Muitas pessoas podem não saber, mas o IDE é uma das ferramentas mais utilizadas durante a criação de uma aplicação. A sua finalidade, no entanto, pode ser um tanto confusa para quem não é da área ou para quem está dando seus primeiros passos na programação.

Para falar a verdade, trata-se de algo muito simples de ser entendido, pois os IDEs são usados basicamente para facilitar a criação de softwares, disponibilizando recursos que tornam todo o processo mais rápido, eficaz e intuitivo.

Quer saber mais sobre o tema? Então, veja os tópicos que preparamos para explicar o assunto:

Fique conosco e tenha uma boa leitura!

O que é IDE e para que serve?

Conhecido popularmente pela sigla IDE, o Integrated Development Environment (Ambiente de Desenvolvimento Integrado, em português), é uma dos recursos mais importantes para a programação. De maneira geral, trata-se de um software que combina diversas funcionalidades necessárias para o desenvolvimento de uma aplicação em uma única interface gráfica do usuário.

Nos primórdios da programação, esse tipo de ferramenta não existia. Assim, as pessoas desenvolvedoras precisavam combinar várias ferramentas — como editores de texto, plataformas de teste e compiladores — para criar seus softwares. 

No entanto, esse processo não era eficaz, uma vez que o tempo e o trabalho gasto para selecionar, integrar e gerenciar tantas ferramentas dificultava todo o desenvolvimento. Os IDEs foram criados justamente para resolver esse problema.

Por meio deles, qualquer pessoa pode escrever, compilar e testar suas aplicações facilmente em um único ambiente. Além disso, essa ferramenta ainda disponibiliza bibliotecas de código e ajuda a encontrar erros de digitação ou de estrutura, facilitando o processo de debug.

História do IDE: saiba como surgiu!

O primeiro conceito de IDE surgiu na década de 80. Antes da existência de IDEs, desenvolver consistia em escrever todo o código fonte em um editor de textos, como o editor padrão do sistema operacional do seu computador — o código, normalmente, é escrito em uma linguagem de programação compreensível/amigável para pessoas humanas). 

Após a concepção, é necessário compilar esse código — A compilação é o processo que transforma esse código em um formato binário (zeros e uns) compreensível por máquinas. Em caso de erros de compilação, a pessoa desenvolvedora anotava os erros exibidos na saída com compilador e voltava ao editor de textos para efetuar a correção (Sendo necessário repetir esse processo sempre ao surgir um novo erro).

Código compilado com sucesso? Então é hora da execução. Porém, o comportamento do código durante a execução pode fugir do esperado, sendo necessário a utilização de mais uma ferramenta: o depurador  — debugger — para ajudar a encontrar os erros e garantir o funcionamento correto do código.

Em 1983 a Borland Ltd. adquiriu um compilador de um programador dinamarquês e lançou nos Estados Unidos com o nome de TurboPascal. O TurboPascal ocasionou uma grande ascensão à linguagem Pascal, por ser um editor e compilador integrados. Além de exibir as mensagens de erros, também era possível clicar e ir direto para o local do erro.

Enquanto o TurboPascal inovou com a ideia de um ambiente de desenvolvimento integrado, para muitos, os créditos da primeira IDE de fato, são dados ao Visual Basic (VB) da Microsoft, lançado em 1991.  

Em 1992, a Borland, com a adição do paradigma de programação orientada a objetos, lançou o IDE Delphi dando origem ao Object Pascal. Nessa versão da linguagem, por meio do IDE Delphi era possível construir aplicativos de forma visual, basicamente: “clica, arrasta e solta”. Há controvérsias: enquanto que para uns essa prática simplificou o desenvolvimento maximizando a produtividade, para outros, causou maus hábitos.

As ferramentas integradas nas IDEs não pararam de ser adicionadas, aumentando a necessidade de utilização de mais recursos das máquinas das pessoas desenvolvedoras. Em meados de 2021, as IDEs passam a oferecer mecanismos como IntelliSense, que fornece recursos que aprimoram a experiência de escrever e editar código. Além do preenchimento de código, o mecanismo IntelliSense fornece informações de parâmetros e informações rápidas.

Quais são as características de um IDE?

