A linguagem de programação é a ferramenta de trabalho mais importante para a pessoa programadora.

Ao longo da história da computação, diversas linguagens de programação foram criadas, destinadas a atender as mais variadas necessidades.

Atualmente, há uma variedade enorme delas, prontas para serem utilizadas para qualquer projeto que você queira desenvolver. 

Saber ao fundo o que cada uma delas faz e por qual razão é utilizada no mercado de trabalho é importantíssimo para definir seu perfil profissional e para qual área você quer seguir dentro de uma carreira em programação.

Vamos conhecê-las? Abaixo, você poderá dar uma olhada no conteúdo que deixamos preparado para você.

Boa leitura!

O que é linguagem de programação?

O que é Linguagem de Programação

A linguagem de programação recebe esse nome pois realiza a mesma função que a linguagem humana: permite a comunicação entre dois lados. A única diferença é que a linguagem de programação permite que uma pessoa humana seja capaz de se comunicar e informar para uma máquina o que ela deve fazer

Vamos entendê-la um pouco mais a fundo conhecendo a razão pela qual ela foi criada. 

No começo da história da computação, os computadores recebiam instruções por meio de dois estados: ausência e presença. As máquinas liam cartões perfurados, em que um furo representava uma ausência. Posteriormente, com a evolução da tecnologia, isso mudou. Haviam dispositivos que permitiam que essa presença e ausência fossem realizadas por meio de pulsos elétricos, que ligavam e desligavam componentes da máquina. E a combinação desses dois estados diversas vezes transmitia uma mensagem.

Gif explicitando como funciona o código binário

Como são dois estados, ficou decidido que eles seriam representados pelos algarismos 1 e 0. Então, quando falamos para o computador 1, pedimos para ele enviar um pulso elétrico por meio de seus componentes, e, quando dizemos 0, ele não envia nada. Combinando vários uns e zeros, conseguimos codificar instruções. 

Porém, pense agora na grande dificuldade que seria ter que decorar bilhões de combinações de 0 e 1, algumas gigantescas! É aí que entraram as linguagens de programação! Elas convertem comandos que se aproximam da nossa linguagem para essa linguagem “de máquina”! Interessante, não é?

Quais os 3 componentes básicos de uma linguagem de programação?

Vamos conhecer alguns componentes que estarão presentes em todo sistema linguístico, tanto o nosso humano, quanto os da programação. 

Vocabulário

Na nossa linguagem humana, conhecemos o vocabulário como um conjunto de léxicos (palavras) que usamos para construir nossas sentenças. Quanto maior seu vocabulário, mais escolhas linguísticas você poderá fazer na hora de usar a língua. Na programação, isso é exatamente igual. Cada linguagem de programação tem seu próprio vocabulário de palavras aceitas e que são compreendidas

Assim como uma palavra do vocabulário em inglês pode não estar presente no vocabulário do português brasileiro, uma linguagem de programação poderá ter uma palavra diferente de outra para a mesma ação. 

Mas, por que não criar um vocabulário único para todas as linguagens de programação?

Essa é uma excelente dúvida! Assim como as línguas naturais humanas, as linguagens de programação são utilizadas em diferentes nichos e necessidades. Portanto, tudo depende do contexto em que cada uma delas é criada e qual a intenção por trás dela. 

Sintaxe

Toda linguagem precisa de um conjunto de regras que determinam o que é válido ou não em determinado sistema. No português, por exemplo, a frase “Menina a ser quer programadora” não só é impossível de ser dita naturalmente por uma pessoa falante como dificilmente seria compreendida. Essa mesma lógica se transporta para a programação. Cada linguagem de programação tem uma estrutura adequada para que o computador consiga entender corretamente o que precisa fazer. 

Exemplos de como a sintaxe aparece em linguagens de programação:

  • No uso de espaços;
  • Na sequência e na relação entre sentenças e elementos;
  • Na diferenciação de caracteres maiúsculas e minúsculas.

Semântica

Semântica diz respeito ao sentido, ou seja, aquilo que o termo ou a sentença querem dizer quando utilizados. Na linguagem de programação, isso se reflete na lógica interna de como construir sentenças para determinada ação. Diferentes linguagens de programação utilizam diferentes sintaxes para a mesma semântica. 

