Durante anos, pessoas especialistas buscaram e experimentaram diversas teorias, técnicas e ferramentas dentro de empresas com o intuito de melhorar as condições de trabalho, aumentar a motivação e, consequentemente, a produtividade. Grande parte dessas metodologias se encontram relacionadas à liderança, afinal, já mais do que comprovado que uma liderança eficaz é um dos principais fatores que faz com que um negócio prospere. Uma das estratégias muito utilizadas pela liderança é o empowerment. 

Esse conceito que é um empréstimo da língua inglesa pode ser o que fará com que uma equipe dentro de uma organização consiga ser a mais produtiva, motivada e independente. No entanto, nada é tão simples quanto parece. Para aplicar o empowerment primeiro devemos compreendê-lo por completo.

Pensando nisso, desenvolvemos um material essencial para que você possa entender esse conceito e aplicá-lo em seu ambiente de trabalho. Vamos conferir o conteúdo:

O que significa Empowerment?

Dentro de um contexto empresarial, empowerment é um jargão utilizado para designar o ato de transferir ou conferir maior poder e autoridade, concedendo condições, habilidades e permissões para que isso seja possível. Empowerment é uma palavra que pode ser traduzida livremente para “Empoderamento”. 

Então, dentro de uma empresa, o empowerment significa confiar que as pessoas colaboradoras têm o que é necessário para cumprir com determinada responsabilidade e que elas querem poder ter o controle sobre elas. 

Dessa forma, elas são capazes de tomar decisões, lidar com situações complexas, resolver conflitos e até mesmo delegar tarefas a outras pessoas colaboradoras, pois compreendem seu valor e sua função dentro do contexto geral. Esse conceito é baseado na confiança das habilidades e do caráter da equipe. 

Entendendo o que é Poder!

Muitas vezes, a palavra poder está semanticamente associada a soberania, realeza e posições elevadas. No entanto, essa palavra vai muito além disso. É importante compreender todas as nuances da palavra “poder” para entender a fundo a palavra empowerment, pois ela está na raiz do conceito. 

A palavra força (power) foi muito estudada por diversas pessoas especialistas. Para Weber, por exemplo, a palavra poder está relacionada à habilidade de fazer outras pessoas fazerem o que a gente quer, independentemente se concordam ou não. Já outras definições envolvem controle e influência como sinônimos. O problema com essas definições, no entanto, é que fazem com que poder não seja algo associado ao ser humano, se tornando mais uma estrutura ou uma espécie de “força” sobrenatural que não pode ser alterada ou contrariada. 

Porém, se pensarmos em poder como algo que é criado a partir do relacionamento entre pessoas, poder e relacionamentos de poder se tornam conceitos que podem ser mudados e, portanto, estão sempre em processo de mudança. Com isso, conseguimos entender melhor o que é e da onde surge o empoderamento: um processo que pode ser utilizado em diversas esferas sociais que, a partir da comunicação e do relacionamento, faz com que as pessoas possam ter mais controle sobre suas próprias vidas e ações. 

Conheça a história do Empowerment!

Empowerment, por si só, não pode ser sua origem rastreada, afinal, é um conceito muito amplo e multidisciplinar. No entanto, quando aplicado aos negócios e à gestão empresarial, há alguns fatores que envolveram sua adoção.

Durante o começo do século passado, após o surgimento e aperfeiçoamento das indústrias, saindo da manufatura e caminhando para a automação, algumas teorias administrativas surgiram para melhorar a execução do trabalho e a produtividade. Uma dessas pessoas foi Frederick Taylor, que implementou um famoso sistema de produção que ficou conhecido como Taylorismo. 

No entanto, nesses modelos originais, não se considerava diversos fatores em relação às pessoas colaboradoras, que eram vistas unicamente como mão de obra. Todas as decisões eram tomadas pela chefia e o quadro de pessoas funcionárias deveria acatar e realizar suas funções (diversas vezes monótonas e repetitivas), sem questionar. Isso gerou a visão que temos do ambiente empresarial burocrático, pouco criativo e que desmotiva as pessoas colaboradoras. 

Com o passar do tempo e o avançar das décadas, outras pessoas gestoras e analistas começaram a perceber que a participação das pessoas que trabalhavam nas empresas era importante, ao mesmo tempo que as pessoas colaboradoras lutavam para ter mais voz, espaço e direitos assistidos. Grandes reformas foram acontecendo a partir da década de 70, com a implementação de diversos tipos de lideranças diferentes. Ao final da década de 80, o conceito empowerment surge para designar essa força e autoridade delegada às pessoas colaboradoras.

Quais são as três condições para o Empowerment?

O Empowerment empresarial é pautado em três condições fundamentais para sua existência. São elas:

Autonomia

Parte fundamental do empowerment diz respeito às pessoas colaboradoras conseguindo tomar decisões e influenciar na hora de resolver problemas complexos. Porém, isso só será possível a partir do momento que elas tiverem autonomia para conseguir colocar em prática suas habilidades, seus pontos de vista e sua criatividade

Visão corporativa

Com visão corporativa, estamos falando da cultura, missão, valores e objetivos da empresa — ou seja, tudo que diz respeito a como a empresa pensa e se comporta. Para que as pessoas colaboradoras sejam empoderadas, elas precisam ter uma visão bem nítida sobre como funciona a empresa e onde ela quer chegar. Dessa forma, ficará mais fácil para elas quando for necessário tomar uma decisão importante. 

