Você já ouviu falar sobre pair programming? Caso não saiba, essa é uma prática ligada às metodologias ágeis de desenvolvimento de software, que trouxe importantes conceitos para melhorar o trabalho em equipe, garantindo eficiência e agilidade.

Isso porque essa técnica nos diz que todo código de um projeto deve ser elaborado em duplas, o que pode ser um desafio para muitas pessoas. Afinal, é preciso ter boas habilidades sociais e de comunicação para manter a harmonia no trabalho.

No entanto, ao aplicar essa técnica é possível notar um benefício claro em relação à produtividade das equipes. Além disso, ela também diminui as chances de retrabalho, visto que a quantidade de erros inseridos no código diminui significativamente e o nível de atenção à tarefa aumenta.

Quer entender a razão para o pair programming ser tão importante? Então, veja o que você vai descobrir neste artigo:

Boa leitura!

O que é e como funciona o pair programming?

Exemplo de Pair Programming

O pair programming é uma prática que surgiu com a metodologia XP (Extreme Programming) e que tem o objetivo de melhorar a qualidade dos códigos criados, sem comprometer a produtividade da equipe. Em tradução literal, pair programming significa programação em par e essa é a ideia principal da técnica: duas pessoas trabalhando juntas no mesmo código em um único computador.

A técnica funciona de forma simples, pois ela estabelece dois papéis que são revezados durante a codificação: o de piloto e o de navegador. Assim, a pessoa que assume o papel de piloto tem a função de escrever o código

Enquanto isso, quem está no papel de navegador faz a inspeção do trabalho, observando se as boas práticas de programação estão sendo aplicadas, se as regras de negócio estão sendo seguidas, buscando possíveis erros no projeto e dando sugestões de melhoria.

Um fator interessante dessa prática é que é comum alocar pessoas com níveis de experiência em desenvolvimento diferentes para trabalhar juntas. Dessa forma, com o tempo os conhecimentos técnicos são nivelados.

Por que é importante? 5 vantagens da prática pair programming!

Até aqui já explicamos o que é o pair programming, mas ainda fica a dúvida: essa técnica é realmente vantajosa? Sim, e o motivo nós vamos explicar logo abaixo. Confira!

1. Melhora a disciplina do time

O processo de codificação muitas vezes é cansativo e isso pode gerar distrações durante o desenvolvimento. Quando codificamos sozinhos, é muito fácil nos rendermos à tentação de verificar e-mails, atender telefonemas, checar as redes sociais ou fazer qualquer outra coisa que tire nossa atenção da tarefa.

Mas quando o código é desenvolvido em dupla, há um compromisso maior em manter o foco no desenvolvimento. Assim, cria-se um fluxo contínuo de produção mais resistente a interrupções cotidianas.

2. Favorece o compartilhamento do conhecimento

Como explicamos mais acima, os papéis de navegador e piloto no pair programming são invertidos sempre que um ciclo é finalizado. Isso permite uma boa troca de conhecimentos entre a dupla e favorece o nivelamento técnico das habilidades do time.

Mas essa não é a única vantagem, pois, além do revezamento de papéis, também é possível fazer a troca de pares. Dessa forma, o código é compartilhado pela equipe inteira, fazendo com que todos tenham conhecimento sobre as diferentes partes do software. No futuro, isso facilita a manutenção do programa e reduz o impacto negativo caso algum integrante saia do time.

3. Melhora a qualidade do código

Um dos maiores problemas da programação é a dificuldade de criar códigos limpos e sem erros em pouco tempo. Com o pair programming, esse fator é superado, pois tudo que é feito é revisado e aprimorado constantemente, já que com duas pessoas pensando na mesma solução é mais fácil identificar trechos que não são claros ou eficientes.

Além disso, quando programamos sozinhos, cedo ou tarde cedemos à tentação de apelar para as “gambiarras” quando nos deparamos com um problema que não conseguimos resolver. Já em dupla, há um rigor maior em seguir os padrões do projeto e em buscar a melhor solução para o problema e não a mais fácil.