Como foi dito, os IDEs reúnem um conjunto de ferramentas essenciais para o desenvolvimento de um software. Por isso, é possível encontrar neles alguns componentes principais em comum, como:

  • editor de código: utilizado para escrever e editar o código-fonte da aplicação. Esse recurso facilita o processo de escrita oferecendo o preenchimento inteligente de alguns trechos do código e destacando a sintaxe da linguagem;
  • compilador ou interpretador: ferramenta responsável por fazer a compilação ou interpretação do código-fonte, traduzindo-o para linguagem de máquina;
  • debugger: ferramenta utilizada para realizar testes no software, a fim de encontrar quaisquer problemas ou bugs no código.

Além disso, um IDE também pode apresentar vários outros recursos, como geração automática de código, refatoração (ferramenta que auxilia na melhoria constante do código-fonte) e documentação automática. Os principais IDEs do mercado também garantem integração com plataformas de hospedagem de código que oferecem controle de versão, como o GitHub.

Quais as diferenças entre IDE, editor de código e editor de texto?

  • Editor de texto: Editor de texto, como o próprio nome já descreve, é uma aplicação criada para edição geral de textos. Pode ser utilizada para escrever código fonte, porém não possui mecanismos específicos que facilitem o processo de codificação.
  • Editor de código: Foi projetado especificamente para simplificar o processo de codificação. Com funcionalidades como autocomplete (sugere termos) e highlighting (destaca com cores as palavras da linguagem) que ajudam a simplificar e/ou melhorar o processo de escrita de código da pessoa desenvolvedora.
  • IDE: Por ser um Ambiente de Desenvolvimento Integrado os IDEs contam com ferramentas como: edição de código, compilador, depurador, ferramentas de automação de compilação

IDEs e a Segurança das aplicações

Para ajudar a aumentar a segurança do código, é possível equipar o IDE com plugins, mecanismos capazes de verificar vulnerabilidades durante o processo de desenvolvimento. O Artigo do IEEE Security lista alguns desses plugins.

Quais são os tipos de IDE?

Apesar de muitos IDEs terem várias características e funcionalidades em comum, alguns são mais utilizados ou recomendados para fins específicos. Devido a isso, podemos separá-los de acordo com suas características mais importantes.

IDEs multilinguagem

Muitos IDEs foram projetados para suportar diferentes linguagens de programação, o que garante mais flexibilidade a quem está programando. Entre eles, estão alguns dos mais utilizados, como NetBeans e Eclipse. 

Entretanto, há também plataformas criadas para facilitar o trabalho com uma linguagem específica. Esse é caso do IntelliJ, um IDE voltado principalmente para o desenvolvimento com Java, embora ofereça suporte para outras linguagens.

IDEs para desenvolvimento móvel

Apesar de vários IDEs oferecerem plugins de desenvolvimento móvel, também existem plataformas projetadas especificamente para essa finalidade. O Android Studio, por exemplo, é um IDE criado pela Google que é voltado para o desenvolvimento de aplicativos para a plataforma Android.

IDEs baseados na nuvem

Os IDEs fornecidos na nuvem garantem uma série de benefícios para quem os utiliza. Não é preciso se preocupar com requisitos mínimos de download e instalação, as ferramentas de desenvolvimento podem ser acessadas de qualquer lugar do mundo por meio de um navegador e a equipe consegue colaborar facilmente mesmo estando fisicamente distante. Um exemplo que podemos citar é o AWS Cloud9.

Conheça algumas IDEs para PHP, CSS, HTML, Javascript, Android e IOS!

Eclipse IDE

O Eclipse é um IDE gratuito de código aberto feito em java para desenvolvimento Java, porém também é multi-plataforma por meio de plugins.

A primeira versão do Projeto Eclipse foi originalmente criada pela IBM em meados de 2001 e depois doado à comunidade. Em 2004, a Eclipse Foundation foi criada como uma corporação independente sem fins lucrativos para atuar como administradora da comunidade Eclipse.

O Eclipse IDE fornece:

  • Suporte a versão mais atualizada do Java
  • Suporte para MAC
  • Terminal Incorporado
  • Extensibilidade com uma grande variedade de plugins de plataforma
  • Código fonte aberto

Eclipse também possui uma versão para PHP chamada PHP Development Tools,

  • Realce de sintaxe
  • Validação de sintaxe
  • Assistente de Conteúdo
  • Navegação de código
  • Depuração de PHP (Zend Debugger / Xdebug)
  • Criação de perfis PHP (Zend Debugger / Xdebug)
  • PHPUnit
  • Formatador de Código
  • Refatoração
  • Modelos de Código
  • Projetos Remotos
  • Poder do Ecossistema Eclipse

Android Studio IDE

ANDROID STUDIO IDE

O Android Studio é o IDE oficial para o desenvolvimento de apps Android. 

