Por mais de três décadas, o mundo presenciou o impacto que uma pequena parte da Califórnia causou na área da tecnologia: o Vale do Silício gerou os websites que acessamos, alterou a nossa forma de fazer compras e mudou para sempre o rumo dos meios de entretenimento. 

Essa história só começou a mudar recentemente, quando outro país entrou em jogo e ameaçou a supremacia da região norte-americana: a China, que vem se destacando na área da tecnologia, inserindo diversos produtos e serviços no mercado que conseguiram atrair a atenção do globo todo. O país, que entrou no mercado pouco tempo atrás e sem grandes expectativas de crescimento, pode reformular todo o formato da área de tecnologia como a conhecemos!

Por isso, vamos descobrir mais sobre a China e como ela impacta no mundo da tecnologia. Confira os tópicos que preparamos:

Fique com a gente e boa leitura!

Conheça um pouco sobre a China!

A China é conhecida por sua longa história e tradição;o país tem uma cultura que se expande há 4.000 anos e ajudou afundar muitas bases do mundo moderno. Atualmente, a China é o país mais populoso do mundo. 

A República Popular da China foi fundada em 1949 após a derrota do nacionalista Kuomintang pelo partido Comunista, que se retirou para Taiwan, dividindo a nação entre a República Popular e a República da China com base em Taiwan. 

Logo em seguida, o país ficou estagnado sob o regime totalitário de Mao Zedong. Após décadas de muito atraso econômico, o país reformulou seu modelopara se ajustar parcialmente às diretrizes capitalistas do mundo ocidental. Com isso, se tornou um país em crescimento rápido e exponencial, bem como uma liderança em exportação. Hoje, a China expandiu sua atuação e também faz grandes investimentos no exterior.

Apesar disso, o regime político no país continua sendo totalitário e com diversas restrições sociais. Seu atual governante é Xi Jinping, que assumiu seu posto entre 2012 e 2013. Os grandes temas da sua liderança no âmbito econômico são uma reforma para impulsionar as forças do mercado, assim como uma campanha anticorrupção. 

No quesito da tecnologia na China, o país tem a maior audiência virtual do mundo, com 772 milhões de pessoas usuárias, apesar de ter o conteúdo rigidamente censurado e controlado. Além disso, ela é o maior mercado de mídias digitais do mundo, controlado por três grandes e poderosas companhias: a Baidu, o Alibaba e o Tencent. 

Como a China quer dominar a tecnologia nos próximos anos?

A China planeja lançar um plano ambicioso parareescrever os padrões da próxima geração da indústria tecnológica:o China Standards 2035. Esse plano pode ter implicações gigantescas para empresas de tecnologia do mundo todo, já que traz um esquema para que o governo chinês e as companhias que lideram o mercado lancem tendências globais para tecnologias emergentes,como internet 5G, internet das coisas, inteligência artificial, computação em nuvem, entre outras.

O China Standards 20135 é fruto de uma pesquisa que teve início em 2018 e durou dois anos, conduzida pela Administração Geral de Supervisão de Qualidade, Inspeção e Quarentena (AQSIQ), e realizada pela Academia Chinesa de Engenharia. A ideia é que esse projeto de tecnologia chinesa trabalhe em conjunto com outras políticas industriais, como o Made in China 2025, em busca da liderança global em inovação tecnológica. 

Mesmo que o relatório completo ainda não tenha sido disponibilizado para o público geral, é evidente que a intenção é impactar mundialmente o ramo da tecnologia. Por isso, investidores estrangeiros devem começar a se familiarizar com esse projeto, queiram eles ou não operar diretamente na área da tecnologia

Conheça os programas de empreendedorismo da China!

Nos últimos anos, o país lançou programas para impulsionar o empreendedorismo e tecnologia na China — o mais importante é o foco na inovação. Vamos conhecer os principais projetos que foram criados com esse intuito, a seguir.

