A evolução das relações de trabalho tem exigido que os trabalhadores exerçam uma variedade cada vez mais ampla de funções, muitas vezes colocando a sua especialidade em segundo plano. O mesmo ocorre com os desenvolvedores e programadores, que passam apenas uma pequena parcela do seu tempo desenvolvendo softwares ou escrevendo código.

Isso ocorre devido a uma série de distrações e demandas inesperadas que surgem no decorrer do dia, de acordo com uma pesquisa realizada pela empresa de ferramentas de software Retool.

O estudo contou com a participação de 600 engenheiros de softwares e profissionais em cargos de gerência. Uma das principais descobertas foi que os desenvolvedores gastam apenas cerca de 10 horas por semana realizando um trabalho focado.

No caso de engenheiros em cargos classificados como “junior”, o tempo é significativamente maior. Em relação aos engenheiros de nível sênior, por exemplo, a quantidade de horas dedicadas ao trabalho focado é 20% maior.

Uma das possíveis explicações é o fato de que profissionais junior não precisam lidar com tantas tarefas administrativas em comparação com seus superiores, explica o estudo da Retool.

Problemas técnicos e tempo de espera

Os entrevistados mostraram-se não apenas conscientes, mas frustrados com esse cenário. Os desenvolvedores, tanto de nível junior como senior, afirmaram que gostariam de gastar menos tempo escrevendo testes ou realizando testes manuais. 

Pessoa em uma mesa de trabalho.
Outra reclamação apresentada pelos entrevistados foi “esperar pelas pessoas”, o que inclui esperar por revisões ou requisições de código.

Já no caso dos profissionais em cargos senior, os processos de recrutamento e entrevistas de potenciais contratações também foram mencionadas como tarefas que eles gostariam que ocupassem um tempo menor do seu dia de trabalho. 

Dentre as atividades que consomem uma grande quantidade de tempo e que não agradam os desenvolvedores estão problemas técnicos como lentidão em queries no SQL e na sincronização de bancos de dados

Outra reclamação apresentada pelos entrevistados foi “esperar pelas pessoas”, o que inclui esperar por revisões ou requisições de código. Além disso, tentar descobrir o responsável por um determinado pedaço de código já é uma tarefa que pode levar horas.

Ferramentas e estratégias

Para tentar lidar com a extensa lista de tarefas, demandas inesperadas e frustrações durante um dia de trabalho, os profissionais dessa área contam com ferramentas e técnicas variadas, conforme mostra o estudo.

O open-source foi citado por quase todos os engenheiros entrevistados como essencial para o seu trabalho diário. De acordo com o levantamento da Retool, mais de 80% dos desenvolvedores utilizam código aberto pelo menos uma vez por semana, enquanto que quase 50% usam pelo menos uma vez por semana. 

Em relação às estratégias, a pesquisa mostra que os profissionais costumam reutilizar códigos sempre que possível. No total, 44% admitiram copiar e colar até 50 linhas de código de outras fontes por semana; 33% afirmaram copiar entre 50 a 100 linhas; e 13%, entre 100 a 500 linhas semanalmente. 

A prática se tornou algo comum entre desenvolvedores, uma vez que aproveitar partes de código já escrito reduz a necessidade de realizar o mesmo trabalho que foi feito por outra pessoa. Assim, esse atalho permite realocar o tempo para outras tarefas, de forma a otimizar a produtividade.

Segundo a pesquisa, a maioria dos engenheiros de software aproveitam o código escrito por outros profissionais atualmente. Eles utilizam bibliotecas de código aberto ou reaproveitam códigos do banco da própria empresa ou de tutoriais online.

Você também pode gostar