Qual a importância das linguagens de programação na evolução da tecnologia?

Como já explicamos anteriormente, antigamente era muito difícil “conversar” com as máquinas pois sua linguagem é muito abstrata e distante da forma como nos comunicamos. Após a criação das primeiras linguagens de programação, pessoas da área de tecnologia foram capazes de facilitar o manuseio dessa tecnologia. 

Com isso, mais pessoas foram capazes de desenvolver mais linguagens a partir destas, determinando e especificando seu uso para diversas situações. Isso abriu uma porta para o mercado de trabalho na área e permitiu que mais pessoas trabalhassem na criação de novas tecnologias. 

A facilidade que as linguagens de programação trouxeram para criar novas soluções e sistemas impulsiona e abre caminho para que a tecnologia possa se desenvolver. Afinal, ter mais pessoas trabalhando com elas significa maior inovação.

Conheça 4 conceitos básicos de linguagens de programação!

Apesar de cada linguagem de programação servir para um propósito, ter uma lógica e uma sintaxe diferente, alguns conceitos acabam se repetindo. São eles:

Algoritmo

Antes de começarmos a programar e sair escrevendo linhas e linhas de código, precisamos ter mente o que queremos que nosso programa faça. Como vamos fazer para o computador entender nos mínimos detalhes o que ele deve fazer? Simples, desenvolvemos um passo a passo! Esse “tutorial” seguindo a lógica de programação se chama algoritmo. 

Um exemplo bastante simples: queremos desenvolver um programa que soma dois números que a pessoa vai inserir no computador. Nosso passo a passo poderia ficar assim:

  1. Primeiro, precisamos que o computador informe a pessoa que ela deve inserir um número.
  2. Depois, ele deve reservar um espaço na memória dele para receber o número digitado e armazená-lo. 
  3. Agora, ele deve pedir que a pessoa insira o segundo número. 
  4. Ele deve guardar esse número em outro espaço, diferente do primeiro. 
  5. Após esses passos, ele deve recuperar o número do primeiro espaço, recuperar o número do segundo espaço, e somá-los. 
  6. Por fim, ele apresenta o resultado para a pessoa. 

Tendo esse passo a passo, basta somente termos conhecimento de como pedir para que o computador faça isso. Isso significaria codificá-lo em uma linguagem de programação.

Código-fonte

O código-fonte é simplesmente o texto que é escrito pela pessoa programadora em uma linguagem de programação. É geralmente fácil de compreender e modificar pois se assemelha à lógica das linguagens humanas.

O computador não entende esse código como ele é, por isso, um dos softwares utilizados junto com a linguagem de programação o traduz para a linguagem de máquina, criando o código-objeto. Esse sim pode ser interpretado pela máquina e processado pelas partes físicas do computador.

Variável

As variáveis são conceitos iniciais que aparecem sempre nas linguagens de programação. Como o nome diz, elas se referem a valores que podem mudar, ou seja, variam. 

Quando definimos algoritmo em nosso exemplo acima, em um dos passos pedimos que o computador reservasse um espacinho para um número que não sabemos qual é, pois seria ingressado pela pessoa usuária. Concorda que esse dado vai variar dependendo de quem seja a pessoa? Logo, estamos diante de uma variável

Esse termo se utiliza com frequência com o verbo “declarar”. Todas as vezes que atribuímos um espaço da memória do computador a um valor, dizemos que estamos declarando uma variável. 

Programa

Um programa é uma sequência de instruções escritas em linguagem de programação que o computador deverá executar. Todas as vezes que você escreve um código e pede para que ele seja traduzido e interpretado, você está executando um programa. 

Quais os 2 tipos de linguagem de programação?

De maneira bastante geral, as linguagens de programação se dividem majoritariamente em dois grupos principais, definidos pela distância que eles têm da nossa forma de comunicação, a língua natural. 

Linguagem de baixo nível

As linguagens de baixo nível são mais próximas do código compreendido pelo computador. Baixo nível se refere a um baixo nível de abstração, significando que ela é bem lógica e literal. É como escrever diretamente na língua do computador. Provavelmente, se você olhar para uma linguagem dessas, você não será capaz de definir o que ela faz tão facilmente. 