4. Gera mais união na equipe

Com todos participando do desenvolvimento de diferentes partes do código, o espírito coletivo é fortalecido. Afinal, os erros e acertos passam a ser responsabilidade do time e não de uma só pessoa.

Junto a isso também temos o fortalecimento dos laços, além da troca de experiências e conhecimento, que fortalece ainda mais a união. A longo prazo, uma equipe com mais sinergia no trabalho tem maiores chances de gerar resultados positivos.

5. Mais velocidade na codificação

O aumento da velocidade no desenvolvimento do software é um dos benefícios mais notáveis do pair programming e isso está ligado a alguns fatores que listamos acima. Um deles é o maior nível de atenção da dupla, que faz com que as soluções sejam entregues mais rapidamente.

Outro ponto é a revisão instantânea do código que é feita por quem está no papel de navegador. Com ela há uma menor inserção de erros no programa, isso reduz a necessidade de refatoração do código devido a bugs ou à baixa qualidade da codificação.

Quais as dificuldades de implementar o pair programming?

Apesar das vantagens claras que o pair programming oferece, ainda existem dificuldades que precisam ser superadas para que a prática funcione. Algumas delas são:

  • aumento no custo do projeto: à primeira vista, alocar duas pessoas para trabalhar juntas parece um desperdício de recursos, já que elas serão pagas para realizar a mesma tarefa;
  • problemas de comunicação: trabalhar em par requer habilidades sociais que nem todos têm, o que pode gerar atritos dentro do time e dificultar o trabalho;
  • resistência do time em adotar a prática: dentro de cada equipe há pessoas com personalidades totalmente diferentes e nem todas gostam de trabalhar em conjunto, seja por terem preferência pela solitude ou simplesmente por não gostarem de compartilhar conhecimento;
  • dificuldade para manter a prática a longo prazo: ao longo do tempo, é comum ocorrerem imprevistos, como faltas e trabalhos individuais, que quebram o ciclo do pair programming.

8 dicas para você implementar o pair programming!

Agora que você já sabe o que é e quais as vantagens do pair programming, deve estar se perguntando sobre como colocá-la em prática, certo? Abaixo, separamos algumas dicas que vão ajudar você nessa questão. Veja!

1. Entenda como os seus colegas trabalham

Trabalhar em par é um exercício diário de aprendizado, mas não estamos falando de questões técnicas aqui. É preciso entender que cada pessoa tem sua forma de lidar com suas tarefas. Algumas gostam de analisar o código antes de iniciar o trabalho, outras são mais visuais e preferem fazer esquemas ou diagramas antes de mexer no código. 

Essas diferenças precisam ser respeitadas para que a dupla consiga encontrar um ponto de equilíbrio que seja confortável para ambos. 

2. Troque de pares frequentemente

A troca de pares deve ocorrer com frequência no pair programming, mas cada time tem liberdade para definir quando essa troca será feita. Uma possibilidade é realizar a troca ao fim de cada sprint ou definir períodos de tempo para trocar as duplas, como dias ou semanas.

Isso é necessário para melhorar o entrosamento da equipe, já que cada pessoa tem seu jeito de trabalhar, sua personalidade e a melhor forma de entender como lidar com essas diferenças é trabalhando em conjunto.

3. Seja educado ao se comunicar

Manter uma relação cordial com seus colegas, é essencial para a prática do pair programming. Obviamente isso requer boas habilidades de comunicação, além do exercício da empatia. Afinal, é muito chato quando sentimos que há desvalorização e desrespeito em relação ao nosso trabalho. 

Para evitar esse tipo de desconforto, é importante manter uma comunicação amigável. Ou seja, caso você precise apontar um erro no código do seu par, por exemplo, pense em como gostaria de receber essa informação caso fosse ao contrário. É importante mostrar que valoriza o esforço de cada colega para apontar uma falha sem gerar constrangimentos.

