A Coreia do Sul anunciou que vai testar um projeto piloto que utiliza inteligência artificial, reconhecimento facial e câmeras de segurança para monitorar casos confirmados de Covid-19. O projeto será implementado em Bucheon, uma das cidades mais densamente povoadas do país e que fica próxima à Seul, a partir de janeiro.

O plano foi detalhado em um documento de 110 páginas enviado ao Ministério da Ciência e TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação). Os sistemas de inteligência artificial e reconhecimento facial serão utilizados para analisar as gravações feitas por mais de 10 mil câmeras de segurança.

O objetivo é monitorar não apenas os indivíduos que foram infectados pelo coronavírus, mas qualquer pessoa que tenha tido um contato próximo com eles e se estavam utilizando máscara ou não. 

A adoção dos sistemas ajudaria a reduzir o trabalho das equipes de monitoramento que atuam na cidade de mais de 800 mil habitantes, permitindo que suas habilidades sejam aproveitadas de forma mais eficiente e adequada. 

Por outro lado, o projeto levanta preocupações sobre privacidade, assim como ocorreu com qualquer sistema de vigilância que outros países tentaram implementar. China, Rússia, Índia, Polônia, Japão e Estados Unidos são alguns dos exemplos de governos que já realizaram experimentos com reconhecimento facial para monitorar pacientes com Covid.

Automatização do rastreamento de casos

A Coreia do Sul já conta com uma estratégia que investiga históricos de cartões de crédito, dados de localização de celulares, gravações de câmeras de segurança e outras informações pessoais para monitorar a população durante a pandemia.

No entanto, apesar de adotar tecnologias de ponta para automatizar parte do trabalho, o país ainda depende de investigadores epidemiológicos que muitas vezes trabalham em turnos de 24 horas para rastrear e contactar possíveis casos de Covid-19. 

A Coreia do Sul já conta com uma estratégia que investiga históricos de cartões de crédito, dados de localização de celulares.

Um dos argumentos utilizados para solicitar investimentos do governo no projeto foi que os sistemas de inteligência artificial e reconhecimento facial acelerariam o processo de rastreamento de infecções.

Outra vantagem mencionada no documento é o fato de que seria possível obter avaliações mais precisas. Atualmente, as equipes de monitoramento baseiam-se em depoimentos dos próprios pacientes, que muitas vezes não são totalmente sinceros em relação às suas atividades ou locais que frequentaram. 

Privacidade e vigilância

Os sistemas que a cidade de Bucheon pretende implementar são capazes de monitorar até dez pessoas em cinco a dez minutos. Isso representa uma redução de tempo significativa quando comparado aos 30 a 60 minutos necessários para rastrear uma única pessoa de forma manual.

Por enquanto, não há planos para expandir o programa a nível nacional, visto que o objetivo é apenas reduzir parte do trabalho manual realizado atualmente. 

O Ministério da Ciência e TIC disponibilizou cerca de US$ 1,36 milhões para o projeto e injetou mais de US$ 400 mil do orçamento da cidade para a construção do sistema. 

Autoridades de Bucheon ainda defendem que não há invasão de privacidade uma vez que os sistemas rastreiam apenas os casos confirmados de Covid-19 e omite os rostos de outras pessoas que aparecem nas gravações.

Os pacientes devem fornecer seu consentimento para que o reconhecimento facial seja utilizado. O problema é que a tecnologia ainda pode monitorar esses indivíduos por meio da silhueta ou roupas mesmo que eles se recusem a autorizar o uso do sistema. 

Outra preocupação é que não há garantias de que o sistema será utilizado exclusivamente para monitorar os casos de Covid-19 durante a pandemia, podendo tornar-se uma ferramenta de vigilância estatal no futuro.

Deixe um comentário
Você também pode gostar