Baseado no IntelliJ IDEA além dos recursos avançados que herdou dele, o Android Studio oferece mais recursos para aumentar a produtividade, tais como:

  • Um sistema de compilação flexível baseado em Gradle
  • Editor de layout visual
  • Analisador de APK
  • Emulador rápido
  • Editor de código inteligente
  • Ferramentas de lint para detectar problemas de desempenho, usabilidade, compatibilidade com versões, entre outros
  • Modelos de código e integração com GitHub para ajudar a criar recursos comuns de apps e importar exemplos de código
  • Frameworks e ferramentas de teste cheios de possibilidades
  • Compatibilidade com C++ e NDK
  • Compatibilidade integrada com o Google Cloud Platform, facilitando a integração do Google Cloud Messaging e do App Engine.

É possível instalar o Android Studio nas plataformas Windows, Linux e Mac OS. Porém, é importante verificar os requisitos obrigatórios na página de downloads pois é recomendável ter disponível 8GB de memória RAM para sua utilização correta. 

Brackets IDE

O Brackets é um editor de código aberto voltado para  o webdesign em HTML, CSS e JavaScript que é construído em HTML, CSS e JavaScript.

Desde setembro de 2021 a Adobe encerrou o suporte ao Brackets, porém, é possível ramificar o projeto no repositório do GitHub e fazer suas aprimorações e modificações.

Para quem já utiliza o Brackets, a recomendação do site oficial é migrar para o Visual Studio Code onde é possível instalar o Brackets Extension Pack e torná-lo mais familiar.

XCode IDE

XCODE IDE

O Xcode é o IDE da Apple para aplicativos que rodam o sistema IOS, dentre eles:  iPhone, iPad, Mac, Apple TV e Apple Watch. Para sua utilização, é necessário o sistema operacional macOS.

O Xcode suporta o desenvolvimento nas linguagens de programação C, C ++ , Objective-C , Objective-C ++, Java, AppleScript, Python, Ruby e Swift.

Além do editor de código fonte, o Xcode oferece:

  • Fácil configuração
  • Construtor de interface
  • Simuladores de dispositivos iOS
  • Modo de edição familiar a usuários e usuárias Vim
  • Relatórios instantâneos de falha e feedback
  • Kit de ferramentas de gerenciamento de ativos
  • Comparação rápida entre duas versões do código fonte
  • Comentários da equipe inline junto com o nome e o avatar
  • Documentação customizada para Swift diretamente da documentação do código-fonte
  • Permite testar o aplicativo em desenvolvimento sem precisar sair do Xcode.

Visual Studio Code IDE 

VISUAL STUDIO CODE IDE

O Visual Studio Code, ou somente  VS Code, é um editor de código-fonte leve, gratuito e multi-plataforma (Linux, Mac OS, Windows) da Microsoft desenvolvido em código aberto que permite a adição de funcionalidades a partir da instalação de extensões. 

É importante diferenciar o Visual Studio Code do seu irmão Visual Studio (IDE completo para fazer a codificação, a depuração, o teste e a implantação).

O VS Code traz nativamente suporte integrado para JavaScript, TypeScript e Node.js, além de possuir um rico ecossistema de extensões permitem a adição de suporte a:

  • Linguagens: C ++, C #, Go, Java, Python
  • Ferramentas: ESLint, JSHint, PowerShell
  • Depuradores: PHP XDebug
  • Keymaps: Vim, Sublime Text, IntelliJ, Emacs, Atom, Brackets, Visual Studio, Eclipse

O Visual Studio Code inclui:

  • JavaScript IntelliSense integrado: exibe o autocompletar de código inteligente, facilitando a escrita do código de forma mais rápida e correta;
  • Snippets: inclui trechos de códigos automáticos de acordo com o que é digitado;
  • Importações automáticas: as importações aceleram a codificação sugerindo as variáveis ​​disponíveis em todo o projeto e suas dependências;
  • Organizar importações: Com essa função é possível classificar todas as importações, além de remover as não utilizadas;
  • Depuração: permite definir pontos de interrupção, inspecionar objetos, navegar na pilha de chamadas e executar o código no Console de depuração;
  • Navegação de código: uma série de teclas de atalhos que permitem navegar rapidamente em projetos JavaScript;

É possível encontrar essas e outras funcionalidades descritas na documentação JavaScript do VS Code.