Technologically Advanced Service Companies (TASC)

Esse programa visa o direcionamento de investimentos para o desenvolvimento e pesquisa em setores que são interessantes para o crescimento econômico do país, assim como garantir que tais empresas possam pagar uma taxa reduzida de impostos. 

High and New Technology Enterprise (HNTE)

Em geral, as indústrias abrangidas por esse projeto são do ramo de eletrônicos, aeroespacial, biomédica, engenharia e desenvolvimento de materiais, alta tecnologia, fontes de energia, meio ambiente e manufatura. Por meio desse projeto,as empresas são capazes de descobrir falhas e problemas, bem como receber sugestões valiosas para o planejamento de novas ideias e medidas de desenvolvimento

Super Dedução

O importante nesse programa é o desenvolvimento de produtos e soluções disruptivaspara que seja possível aumentar a qualidade e a produtividadeno geral. O investimento é destinado a empresas de pequeno, médio e grande porte da área de tecnologia na China. 

O foco da China em tecnologia para automatização!

Em um discurso em 2014, Xi Jinping chamou o processo pelo qual o país está passando agora de “revolução robótica”. A China está se lançando com força total na automatização em sua vasta economia, procurando revolucionar cada centímetro de seu mercado. 

Esse “empurrão” para a automatização é parte dos objetivos da China em se tornar um centro de inovação. Combinados com as políticas de educação do governo para encorajar mais pessoas a se formar em ciência e engenharia, bem como os incentivos financeiros no investimento em manufatura robótica, a China está a um passo de ser líder em automatização industrial

Além disso, a automatização parece resolver uma série de problemas complexos na estrutura do país. Isso porque a China está rumando para um grande lapso de mão de obra nos próximos anos, e um avanço na automatização pode ser uma saída eficiente e barata, possibilitando não somente que a China tome a dianteira como uma potência industrial inovadora, mas que também solucione os problemas causados pela superpopulação.

Entretanto, a curto prazo, a rápida transição para uma economia altamente automatizada está criando um número de pessoas trabalhadoras deslocadas, afastados de seus serviços por robôs que conseguem fazer a mesma tarefa a um preço menor. Essas pessoas enfrentam mais competição no mercado por serviços cada vez mais especializados e que necessitam de hard skills – que muitas vezes elas não têm. 

Potência em e-commerce e mobile payments!

O e-commerce da China é o maior do mundo, acumulando um total de 1.94 trilhões de dólares em 2019. Isso significa um adicional de 27% ano após ano e um quarto do total de vendas da China. O segundo lugar vai para o e-commerce dos Estados Unidos, que é três vezes menor que o chinês. Apesar do surto de coronavírus em 2020, os números tendem a crescer em 2021, chegando a um aumento de 16%, alcançando a marca de 4.2 trilhões de dólares. 

Além disso, redes sociais e comércio eletrônico em aplicativos como WeChat e TikTok se tornaram parte integral do dia-a-dia da população no país. Na verdade, pessoas consumidoras na China costumam gastar 5 horas diárias em seus dispositivos móveis.

Em relação aos pagamentos via mobile, o número de pessoas usuárias fazendo transações bancárias digitalmente deve crescer para 700 milhões em 2022. Esse número é tão expressivo que o Banco Popular da Chinaproibiu a discriminação contra dinheiro efetivo para pessoas que só aceitam métodos de pagamentos virtuais. Tudo isso é ainda mais interessante quando pensamos que, duas décadas atrás, o comércio chinês aceitava apenas dinheiro físico. 

China, tecnologia e seus grandes Unicórnios, Fintechs e Retailtechs!

A indústria chinesa não avançou apenas em áreas convencionais, como eletrônica, automobilística, industrial, trens de alta velocidade e aviação. Ela também lidera inovações tecnológicas em áreas emergentes como energias renováveis, energia nuclear avançada, telecomunicação, big data, computadores quânticos, aprendizado de máquina, tecnologia espacial, entre outros.