4. Explique para o time o objetivo do pair programming

Para que a equipe consiga tirar o máximo proveito dessa prática, é fundamental que o time esteja ciente dos objetivos de trabalhar em par. É necessário explicar, por exemplo, o potencial que o pair programming tem para melhorar a qualidade dos códigos criados sem aumentar o tempo de entrega do software.

Também é interessante que a equipe entenda que a prática também traz benefícios individuais, como a troca de conhecimento constante. Dessa forma, o time estará mais propenso a seguir a prática com rigor e vai conseguir explorar cada benefício que ela proporciona.

5. Respeite o momento em que a outra pessoa pilota

Outro ponto importante para que o pair programming gere resultados positivos é respeitar os papéis que a prática define. Ou seja, no momento em que a sua dupla está no “piloto”, você deve se restringir à função de supervisionar o código.

É natural que durante o processo você sinta vontade de “botar a mão na massa” e queira fazer os códigos do seu jeito, mas lembre-se: o seu papel nessa hora é revisar o trabalho do seu par pensando no que é melhor para o projeto final. Por isso, as intervenções devem ser feitas apenas quando elas forem realmente necessárias e sempre de forma respeitosa.

6. Esteja disposto(a) a aprender algo novo

Como pessoas desenvolvedoras, precisamos aceitar que nem sempre a maneira como estamos acostumados a codificar é a melhor forma de resolver um problema. Afinal, com o tempo criamos hábitos e temos a tendência de repetir alguns padrões de codificação. Ou seja, caímos em uma zona de conforto.

É isso que faz o trabalho em dupla ser tão rico e importante. Por meio dele, podemos conhecer novas tecnologias e ferramentas, aprender a usar diferentes funções, explorar outras maneiras para criar um código. Isso tudo, além de beneficiar o projeto em que estamos trabalhando, também nos enriquece profissionalmente.

7. Trabalhe junto do seu par, ajude e aceite ajuda!

O pair programming nos diz que as soluções devem ser pensadas em conjunto sempre visando o que é melhor para o projeto. Por isso, é importante que a dupla esteja aberta para discutir as alternativas para a solução de um problema. Em palavras simples, o que queremos dizer é: priorize o trabalho em equipe.

Às vezes, é comum sentir vergonha em admitir que não sabemos como resolver um bug no projeto, por exemplo. Afinal, queremos mostrar serviço e temos medo de falhar diante de um colega de equipe.

Nessas horas, lembre-se de que o seu par está ali para apoiar você e vice-versa. Então, se sentir dificuldade para desenvolver um trecho do código, não se acanhe em pedir ajuda. Da mesma forma, caso perceba que sua dupla está “travada” com algum problema, ofereça uma solução.

8. Tenha uma estrutura propícia

Além de tudo que já falamos, para que a prática seja viável e gere bons resultados, a estrutura utilizada pela dupla merece uma atenção especial. O motivo é simples: é preciso garantir o conforto do par para que o trabalho tenha um bom rendimento.

Nesse caso, deve-se pensar em equipamentos adequados para a prática, como cadeiras ergométricas e mesas que comportem bem as ferramentas e possam ser usadas por mais de uma pessoa ao mesmo tempo. Outro ponto de atenção é a tela do monitor, que deve ser grande o suficiente para que a dupla tenha uma boa visão do código.

Como foi possível perceber, o pair programing é uma técnica muito interessante, que, apesar de apresentar algumas dificuldades de implantação, gera benefícios significativos para as equipes que a utilizam. Então, se você nunca experimentou essa prática, recomendamos que faça uma tentativa. Afinal, novas experiências são sempre positivas e podem ser um grande diferencial para o seu currículo!

E aí, conseguimos esclarecer suas dúvidas sobre pair programming? Então, para aprofundar ainda mais seu conhecimento, confira nosso próximo artigo e saiba o que é e como aplicar a Extreme Programming!

Deixe um comentário
Você também pode gostar