Quais as vantagens e desvantagens de usar um IDE?

Sem dúvidas, utilizar um IDE facilita bastante o desenvolvimento. Contudo, existem também algumas desvantagens que devem ser observadas. Vejamos agora quais são os prós e contras desse tipo de ferramenta.

Vantagens

Certamente, o maior benefício dos IDEs é a facilidade para criar códigos limpos e corretos com agilidade. Afinal, essas ferramentas oferecem diversos recursos que aumentam a produtividade, como o autocomplete, a geração automática de código, a verificação de erros em tempo real e a padronização do desenvolvimento da equipe. 

Outro ponto positivo é que alguns IDEs oferecem recursos para medir o desempenho da execução do código, o que facilita a criação de algoritmos mais eficientes. Além disso, não é preciso gastar tempo configurando e aprendendo a usar diferentes ferramentas, nem alternar constantemente entre diferentes plataformas para realizar as tarefas. 

Desvantagens

Um ponto negativo que pode ser encontrado nos IDEs é que alguns são pagos, o que pode ser uma grande desvantagem para quem não pode desembolsar muito dinheiro para utilizar o software. 

Outro problema é que o uso do IDE consome muitos recursos de hardware, dado que são ferramentas complexas e pesadas que exigem uma grande quantidade de memória para serem instaladas e executadas.

Já de um ponto de vista mais analítico, a facilidade que um IDE oferece também pode ser tornar uma desvantagem. Afinal, recursos como a geração automática de código, se usados sem senso crítico, podem deixar a pessoa programadora dependente da ferramenta e comprometer o aprimoramento de suas habilidades. Então, atente-se a esse ponto, ok?

As IDEs mais populares

Segundo o índice IDE, em meados de agosto de 2021, o Visual Studio ocupou o primeiro lugar no ranking dos IDEs mais pesquisados no Google, seguido do Eclipse e do Visual Studio Code. 

O índice IDE é criado analisando a frequência com que a página de download de um IDE é pesquisado no Google.

Ranking IDEs mais populares

Em todo o mundo, o Visual Studio é o IDE mais popular, o Visual Studio Code foi o que mais cresceu nos últimos 5 anos (10,5%) e o Eclipse foi o que mais perdeu (-14,2%)

Gráfico IDEs mais populares

Como escolher a melhor IDE?

A melhor resposta para essa pergunta é: depende. Depende das necessidades e características de cada projeto; em muitos casos as preferências da pessoa desenvolvedora também devem ser levadas em consideração.

Desse modo, é importante considerar alguns aspectos, como:

  • Valor da licença: Ainda que alguns IDEs sejam gratuitos, alguns recursos adicionais são liberados apenas nas versões pagas. A escolha ficará a critério das necessidades do projeto.
  • Facilidades dos recursos disponíveis: parafraseando a documentação do VS Code, alguns IDEs tradicionais tendem a incluir tudo, exceto a pia da cozinha. Então é necessário ponderar se os recursos disponíveis na IDE serão úteis ao ponto de facilitar o trabalho. 
  • Conexões: criar uma conexão de dados a partir da sua IDE ou até mesmo conectar a um servidor de implantação, em alguns casos, facilitam o processo de desenvolvimento.
  • Recursos adicionais: Edição multilinha, auto import, remoção de importações não utilizadas, terminal integrado, personalização do ambiente de trabalho, são pontos adicionais durante a escolha;

Os IDEs fornecem recursos que economizam tempo e esforço, tais como:

  • Gerar automaticamente a estrutura padrão de diretórios de um projeto; 
  • Avisos de erros durante a codificação; 
  • Facilidade em refatorar código; 
  • Sugestões para escrever um código com mais qualidade;
  • Além de contar com a facilidade de configuração do Ambiente de Desenvolvimento Integrado que reúne todos os recursos necessários para codificar, compilar e testar em um só lugar.

Como foi possível perceber, o IDE é uma ferramenta importante para o desenvolvimento de software. Seu uso, entretanto, vai depender das necessidades e características da aplicação que será criada. Assim, é importante avaliar as especificidades do seu projeto para determinar qual IDE é o mais adequado.

Se você achou interessante os benefícios dos IDEs, que tal agora aprender sobre como implementar a programação em par!

1 Shares:
Você também pode gostar