Grande parte disso é refletido no crescente número de Unicórnios, Fintechs e Retailtechs presentes no país. Conheça os principais Unicórnios, Fintechs e Retailtechs, a seguir. 

Unicórnios

Seis das dez maiores Startups Unicórnio do mundo estão sediadas na China. Fora isso, ela ainda é residência de 227 Unicórnios, perdendo dos Estados Unidos por apenas 6. Essa informação significa que os dois países juntos representam 78% das Unicórnios conhecidas até então. 

Fintechs

A China é o maior mercado de Fintechs do mundo. Em 2015, o tamanho do mercado de finanças virtuais já era maior que 1.8 trilhões de dólares. Das 27 Fintechs Unicórnio que existem, 8 delas estão na China e arrecadaram 9.4 bilhões de dólares em fundos, além de terem um valor combinado de 96.4 bilhões de dólares. 

O sucesso das Fintechs é devido, principalmente, ao fato de que a população adotou rapidamente serviços de tecnologia na China, como online banking, moeda digital, transferência virtual, investimentos, seguros, etc. 

Retailtechs 

As Retailtechs se deram muito bem no cenário econômico chinês, já que se propõem a revolucionar e inovar tudo em torno da indústria varejista. Isso devido ao fato de que as pessoas consumidoras passam muito tempo online e também devido ao incentivo do governo às companhias de inovação e desenvolvimento. Nesse contexto, Startups de serviços online se tornaram tão famosos que conseguiram ultrapassar os limites de fronteira e chegaram ao mundo ocidental, como por exemplo o varejista Alibaba e a Tencent. 

China e o foco na revolução verde!

Durante muitos anos, a China passou por um processo pesado de industrialização. Por conta disso, seu solo, água e ar chegaram a níveis de poluição prejudicialmente alarmantes para a sociedade e a economia. Algum tempo depois, a China declarou “Guerra à poluição” com uma série de iniciativas sustentáveis. Vamos conhecer algumas delas a seguir.

Poluição do ar

A China se desfez de usinas de força movidas a carvão para reduzir o nível de poluentes no ar. Isso fez com que a qualidade do ar melhorasse e que houvesse menos fumaça obstruindo a luz do dia nas maiores cidades do país. 

Melhor regulamentação

O antigo Ministério de Proteção Ambiental foi transformado em Ministério de Ecologia e Meio Ambiente, o que permitiu que os temas tratados fossem mais nítidos e objetivos. O novo ministério é responsável por rever toda a política relacionada à água, desde recursos oceânicos a poços subterrâneos. Esse ministério também está responsável pelas políticas de mudanças climáticas. 

Foco no futuro verde

Para angariar fundos com o objetivo de transformar sua atual economia em um modelo sustentável, a China começou a coletar impostos ambientais e também está tentando atrair um maior número de investimentos sustentáveis.

O próximo desafio é aumentar o padrão de investimentos em iniciativas sustentáveis. Para isso, recentemente a China lançou a iniciativa de gerenciamento de riscos ambientais para investimentos estrangeiros, visando que empresas e pessoas empreendedoras chinesas adotassem uma política mais responsável. 

A China é uma nação que se inseriu no mercado ocidental poucas décadas atrás e que cresce exponencialmente a cada ano, com uma velocidade inacreditável. O país já assumiu a liderança em diversos postos relacionados à área de tecnologia e pretende continuar sua dominação pelos próximos anos. Portanto, manter a atenção voltada para seu mercado tecnológico é essencial para compreender o futuro da tecnologia e da economia mundial. 

Gostou de conhecer um pouco mais sobre o cenário econômico e a tecnologia na China? Aproveite agora a visita ao nosso blog para entender mais sobre a Lei Geral de Proteção de Dados, ou LGPD, que promete mudar totalmente a política de uso dos dados de pessoas usuárias na internet!

0 Shares:
Você também pode gostar