Uma das linguagens de baixo nível se chama Assembly. Veja um exemplo de uso dela abaixo, comparada a uma linguagem de máquina:

O que é linguagem de programação de baixo nível: exemplos Assembly e linguagem de máquina

Linguagem de alto nível

As linguagens de alto nível são aquelas com alto nível de abstração, incluindo mais recursos da nossa língua humana. Então, é muito mais fácil reconhecer os elementos e estruturar uma lógica a partir dessas linguagens. Programas especializados vão traduzir esse código para a linguagem de máquina, então as pessoas programadoras não precisam se preocupar com isso. Também, é seguro dizer que é muito mais fácil encontrar um erro a partir de linguagens assim. 

Na linguagem de programação Python, que é uma das mais populares, usamos a função “print” para imprimir algo na tela. Afinal, print traduzido do inglês significa “imprimir”. Então, para mandarmos o computador nos mostrar algo, usamos:

print(“Olá, Mundo”)

Ao executá-lo, esse código nos mostrará “Olá Mundo” na tela.

OBS:. Como convenção, a maioria das linguagens de programação se baseia no vocabulário da língua inglesa para construir seus termos. Por isso, ter um conhecimento de inglês prévio a começar a programar é bastante benéfico. 

O que são paradigmas de programação?

Se levarmos ao pé da letra a definição do vocábulo “Paradigma”, encontramos que ele é uma espécie de protótipo ou modelo, uma forma com a qual enxergamos algum assunto a partir de uma referência. Essa definição nos ajuda a compreender um pouco melhor esse termo na programação. 

  • Dentro da lógica de programação, um paradigma é uma abordagem, ou seja, um ponto de vista que ajuda a gente a resolver um problema

Uma mesma mensagem pode ser dita ou escrita de mil e uma formas diferentes. Paralelamente, você consegue criar inúmeros programas para um computador realizar a mesma ação, dependendo do paradigma que você tiver como referência. 

Qual deles é melhor e mais indicado? Depende do que você quer, de qual a sua demanda e para qual razão você quer realizar essa ação!

Porém, muita atenção! Não podemos confundir linguagem de programação com paradigma de programação! O paradigma é um estilo que escolhemos usar para desenvolver nosso código em uma linguagem de programação. Nem todas linguagens de programação suportam todos os paradigmas, logo, se você programar em determinado estilo, há linguagens específicas para isso. 

Quais são os 6 principais paradigmas de programação das linguagens?

Vamos conhecer os 6 principais e mais importantes paradigmas de programação. 

Paradigma imperativo

Na língua portuguesa, conhecemos os verbos imperativos e, desde cedo, compreendemos que eles servem para dar ordens, como “Pare!” ou “Não fume!”. A programação imperativa segue a mesma lógica. Esse é o método mais antigo e tradicional que diz, bloco por bloco de código, o que o computador deve fazer e como ele deve chegar no resultado final. É como se ele mostrasse o caminho e ensinasse o computador a realizar a ação. 

Esse paradigma é largamente descrito como responsável por alterar estados. Isso significa que, linha após linha, ele muda a situação do computador. Para entender isso, vamos voltar ao português. Quando utilizamos o imperativo “Pare!”, estamos alterando o estado de algo que estava em movimento, deixando-o inerte. A mesma coisa acontece na programação imperativa, em que o estado do computador muda toda hora. 

Linguagens que suportam esse paradigma:

  • C;
  • C++;
  • Python;
  • Lua;
  • BASIC;
  • PHP;
  • etc.

Paradigma declarativo

Se no paradigma imperativo se diz o que o computador deve fazer para chegar em um resultado, no declarativo a gente “declara”, ou seja, descreve, o que a gente quer de resultado e deixa que a máquina dê um jeito de chegar nele por conta própria. 

Como o declarativo cria uma nítida oposição com o imperativo, vamos criar uma metáfora para entender como as duas abordagens funcionam. 

Pense em uma confeitaria:

  • Dentro de uma lógica imperativa, você estaria no papel de pessoa cozinheira-chefe e diria para uma pessoa funcionária (seu computador) um passo a passo bem detalhado de como fazer um bolo. Isso envolveria quais ingredientes usar, como fazer a massa, como rechear, etc. 
  • Dentro da lógica declarativa, você seria a pessoa cliente, dizendo para a pessoa cozinheira como você quer seu bolo. Ou seja, você não precisa ensinar a pessoa (seu computador) a como cozinhar, somente dizer se o bolo é grande ou pequeno, recheado ou não, de chocolate ou morango, etc. 

