Criar um aplicativo demanda muitas etapas. Não basta, portanto, que a pessoa conheça as bases de uma linguagem: ela deve, também, saber executar atividades críticas, como o debug.

O debug (ou depuração) é uma das atividades que ajuda a equipe de desenvolvimento a identificar problemas no código-fonte de um aplicativo. Ele pode ser executado durante a criação de sistemas web, aplicativos mobile ou mesmo softwares para notebooks. Em todos os casos, essa atividade reduz as chances de uma pessoa usuária tentar executar alguma atividade e não conseguir em função de um erro que poderia ser solucionado no processo de desenvolvimento..

Para ajudar você a entender como o debug funciona e porque ele é importante, preparamos o post a seguir. Continue a sua leitura e saiba mais sobre esse processo:

  • O que é debug?
  • Como funciona a depuração?
  • 5 dicas de debug para Javascript

Boa leitura!

Debug / Debugging, X Depurar/ Depuração

Antes de tudo, vamos entender se existe alguma diferença entre os termos acima?

Na prática, eles significam a mesma coisa, e são apenas uma tradução em Inglês Debug/ Debugging e Português Depurar/ Depuração. A única diferença é Depuração é um substantivo enquanto as demais palavras são verbos.

O que é debug

O debug (ou debugging) é um processo voltado para identificar e remover qualquer tipo de erro existente no código-fonte de um programa. A partir da análise da estrutura do sistema, os erros de digitação e problemas como funções mal estruturadas podem ser rastreados. Assim, quem está criando a aplicação consegue identificar e corrigir problemas com mais precisão.

Isso não só garante que problemas não ocorram, como também aumenta o uso da ferramenta a médio e longo prazo. Afinal de contas, qualquer pessoa que encontrar um aplicativo cheio de falhas dificilmente continuará a utilizá-lo no seu dia a dia.

Justamente por isso, quem trabalha com tecnologia e desenvolvimento de sistemas adota a depuração com tanta frequência. Quando bem-feita, ela evita que a aplicação seja distribuída com falhas graves. Assim, o público-alvo do time de desenvolvimento terá mais confiança para utilizar a ferramenta.

Como funciona a depuração

O principal objetivo do debug é corrigir problemas no código-fonte de um aplicativo.

Durante a depuração, todo o código é executado. Cada funcionalidade passa por um teste que tem como objetivo identificar se ela é capaz de entregar um bom resultado rapidamente e com precisão. Se algum problema acontecer, um alerta é exibido para quem for responsável pela tarefa.

Esse código deve ser a primeira parte do processo de correção do problema. A partir dele, você terá uma visão mais precisa sobre o que está acontecendo e que caminho tomar. Ou seja, eliminar a falha no software será algo mais simples, preciso e rápido.

Como debugar? Os principais passos!

Debugar pode ser um processo que demanda um pouco mais de atenção. Ainda assim, é necessário assimilar algumas técnicas para fazer com que os seus códigos sejam melhorados. Dessa forma, há uma lista de passos principais para conseguir debugar os projetos previamente iniciados.

Descubra que o Bug existe

Para que seja possível fazer um debug, é preciso reconhecer que existe um bug no sistema. Essa detecção pode ser feita a partir de uma forma pró ativa ou passiva. Para um programador ou programadora experiente, é possível saber onde os erros poderão acontecer, evitando uma contaminação em massa.

Caso o erro seja grave o suficiente para forçar o encerramento de um programa, a existência de um bug é bastante óbvia. Caso o programa detecte um problema menos sério, o bug poderá ser reconhecido, mas apenas quando mensagens de erro aparecerem. O ideal é que o foco esteja voltado para a detecção dos sintomas.

Separe o conteúdo que está Bugado

Para fazer um debug eficiente, é necessário que a fonte do bug seja isolada de maneira eficaz. Durante o processo de depuração, identificar a parte do sistema que está comprometida e separá-la será um gesto inteligente e inteiramente prático, que levará a uma resolução mais ágil do problema.

Identifique a causa do Bug

Assim que for possível encontrar a localização do bug, é ideal determinar qual a sua causa real. Isso porque o problema pode acabar envolvendo outras seções do programa. Quando um sistema é bem compreendido, fica mais simples identificar a origem do bug e, consequentemente, resolvê-lo.

