta a como os NFTs são manejados por investidores. Eles estão tentando ganhar dinheiro rápido ou acreditam em NFTs, a longo prazo? 

O Chainalysis disse que “aqueles que optam por vender seus NFTs recém-criados o fazem mais rapidamente do que aqueles que compram um NFT já vendido”. Com isso, vemos um contraste firmado entre o mint (criação, do zero) e o mercado de revendas das artes.

Estima-se que 50% das primeiras vendas acontecem em até dois dias após a criação dos NFTs em blockchain. Depois, leva-se cerca de cinco dias para atingir essa mesma marca em vendas secundárias, após a compra.

(Reprodução) Cryptopunks
(Reprodução) Cryptopunks

Os CryptoPunks foram a coleção NFT mais popular durante o período estudado, com mais de R$17 bilhões em volume de transações desde março deste ano. Outros, por outro lado, dificilmente conseguiram atingir um patamar de popularidade consistente. 

Os números sugerem que, da mesma forma que a criptomoeda convencional, os NFTs alcançaram popularidade global, com nenhuma região em individual sendo responsável por 40% (ou mais) visitas mensais, desde março.

 Estes dados mostram onde a maioria dos usuários NFT estão localizados no mundo. A empresa constatou que uma forte combinação de visitas da web veio do centro e sul da Ásia, a América do Norte, Europa Ocidental e a América Latina. 

Do outro lado, vemos que a negociação de NFT foi mais voltada para o varejo do que para a negociação de criptomoedas, em geral. A maioria das transações (de varejo) correspondeu a menos de 10 mil dólares em criptomoedas.

Porém, as transações entre 10 mil e 100 mil dólares em criptomoedas passaram a representar 19% de todas as transações NFT. As transações institucionais, ou seja, aquelas acima de 100 mil dólares, representaram 26% da atividade, enquanto as transações de varejo chegaram a somente 11%. 

Como conclusão, temos o lado dos investidores. Conforme indicam dados do OpenSea, apenas 28,5% dos NFTs comprados durante o mint vendidos na plataforma resultam em lucro. Desta forma, os NFTs comprados no mercado secundário (de outros usuários) resulta em lucro 65,1% das vezes.

 A maior lição é termos um pouco mais de atenção voltada ao mercado de NFTs sob esta ótica do mercado, pois sabemos que os investidores só “apostam” alto quando vêem retorno sobre o investimento, comprando NFTs – seja durante o processo de mint, ou na compra secundária. Este fator irá pesar quando tivermos novos NFTs em 2022. Resta aguardar apenas por mais uma coleção bombástica de primatas ou seres pixelizados.

Deixe um comentário
Você também pode gostar