Flexibilidade

É preciso compreender que pessoas colaboradoras são diferentes, terão um tempo diferente para empoderar-se, e, ainda, para algumas esse processo poderá acontecer de forma diferente. Logo, é necessário ter flexibilidade para saber como fazer essa transferência de autoridade na medida certa para cada pessoa. 

Qual a relação do Empowerment com a liderança?

Como já dissemos anteriormente, Empowerment é um dos conceitos utilizados dentro da liderança para indicar esse processo de empoderamento das pessoas colaboradoras. O Empowerment só é possível a partir de uma liderança efetiva, bem organizada e conhece seu quadro de pessoas colaboradoras. 

Desse modo, antes de empoderar quem trabalha com ela, a liderança deve ter certeza de que ela mesma se encontra empoderada por completo e de que dispõe dos recursos necessários para dar esse passo. Em casos negativos, os ajustes necessários devem ser tomados para que isso aconteça. 

Qual a diferença entre o Empowerment e a Delegação?

Assim como empowerment, delegação de tarefas é outro termo que está intimamente ligado à liderança e gestão empresarial. No entanto, apesar de elas serem parte de um mesmo todo, elas ainda são constituídas de diferenças cruciais. Vamos entender primeiro a delegação.

Na delegação:

  • A pessoa líder precisa ter uma visão panorâmica sobre o que está acontecendo, resolver um problema e dividi-lo em partes menores;
  • Então, a liderança analisa cuidadosamente as habilidades de cada pessoa, delegando cuidadosamente tarefas para cada perfil.
  • Para delegar, a pessoa líder já deve ter passado por um processo anterior de análise, gerenciamento e compreensão de problemas.

Com Empowerment, não é necessária essa delegação de tarefas, pois:

  • A pessoa líder também precisa enxergar o quadro geral e compreender o problema a partir de todos os ângulos. 
  • Considerando que sua equipe seja empoderada, ela precisa somente compartilhar essa visão e transmitir quais são os objetivos, ou seja, onde a equipe precisa chegar para atingir os resultados.
  • Ao invés de delegar tarefas, a liderança confia que cada pessoa compreenda sua função e busque uma forma de contribuir para isso, já sabendo quais são as tarefas necessárias no meio do caminho.
  • Assim, com a independência e confiança necessárias, as pessoas colaboradoras se sentem motivadas e impelidas a realizar seu trabalho da melhor forma possível, pois sabem que a liderança acredita no seu potencial. 

Quais os benefícios do Empowerment?

Os benefícios do Empowerment poderão ser muitos, afinal, as pessoas colaboradoras empoderadas sentirão que:

  • seu trabalho é importante e essencial para a empresa;
  • são capazes de cumprir tarefas com maior taxa de sucesso;
  • poderão trabalhar como se sentirem mais confortáveis;

Com isso, alguns dos resultados positivos serão:

Para pessoas colaboradoras

  • O ambiente de trabalho se tornará mais leve e sem pressão;
  • Poderão escolher como e quando começar e terminar uma tarefa;
  • Sentirão que estão usando sua total capacidade;
  • Não terão tantos problemas a passar por adaptações ou mudanças;
  • Se tornarão mais motivadas e inclinadas a se especializarem mais;
  • Perderão o sentimento de estagnação.

Para a liderança

  • Não precisará focar tanto em delegação de tarefas e gestão individual, podendo focar em questões como inovação, progresso e produtividade;
  • Precisará se colocar num papel de mentoria, o que pode proporcionar bastante conhecimento e experiência;

Para o negócio

  • Melhoria na satisfação geral;
  • Menor número de rotação de pessoas colaboradoras;
  • Melhoria da imagem da marca;
  • Possibilidade de se adaptar  mais rapidamente a um mercado em constante mudança.

Quais os desafios de aplicar o Empowerment?

Como já era de se esperar, o empowerment envolve alguns desafios que podem não ser tão simples de se superar para algumas organizações.

O primeiro deles é referente a recursos. Para empresas com pouca disponibilidade de recursos, pode ser necessário que os resultados sejam requisitados mais rapidamente. Nesse caso, é difícil empoderar uma equipe, pois elas devem atuar dentro de um prazo curto. 

Outro ponto importante a ser superado é que grande parte das pessoas, quando começam a trabalhar nas empresas, não dispõem da disciplina necessária para esse tipo de liberdade, muitas vezes por falta de treinamento e experiência. Nesse caso, a empresa precisa desempenhar um papel importante de orientar e instigar o desenvolvimento das habilidades para isso. 

Um último desafio é referente a grande variedade de papéis e atuações que podem existir dentro de uma organização. Nem sempre a mesma forma de aplicação de empowerment será adequada e funcionará para todos os casos, o que necessitará de uma atenção maior e uma solução especializada. 