Linguagens que suportam esse paradigma:

  • Prolog;
  • Lisp;
  • Erlang.

Paradigma funcional

O paradigma funcional tem seu nome derivado de função. Uma função é uma expressão matemática que a gente pode reutilizar várias vezes em distintos contextos. Logo, o foco dessa programação, quando pura, é criar um código mais enxuto que contém somente funções matemáticas que são executadas e que executam umas às outras. Variáveis nesse estilo de programação são imutáveis. 

Linguagens que suportam esse paradigma:

  • Haskell;
  • JavaScript;
  • Python.

Paradigma lógico

Como o nome indica, o paradigma lógico é uma forma de resolver problemas que utiliza sentenças pautadas na lógica formal, utilizando o conceito de Verdadeiro e Falso. As linhas de código são escritas como sentenças que devem obedecer regras e fatos dentro de uma determinada lógica estabelecida. 

Regras são condições impostas, como:

  • X é verdadeiro se, e somente se, Y e Z são verdadeiros. 

Logo, se Y é falso, X também é falso. 

Agora, fatos são sentenças declaradas, como:

  • X é verdadeiro. 

Linguagens que suportam esse paradigma:

  • ASP;
  • Datalog;
  • Prolog.

Paradigma orientado a objetos

A programação orientada a objetos é um paradigma que se voltará completamente aos dados e funções que são chamados de objetos. O conceito de objeto é relacionado a qualquer dado que contenha atributos e métodos. Para entender esses últimos nomes, pensemos em uma pessoa como objeto. Essa pessoa tem atributos, como nome, idade, altura, CPF, para além de métodos, que é como ela age, como ela se movimenta, como ela fala…

Nesse tipo de programação, a gente consegue criar partes de código que servem como “projetos” para gerar objetos mais específicos. A esses projetos, damos o nome de classes. 

Seguindo nosso exemplo, uma classe “pessoa” pode ter atributos como “nome”, “Idade” e “altura”, assim como métodos “andar” e “falar”. A partir desse projeto, conseguimos gerar várias “pessoas”, como o Lucas, o João e a Maria, cada qual com um nome, uma idade e uma altura diferentes. 

A programação orientada a objetos é uma das mais populares atualmente e tem diversas línguas de programação que a suportam, como, por exemplo:

  • Python;
  • Java;
  • C++

Paradigma orientado a eventos

A programação orientada a eventos é bastante popular atualmente para o desenvolvimento de software e aplicações. Como o nome diz, essa programação está voltada em focar no desenvolvimento de programas com a intenção de pensar em como ela vai reagir às ações da pessoa usuária. 

Então, o foco dessa programação é pensar no que a pessoa usuária vai fazer, como clicar, fazer upload, arrastar um item, tocar em algo, etc. Essas ações são denominadas eventos. Então, o programa é inteiramente dividido em pequenas partes reutilizáveis. 

A grande maioria de tecnologias de desenvolvimento atualmente suportam o paradigma orientado a eventos. 

Quais os principais softwares e ferramentas usados na programação?

Uma informação importante: a linguagem de programação por si só não é um programa executável, somente um conjunto de regras que a gente aprende. Então, se quiśessemos, poderíamos programar usando o bloco de notas de nosso computador! Quem dá realmente vida ao que fazemos são os softwares utilizados juntamente com as linguagens de programação. Vamos conhecê-los abaixo. 

Editores de texto

Como dizíamos acima, a linguagem de programação é somente o código em si, então, precisamos de algum lugar para escrevê-lo! Os softwares adequados para isso são os editores de texto. Como dissemos anteriormente, poderíamos usar o bloco de notas. Porém, há programas que já são pensados para pessoas programadoras e trazem diversas funcionalidades que são muito úteis, como correção de sintaxe, depuração, etc. 

Os principais editores de texto gratuitos são:

  • Visual Studio Code;
  • Sublime Text;
  • Atom.

