Reconhecimento facial é uma tendência que entra na relação de tecnologias que são normalmente associadas à ficção científica. Quando pensamos em reconhecimento facial, logo já surgem em nossa mente imagens de grandes e tecnológicas parafernálias que identificam cada detalhe do rosto de uma pessoa, abrindo portas, concedendo permissões, entre outros casos.

Entretanto, será que o reconhecimento facial é uma tecnologia assim tão distante da nossa realidade? E, será que ela se apresenta exatamente dessa forma como imaginamos? 

A verdade pode não ser tão glamourosa como gostaríamos que fosse, uma vez que reconhecimento facial já é uma realidade e já está entre nós, porém, muitas vezes ocupa funções mais sutis do que as que imaginamos. 

Gostaria de saber mais sobre essa tecnologia e como ela vem atuando? Ademais, o que acha de refletir acerca de algumas polêmicas que circundam esse tema? Se a resposta para ambas as perguntas for afirmativa, então, confira o conteúdo que preparamos para você:

O que é reconhecimento facial?

Reconhecimento Facial é o nome que se dá ao processo de identificação do rosto de determinada pessoa por meio da tecnologia.

Para facilitar a compreensão do tema, vamos a algo que já é familiar: as impressões digitais. Sabemos que cada impressão digital é única, desse modo, essa informação é útil para saber se alguém esteve em determinado lugar e interagiu com determinado objeto. Afinal, se sua impressão digital está presente, é improvável que você não tenha estado. Esse tipo de informação é conhecida como biométrica, ou seja, que é capaz de distinguir um indivíduo por meio de suas características físicas. 

Quais outras partes do corpo você acredita que sejam cruciais para a distinguir uma pessoa da outra? Se você disse o rosto, você tem toda a razão! É assim que conseguimos reconhecer pessoas nos filmes, nas ruas, nas televisões. Guardamos informações acerca das propriedades físicas do rosto de cada pessoa em nossa memória, e, quando vemos ela novamente, sabemos quem ela é!

Quando a tecnologia é capaz de fazer isso, estamos falando de Reconhecimento Facial. Logo, há um banco de dados com imagens e vídeos que identificam pontos e características físicas únicas nos rostos das pessoas. Assim, a tecnologia consegue identificar se aquele rosto que está sendo analisado corresponde a algum dos que estão presentes no banco de dados. 

Apesar de não ser uma ideia e nem mesmo uma tecnologia que é totalmente disruptiva, é esperado que o mercado para o reconhecimento facial cresça para até 7.7 bilhões de dólares em 2022. O motivo para isso? Reconhecimento facial é útil em todos os lugares!

Quais foram os primeiros usos de reconhecimento facial

A história dessa tecnologia começa há muitas décadas atrás, próximo aos anos 60. O cientista matemático e computacional Woodrow Wilson Bledsoe conseguiu desenvolver um sistema de medidas que era capaz de classificar fotos de faces. Esse é considerado o primeiro marco da existência do reconhecimento facial.

Com isso, as autoridades norte-americanas enxergaram muito potencial nessa tecnologia, adotando-a e desenvolvendo seus próprios sistemas de reconhecimento facial — ainda que simplórios comparados aos de atualmente. Esses sistemas foram o que permitiu que essa tecnologia pudesse se desenvolver ainda mais. 

Apesar de toda essa informação, 2001 é o ano considerado definitivo para a história do reconhecimento facial, afinal, seu uso ocorreu no evento Super Bowl XXXV que aconteceu na cidade de Tampa, Flórida. Em tal evento, um sistema de reconhecimento facial implementado reconheceu 19 pessoas suspeitas de estarem foragidas após um mandato de prisão. 

Como funcionam os sistemas de reconhecimento facial?

Você já parou para pensar como é que você reconhece outras pessoas pela aparência? Se sim, você deve ter percebido como você memoriza características faciais, como formato e cor dos olhos, nariz, boca e como eles se relacionam para formar um rosto. Dessa forma funciona também o algoritmo de reconhecimento facial. 

Todas essas informações são convertidas para dados que o sistema consegue armazenar, analisar e interpretar. Apesar de haver várias maneiras de isso acontecer, existem algumas particularidades que são semelhantes em todos esses sistemas. Confira a seguir como funcionam eles:

  1. PASSO 1: Um rosto é identificado por meio de uma mídia. Pode ser uma fotografia, vídeo ou filmagem. Esse rosto pode vir sozinho ou acompanhado de mais pessoas em uma multidão. É importante apenas que o rosto esteja bem visível, ou olhando para frente ou de perfil. 
  2. PASSO 2: É aqui que o algoritmo entra em ação. As informações do rosto reconhecido são convertidas em formas geométricas. Essas linhas são traçadas a partir da distância da testa até o queixo, a distância entre os olhos, entre uma pupila e outra, da distância entre os olhos e o nariz… Enquanto identifica toda essas informações geométricas, o sistema vasculha o rosto por marcas individuais, como pintas, sardas, cicatrizes, marcas de nascença, etc. No final, todos esses dados são empacotados juntos e o resultado é a impressão facial, única e particular. 
  3. PASSO 3: Esses dados são jogados em um banco de dados com diversas informações acerca de rostos. Após isso, há uma comparação entre esses dados e o rosto que foi identificado.
  4. PASSO 4: Como cada pacote de dados é individual e contém uma fórmula matemática única que a determina, será fácil do sistema identificar se aquele rosto pertence a outro que já está cadastrado no sistema. Se isso ocorrer, haverá uma confirmação, e a pessoa será reconhecida. 

