Muitas pessoas podem não saber, mas o IDE é uma das ferramentas mais utilizadas durante a criação de uma aplicação. A sua finalidade, no entanto, pode ser um tanto confusa para quem não é da área ou para quem está dando seus primeiros passos na programação.

Para falar a verdade, trata-se de algo muito simples de ser entendido, pois os IDEs são usados basicamente para facilitar a criação de softwares, disponibilizando recursos que tornam todo o processo mais rápido, eficaz e intuitivo.

Quer saber mais sobre o tema? Então, veja os tópicos que preparamos para explicar o assunto:

  • O que é IDE e para que serve?
  • Quais são as características de um IDE?
  • Quais são os tipos de IDE?
  • Quais as vantagens e desvantagens de usar um IDE?

Fique conosco e tenha uma boa leitura!

O que é IDE e para que serve?

Conhecido popularmente pela sigla IDE, o Integrated Development Environment (Ambiente de Desenvolvimento Integrado, em português), é uma dos recursos mais importantes para a programação. De maneira geral, trata-se de um software que combina diversas funcionalidades necessárias para o desenvolvimento de uma aplicação em uma única interface gráfica do usuário.

Nos primórdios da programação, esse tipo de ferramenta não existia. Assim, as pessoas desenvolvedoras precisavam combinar várias ferramentas — como editores de texto, plataformas de teste e compiladores — para criar seus softwares. 

No entanto, esse processo não era eficaz, uma vez que o tempo e o trabalho gasto para selecionar, integrar e gerenciar tantas ferramentas dificultava todo o desenvolvimento. Os IDEs foram criados justamente para resolver esse problema.

Por meio deles, qualquer pessoa pode escrever, compilar e testar suas aplicações facilmente em um único ambiente. Além disso, essa ferramenta ainda disponibiliza bibliotecas de código e ajuda a encontrar erros de digitação ou de estrutura, facilitando o processo de debug.

Quais são as características de um IDE?

Como foi dito, os IDEs reúnem um conjunto de ferramentas essenciais para o desenvolvimento de um software. Por isso, é possível encontrar neles alguns componentes principais em comum, como:

  • editor de código: utilizado para escrever e editar o código-fonte da aplicação. Esse recurso facilita o processo de escrita oferecendo o preenchimento inteligente de alguns trechos do código e destacando a sintaxe da linguagem;
  • compilador ou interpretador: ferramenta responsável por fazer a compilação ou interpretação do código-fonte, traduzindo-o para linguagem de máquina;
  • debugger: ferramenta utilizada para realizar testes no software, a fim de encontrar quaisquer problemas ou bugs no código.

Além disso, um IDE também pode apresentar vários outros recursos, como geração automática de código, refatoração (ferramenta que auxilia na melhoria constante do código-fonte) e documentação automática. Os principais IDEs do mercado também garantem integração com plataformas de hospedagem de código que oferecem controle de versão, como o GitHub.

Quais são os tipos de IDE?

Apesar de muitos IDEs terem várias características e funcionalidades em comum, alguns são mais utilizados ou recomendados para fins específicos. Devido a isso, podemos separá-los de acordo com suas características mais importantes.

IDEs multilinguagem

Muitos IDEs foram projetados para suportar diferentes linguagens de programação, o que garante mais flexibilidade a quem está programando. Entre eles, estão alguns dos mais utilizados, como NetBeans e Eclipse. 

Entretanto, há também plataformas criadas para facilitar o trabalho com uma linguagem específica. Esse é caso do IntelliJ, um IDE voltado principalmente para o desenvolvimento com Java, embora ofereça suporte para outras linguagens.

IDEs para desenvolvimento móvel

Apesar de vários IDEs oferecerem plugins de desenvolvimento móvel, também existem plataformas projetadas especificamente para essa finalidade. O Android Studio, por exemplo, é um IDE criado pela Google que é voltado para o desenvolvimento de aplicativos para a plataforma Android.

IDEs baseados na nuvem

Os IDEs fornecidos na nuvem garantem uma série de benefícios para quem os utiliza. Não é preciso se preocupar com requisitos mínimos de download e instalação, as ferramentas de desenvolvimento podem ser acessadas de qualquer lugar do mundo por meio de um navegador e a equipe consegue colaborar facilmente mesmo estando fisicamente distante. Um exemplo que podemos citar é o AWS Cloud9.

Quais as vantagens e desvantagens de usar um IDE?

Sem dúvidas, utilizar um IDE facilita bastante o desenvolvimento. Contudo, existem também algumas desvantagens que devem ser observadas. Vejamos agora quais são os prós e contras desse tipo de ferramenta.

Vantagens

Certamente, o maior benefício dos IDEs é a facilidade para criar códigos limpos e corretos com agilidade. Afinal, essas ferramentas oferecem diversos recursos que aumentam a produtividade, como o autocomplete, a geração automática de código, a verificação de erros em tempo real e a padronização do desenvolvimento da equipe. 

Outro ponto positivo é que alguns IDEs oferecem recursos para medir o desempenho da execução do código, o que facilita a criação de algoritmos mais eficientes. Além disso, não é preciso gastar tempo configurando e aprendendo a usar diferentes ferramentas, nem alternar constantemente entre diferentes plataformas para realizar as tarefas. 

Desvantagens

Um ponto negativo que pode ser encontrado nos IDEs é que alguns são pagos, o que pode ser uma grande desvantagem para quem não pode desembolsar muito dinheiro para utilizar o software. 

Outro problema é que o uso do IDE consome muitos recursos de hardware, dado que são ferramentas complexas e pesadas que exigem uma grande quantidade de memória para serem instaladas e executadas.

Já de um ponto de vista mais analítico, a facilidade que um IDE oferece também pode ser tornar uma desvantagem. Afinal, recursos como a geração automática de código, se usados sem senso crítico, podem deixar a pessoa programadora dependente da ferramenta e comprometer o aprimoramento de suas habilidades. Então, atente-se a esse ponto, ok?

Como foi possível perceber, o IDE é uma ferramenta importante para o desenvolvimento de software. Seu uso, entretanto, vai depender das necessidades e características da aplicação que será criada. Assim, é importante avaliar as especificidades do seu projeto para determinar qual IDE é o mais adequado.

Gostou do conteúdo? Então, confira nosso próximo artigo e conheça os principais paradigmas de programação!

0 Shares:
Você também pode gostar