Você pode utilizá-los com a grande maioria das linguagens de programação. 

Compiladores

Lembra alguns tópicos atrás quando explicamos que o código-fonte seria traduzido para uma linguagem que nosso computador pudesse entender? A grande estrela por trás desse show é o compilador! Essa ferramenta analisa o que você escreveu no código-fonte e traduz para um programa parecido que pode ser compreendido e interpretado pelo processador

Depuradores (debuggers)

O depurador é um programa auxiliar, que serve para ler o seu programa e ver se não tem nenhum erro ou resultado inesperado. O processo de encontrar erros (bugs) se chama depuração dentro da programação. 

Interpretadores

O interpretador serve exatamente para a mesma função que o compilador, que é traduzir o código-fonte, mas utiliza métodos diferentes. Enquanto o compilador cria um programa novo traduzido ao final, após conferir linha por linha do código-fonte, o interpretador apenas interpreta comando por comando, traduzindo-o instantaneamente para linguagem de máquina. Quando ele passa para o seguinte comando, o anterior é completamente esquecido. 

Por isso, cada vez que o interpretador é executado, ele vai executar novamente comando por comando. O compilador, caso executado novamente, executa o programa que criou anteriormente. 

IDEs(Ambiente de Desenvolvimento Integrado)

Imagine um laboratório, que reúne todos os tubos de ensaio e equipamentos que a pessoa cientista necessita para trabalhar. Se houvesse um equivalente disso para a pessoa programadora, seria o IDE. O Ambiente de Desenvolvimento Integrado é esse “laboratório” que reúne todas as ferramentas citadas acima (editor de texto, compilador, depurador, etc.) em um só lugar. Assim, fica muito mais simples de se trabalhar!

Os IDEs mais famosos são:

  • Code::Blocks;
  • Eclipse;
  • PyCharm;
  • Jupyter Notebook

Quais as 5 linguagens de programação mais buscadas pelo mercado?

1. JavaScript

JavaScript o que é linguagem de programação

JavaScript é uma linguagem de programação que há muito tempo ocupa o cargo de mais querida, dentro da comunidade desenvolvedora e do mercado de trabalho. O motivo para isso é que JavaScript é bastante dinâmica e flexível, podendo ser usada para projetos de desenvolvimento distintos. 

Além de ser uma linguagem bem simples e amigável de ser aprendida, ela ainda é utilizada pela maioria dos navegadores para determinar o comportamento das páginas web. Então, se você gosta de desenvolver páginas e aplicações para serem utilizadas na internet, JavaScript é a escolha certa!

Veja o que mais você pode criar com JavaScript:

  • Websites;
  • Jogos;
  • Aplicativos;
  • Servidores web.

2. Python

Python logo

Python ganhou bastante fama por ser uma linguagem bastante adequada para pessoas programadoras iniciantes, porém, sem deixar de lado a potência necessária para ser uma das ferramentas mais utilizadas no mercado. 

Essa linguagem está por trás de grandes desenvolvimentos, como o próprio Google, o YouTube, a Netflix e o Instagram. Além disso, essa linguagem é bastante flexível permitindo grande parte dos paradigmas de programação. 

Veja o que mais você pode fazer com Python:

  • Desenvolvimento de sistemas para o lado do servidor (back-end)
  • Jogos;
  • Aplicativos;
  • Aprendizado de máquina;
  • Ciência de Dados.

3. HTML

HTML logo

Tudo bem que HTML (HyperText Markup Language) não é tecnicamente uma linguagem de programação — ela se adequa mais como linguagem de marcação —, mas ela está nessa lista por um motivo: desde seu surgimento, nos primórdios do nascimento da internet, ela continua muito importante e popular. 

Afinal de contas, ela é somente o esqueleto principal de qualquer site na internet. Portanto, se você quiser desenvolver websites, você precisa aprender HTML!

Veja o que você pode fazer com HTML:

  • Criação, manutenção e estruturação de páginas na internet.

4. CSS

Css Logo

CSS é o par perfeito para HTML. Sem ele, as páginas desenvolvidas em HTML seriam somente um texto simples em um fundo branco, completamente sem graça. O CSS (Cascade Style Sheet) é o que traz a estética para as páginas web!