Descubra a melhor solução para o Bug

Depois de passar por todas as etapas para realizar o debug, agora é o momento de entender como o problema poderá ser corrigido. Um conhecimento mais aprofundado sobre o sistema é essencial. Em alguns casos, a correção pode ser bem simples e rápida. Em outros, será preciso inserir uma solução rápida para que o resto do programa não seja danificado. 

Resolva o Bug e faça testes

Mesmo após corrigir o problema no sistema, é importante que a pessoa aplique testes para entender se a correção, de fato, funcionou. Além de servir para a correção do problema original, o teste também será indispensável para se certificar de que a correção não acabou criando qualquer efeito colateral.

Confira as principais técnicas usadas para debugar um programa!

Após compreender os primeiros passos acerca do debug de um sistema ou programa, é válido assimilar as mais variadas técnicas de depurar um aplicativo para gerar maior eficiência.

Debug interativo

O debug interativo é aquele comumente utilizado pelas pessoas profissionais da área de programação. Dentro desse processo, é possível carregar um programa de interface gráfica do usuário dentro do depurador, analisando o programa que está sendo executado por meio de seu código. Assim, pontos de interrupção podem ser identificados e os dados do programa serão devidamente examinados.

Debug reverso

O debug reverso, também conhecido como depuração reversa, utiliza depuradores avançados para que as pessoas que o utilizarem sejam capazes de gravar a execução de um programa e executá-lo com todas as suas operações usuais a fim de revisar o código ao contrário. Esse método economiza tempo e permite que as pessoas desenvolvedoras identifiquem problemas de forma mais rápida.

Debug remoto

O debug remoto promove a depuração de um aplicativo implantado em um determinado computador, mas que se mostra diferente de seu local remoto. Dessa maneira, é possível acessá-lo de qualquer lugar. No entanto, é necessário que um depurador disponha de recursos para depurar remotamente nesse método.

Debug post-mortem

Este tipo de procedimento é utilizado para coletar informações ao longo de uma execução, mas não é possível ter acesso a elas em um período posterior, o que acaba fazendo com que a sua programação falhe. Em um cenário como esse, é preciso reunir o máximo de informação para que elas possam ser analisadas e diagnosticadas posteriormente ao longo da execução do programa.

Debug delta

O debug Delta também pode ser conhecido como depuração comparativa. Nele, há uma forma eficaz de comparar uma execução a outra, ou dois programas que estejam rodando um ao lado do outro. Assim, maneiras pelas quais eles são diferenciados em suas execuções de linhas podem ser encontrados.

Debug batch

Esse tipo de depuração não é intencional. Dentro desse cenário, o depurador estará sob o controle do programa criado, ainda que o programador ou programadora não esteja sentado diante de uma GUI. O depurador será capaz de conduzir o programa até a sua conclusão e, no caminho, será possível salvar esse processo.

5 dicas de debug para Javascript

Depurar o código-fonte de qualquer aplicativo é algo complexo, mas que certamente é crucial para garantir que os seus sistemas terão uma boa usabilidade. Portanto, para ajudar a fazer a depuração com maior qualidade, preparamos alguns passos a seguir. Confira!

1. Identifique se o resultado obtido com a operação corresponde ao correto

Esse é o passo mais básico para fazer o debug de qualquer sistema. Qualquer funcionalidade tem um conjunto de resultados esperados. Eles são definidos na etapa de planejamento e devem sempre ser atingidos.

Uma calculadora, por exemplo, deve ser capaz de executar todas as operações básicas e avançadas de matemática. Se ela apresenta falhas nos resultados, certamente é um sinal de que alguma das suas funções foi mal projetada. Por isso, faça uma avaliação completa dos resultados que são exibidos para cada ação que pode ser feita no software.

2. Avalie o que pode ter levado ao erro

Sempre que identificar um problema e o local em que ele ocorre, é importante avaliar por qual motivo o código apresenta tal comportamento. Há erros que, aliás, podem ser causados por fatores externos ao aplicativo. Justamente por isso a análise de quem executa o debugging deve sempre ser abrangente e incluir perguntas como:

  • Todas as APIs utilizadas são as corretas?
  • As APIs foram implementadas conforme a documentação?
  • Existem erros de digitação na parte do código que apresenta o problema?
  • As variáveis estão definidas corretamente?
  • O código-fonte está seguindo o padrão da linguagem?