Empowerment: 3 dicas para empoderar seu ambiente de trabalho!

Para que o empowerment possa ser aplicado, primeiro podemos começar a empoderar nosso ambiente de trabalho a partir de algumas dicas básicas. 

1. Disponibilize ferramentas e recursos

Nenhuma pessoa colaboradora conseguirá dar o primeiro passo para se tornar empoderada sem ter o material necessário para isso. Afinal, ela deverá se desenvolver, tanto tecnicamente quanto pessoalmente para conseguir atingir esse nível de experiência e maturidade. 

Portanto, algumas ferramentas, recursos, treinamentos e dinâmicas podem ajudar na hora de fornecer esse tipo de conhecimento. Após fornecer esses recursos, instigue as pessoas a explorá-los e construírem seu próprio conhecimento, fomentando a vontade de aprender e desenvolver-se

2. Teste como as pessoas funcionam em casos de maior autonomia

Você, enquanto liderança, pode ir pouco a pouco testando a capacidade de trabalhar de maneira autônoma das pessoas colaboradoras. Para isso, tente envolvê-las mais no processo de tomada de decisão e procure explicar pacientemente como funciona a definição de objetivos e resultados

Faça com que as pessoas passem a ser capazes de compreender e enxergar a empresa de uma maneira mais ampla, podendo ver como funciona cada processo e como eles são interdependentes.

3. Introduza o conceito de empowerment

Guie sua equipe e proporcione um momento para que todas as pessoas possam compreender qual é o significado de empowerment. Isso pode ser feito por meio de uma palestra interativa, uma reunião ou até mesmo uma dinâmica de equipe

Como implementar o empowerment? Passo a passo!

Depois de preparar o terreno e começar a fomentar o Empowerment na sua equipe, você pode começar o processo de implementação. Confira o passo a passo a seguir:

PASSO 1: Garanta que sua equipe está qualificada

A implementação do empowerment falhará caso a equipe não tenha maturidade o suficiente para tomar decisões por conta própria ou caso ela não compreenda na totalidade como funciona a empresa e qual é sua visão. Desse modo, garanta que cada pessoa da equipe esteja preparada para essa carga de responsabilidade adicional

Lembrando que cada pessoa terá uma forma diferente de reagir a isso. Algumas pessoas terão maior facilidade enquanto outras precisarão de maior supervisão e apoio da liderança. Está tudo bem acontecer isso, mas você precisa ter em mente quem são as pessoas que se enquadram nesse caso. Por vezes, adotar um modelo de liderança situacional nesse ponto pode ser interessante. 

PASSO 2: Faça com que papéis e responsabilidades estejam nítidos

Para que seja possível criar um ambiente em que as pessoas possam construir suas próprias soluções e formas de atuação no ambiente profissional, é preciso que elas compreendam não só seu papel por completo como também tenham uma noção geral do papel e responsabilidades de todas as outras pessoas colaboradoras

PASSO 3: Cultive um espaço de confiança

Vamos colocar algo em mente: o processo de Empowerment não é rápido e demanda um processo gradual que envolve acertos e erros. Por isso, não é indicado que esses erros sejam criticados e punidos, pois isso abalará a construção da confiança, pilar muito necessário para implementar esse conceito. 

Ao contrário disso, faça com que as pessoas colaboradoras se sintam à vontade para errar, assumir seu erro e encontrar uma solução para contorná-lo. O papel da liderança deve ser de apoio e educação em todo esse processo. Isso fará com que o vínculo de confiança se estabeleça cada vez mais forte entre vocês. 

PASSO 4: Implemente uma cultura de feedback

Feedbacks são pequenos e descomplicados retornos que damos visando a melhoria de um processo, comportamento ou ação, sempre em busca de ajudar a outra pessoa a se aperfeiçoar naquilo que ela faz. É diferente da crítica nesse ponto, pois a crítica pode ser enxergada como uma forma de punir ou colocar defeito no trabalho de alguém se que isso de fato dê a possibilidade de crescimento. 

Assim, cultive, implemente e fomente uma cultura de feedback em todas as posições, fazendo com que ela seja possível de todos os lados. Assim, você poderá contribuir para o crescimento de pessoas colaboradoras, assim como elas também poderão dar feedbacks e contribuir umas com as outras, e até mesmo com você. Para isso, uma dica adicional é seguir os princípios de uma comunicação não violenta

Empowerment é um conceito atrelado a liderança que visa a descentralização de decisões, dando as ferramentas necessárias para que as pessoas colaboradoras deem um passo à frente e se tornem protagonistas de suas trajetórias dentro de uma organização. 

Caso haja espaço em sua equipe ou empresa, o empowerment pode trazer inúmeros benefícios. Não deixe de seguir as regras e implementá-lo de maneira segura e efetiva.

Agora que você conhece o Empowerment, o que acha de ampliar ainda mais seu conhecimento aprendendo sobre como criar uma estratégia competitiva para bater a concorrência

Você também pode gostar