Juntamente com HTML e JavaScript, CSS é um dos pilares do desenvolvimento web. Qualquer pessoa que deseja seguir nessa área deve ter conhecimento nessas três ferramentas. Para quem não quer seguir na área, é bastante indicado começar por ela também, pois elas podem fornecer um bom treinamento antes de entrar em linguagens mais complexas. 

Veja o que você pode fazer com CSS:

  • Estilizar páginas web, alterando, fonte, tamanhos, cores e outros atributos. 

5. Java

Java Logo

Java é uma linguagem de programação bastante tradicional que já se consolidou no mercado há um tempo. Ela é usada para diversos fins e para programação orientada a objetos. Sua grande popularidade também se deve ao fato de que ela é fácil de usar e maneja facilmente uma grande quantidade de dados. 

Qualquer programa feito nessa língua pode rodar em qualquer sistema operacional , independentemente de qual foi criado. Essa versatilidade é outro ponto que chama bastante a atenção do mercado. 

Veja o que você pode fazer com Java:

  • Aplicações de todos os tipos;
  • Jogos;
  • Servidores;
  • Negócios digitais;
  • Tecnologias baseadas em nuvem;
  • Internet das Coisas;
  • Big Data;

Como aprender a programar?

Existe uma variedade de formas de como aprender a programar. 

Apesar de não existir uma faculdade ou formação acadêmica focada exclusivamente no desenvolvimento de pessoas programadoras, graduações da área de tecnologia costumam dar o aporte teórico suficiente para se iniciar nessa carreira. 

Uma outra forma de entrar nesse mercado é por meio da formação da Trybe, que é especializada em capacitar pessoas desenvolvedoras web para o mercado de trabalho. A escola de programação online Trybe oferece uma formação de 12 meses de duração que apresenta todo o conteúdo necessário para ingressar diretamente nas melhores empresas de tecnologia do mercado, tais como:

  • Fundamentos de desenvolvimento web;
  • Desenvolvimento front-end;
  • Desenvolvimento back-end;
  • Python;
  • Soft Skills.

Um dos grandes diferenciais da escola é que você não precisa pagar nada enquanto estiver cursando a formação por conta do Modelo de Sucesso Compartilhado. O pagamento acontece somente quando você estiver trabalhando, recebendo um salário superior a R$3.000,00 atualmente. 

Entenda a história das linguagens de programação!

Vamos entender, abaixo, um pouco da trajetória das linguagens de programação:

1949A linguagem de baixo nível Assembly é utilizada pela primeira vez para tentar facilitar o uso da linguagem de máquina. 
1957John Backus, cientista da computação, criou a primeira linguagem de programação de alto nível, o FORTRAN. A linguagem foi desenvolvida para lidar com operações matemáticas, estatísticas e científicas.  
1959O COBOL foi criado, a primeira linguagem de programação que podia operar em todos os tipos de computadores. Nesse mesmo ano, foi criada a LISP, que é usada até os dias de hoje em ramos da inteligência artificial. 
1964John G. Kemeny e Thomas E. Kurtz desenvolveram a linguagem BASIC, uma das mais importantes da história das linguagens de programação. 
1972São criadas duas grandes e importantes linguagens utilizadas até os dias de hoje: SQL, para banco de dados, e C. 
1983Objective-C é criado para ser utilizado em dispositivos Apple. Nesse ano, é criado o C++, uma extensão da linguagem C
1991A linguagem Python é desenvolvida por Guido Van Rossum
1995As linguagens Java, Ruby, PHP e JavaScript são desenvolvidas
2000Microsoft desenvolve C#
2009A Google desenvolve a Linguagem Go para resolver alguns problemas próprios em softwares de grande escala. 
2014A Apple substitui a Objective-C, desenvolvendo a linguagem Swift. 

Aqui termina nossa jornada pelas linguagens de programação! Esperamos que você tenha conseguido entender o que é linguagem de programação e os conceitos básicos por trás disso para que você possa elevar seus estudos a outros patamares! Continue estudando e certifique-se de escolher uma linguagem de programação que seja compatível com seus planos dentro da área de tecnologia. 

Não pare por aqui! Aprenda mais sobre programação lendo nosso guia completo sobre o assunto!

0 Shares:
Você também pode gostar