3. Avalie a sua documentação

Do PHP ao JavaScript, toda linguagem tem uma documentação própria. Esse documento serve para orientar qualquer pessoa que esteja trabalhando com a linguagem. Nele você encontrará dicas básicas, a definição de recursos avançados e até mesmo processos de troubleshooting que podem ser executados se algo ocorrer.

Portanto, sempre que você estiver com dificuldades para resolver um problema, vale a pena avaliar se a resposta não está na documentação da linguagem. Isso vale especialmente para aqueles casos em que há um código de erro sendo exibido no seu compilador. Ele torna a busca por uma resposta muito mais rápida e precisa.

4. Elimine os cenários em que o bug não ocorre

Há muitos casos de bugs que só acontecem com algumas operações específicas. Voltando ao nosso caso da calculadora, por exemplo, ela pode calcular 1+5 e exibir o resultado correto. Porém, em função de algum erro na sua programação, apresentar o número 7 como resposta para a multiplicação de 2 por 3.

Portanto, sempre que o seu debug apresentar um erro complexo, reproduza a falha para identificar quais são os gatilhos que levam a ela. Saber o que não causa um problema no software é um ativo muito importante para profissionais de programação. Afinal, isso elimina o tempo que normalmente seria gasto com atividades que cuidam daquilo que não causa erros.

5. Crie um ponto de pausa no seu código

Se você não sabe exatamente em qual parte do código o bug encontra-se, uma boa alternativa é criar breakpoints nele. Esse processo garante que apenas uma parte do sistema será executada de cada vez. Assim, isolar a área em que o erro encontra-se será algo muito mais preciso.

Por isso faça a quebra do código de tal forma que ele se mantenha funcional e possa ter apenas uma parte sendo executada de cada vez. Repita esse processo até isolar as funções e variáveis que estão envolvidas no erro. Desse modo, o seu controle sobre a correção será muito maior.

2 dicas para diminuir a ocorrência de Bug

Para tornar os projetos um pouco mais limpos e livres de bugs, existem algumas formas que permitem a diminuição da ocorrência desse tipo de problema. Sendo assim, acompanhar essas tendências e saber exatamente o que fazer em situações de necessidade podem ser ações essenciais para quem trabalha com programação.

Compreenda o problema

Para que um software seja escrito de maneira eficaz, é preciso que a pessoa desenvolvedora entenda o tamanho de seu problema. Naturalmente, muitas pessoas acabam não pensando em algoritmos restritos e, por isso, deixam passar sistemas de janelas, páginas da internet ou interfaces de linha de comando.

É muito comum que as pessoas que utilizam as páginas online não pensem da mesma maneira que quem desenvolve programas para solucionar os problemas. Para que isso seja resolvido, o ideal é perguntar a quem utiliza as suas páginas ou aplicativos acerca de quais os seus objetivos naquele ambiente virtual

Caso um programador ou programadora não tenha as informações em suas mãos, quem utiliza provavelmente seguirá relatando bugs que não representam um todo coerente.

Teste a unidade

Outra dica muito útil para evitar bugs é fazer um teste de unidade. Isso quer dizer que a pessoa programadora precisará estar atenta ao que acontece em todos os estados possíveis de atuação de um módulo. Sendo assim, deve haver uma lista de teste capaz de definir todas as entradas para o módulo atual.

Quando a lista for iniciada, é válido lembrar que será muito difícil prever todas as possibilidades de problemas que podem acontecer. No entanto, é possível pedir ajuda para outra pessoa que entenda um pouco sobre o assunto e tenha alguma experiência a compartilhar.

Corrigir um aplicativo e garantir que a sua usabilidade fique dentro de um elevado padrão é algo muito importante para quem trabalha com TI. Aplicativos são uma parte essencial do dia a dia da maior parte das pessoas e principalmente de quem trabalha com tecnologia, e em função disso, eles sempre devem apresentar um bom funcionamento. Afinal, se isso não ocorre, é pouco provável que a pessoa continuará utilizando após a primeira tentativa.

Ou seja, quem faz o debug de seus aplicativos consegue reduzir falhas e evitar erros de usabilidade. Isso maximiza as chances de a ferramenta ser adotada a médio e longo prazo por um grande público. Ou seja, traz mais sucesso para a sua carreira como pessoa desenvolvedora de aplicativos!

Gostou da nossa dica? Não não deixe de conferir mais conteúdos sobre tecnologia.

1 Shares:
Você também pode gostar