É possível reconhecer rostos que estão em constante mudança?

Muitas dúvidas podem surgir a partir disso. Uma das principais é: os rostos nunca são exatamente iguais ao longo da vida toda. Eles mudam, se desenvolvem, envelhecem. Pessoas fazem processos cirúrgicos e estéticos… Desse modo, é possível reconhecer esses rostos que já não são mais iguais a antes?

Apesar de essa ser uma grande questão, é importante dizer que os sistemas de reconhecimento facial estão em constante evolução, e, atualmente, os melhores já apresentam um número muito grande de dados para se basear, o que facilita muito no reconhecimento de pessoas a partir de detalhes menores, como formato da cabeça. 

Porém, mesmo com toda a tecnologia que existe atualmente, uma pesquisa realizada na universidade do Estado de Michigan constatou que a precisão dos sistemas de reconhecimento facial começa a cair a partir de fotografias que foram tiradas há mais de 6 anos, a depender do estilo de vida e do grau de envelhecimento de cada pessoa. 

Desse modo, é possível compreender que ainda existe muito espaço para o desenvolvimento dessa tecnologia, e que, para ser completamente precisa, ela precisa ser atualizada com frequência. Afinal, os rostos podem mudar. 

Quão eficazes são os sistemas de reconhecimento facial?

A essa altura você já deve estar imaginando todas as mil e uma utilidades de se reconhecer pessoas pelo rosto, correto? Uma das razões mais evidentes seria para ajudar no trabalho de identificação e localização de pessoas que infringiram leis e cometeram crimes. Porém, seria um grande problema se isso levasse à prisão de pessoas inocentes por conta de um erro de reconhecimento facial, concorda?

Dessa forma, uma questão a se considerar é a eficácia desses componentes. Segundo testes realizados pelo Instituto Nacional de Padrões Tecnologia dos Estados Unidos da América (NIST), o melhor algoritmo de reconhecimento facial em Abril de 2020 demonstrou um desempenho cuja taxa de erro não superava 0.08%

Porém, um ponto importante a ser creditado é que esse desempenho pode ser alcançado quando estamos falando de imagens estáticas e nítidas, como no caso de retratos falados, fotos para passaporte, etc. Quando a questão é reconhecer rostos no mundo real, com rostos distorcidos que não estão olhando diretamente para a câmera ou com objetos escondendo parte do rosto, o reconhecimento se torna muito mais difícil de ser feito. 

Qual foi a utilidade do reconhecimento facial durante a pandemia?

Cientistas descobriram como utilizar reconhecimento facial como uma ferramenta importante no combate ao coronavírus durante a pandemia que assolou o mundo entre o final de 2019 e 2021. 

Foi apresentada em uma conferência em Miami, Flórida, em Dezembro de 2020, o trabalho excepcional que levou reconhecimento facial a aliar-se a políticas públicas de saúde

Como funciona

As pessoas cientistas foram capazes de desenvolver um sistema de reconhecimento facial que é capaz de detectar e rastrear pacientes de COVID-19 com sintomas de febre. O dispositivo é composto por duas câmeras, uma RGB e uma termal. A câmera RGB detecta o rosto da pessoa e, por meio do algoritmo, consegue detectar onde fica a testa. A câmera termal então mede a temperatura da testa exposta. 

Caso o sintoma se confirme, a câmera identificará quem é a pessoa via reconhecimento facial. Como essas câmeras são colocadas em todos os lugares de acesso público, todas as imagens dessa pessoa em um período de tempo serão recuperadas, juntamente com um carimbo de tempo do horário em que esteve presente em cada local. Dessa forma outras pessoas que estiveram presentes nesse mesmo local, no mesmo horário, poderiam ser notificadas e colocadas em quarentena. 

Tal tecnologia esteve em uso em países como China, que apresentaram dados surpreendentes do controle da disseminação da doença. 

Quais são as polêmicas envolvendo o reconhecimento facial?

Apesar de essa tecnologia parecer primeiramente muito interessante e instigante, ela abre margem para diversos debates éticos e legais acerca do uso da imagem. Além disso, muitas outras questões são colocadas em pauta quando o assunto é reconhecimento facial. Vamos ver quais são as questões mais polêmicas envolvendo esse assunto:

Privacidade

Conforme a tecnologia avança, e a sociedade conquista ainda mais território dentro do mundo digital, a privacidade se torna um problema cada vez maior. O reconhecimento facial não se isenta disso, afinal, dados de imagem e face são informações sensíveis que podem levar ao prejuízo de alguém

Um exemplo disso foi a investigação que a FBI organizou referente ao “FaceApp”, que foi febre alguns anos atrás por utilizar reconhecimento facial para aplicar um filtro que fazia com que a pessoa se visse como se fosse do sexo oposto. A empresa responsável afirmou que não estava usando esses dados para fins ilícitos. Mas, isso é um exemplo de uma situação que poderia ter acontecido. 

Vigilância

Um dos alertas que muitas pessoas experientes na área da tecnologia fazem em relação ao uso de reconhecimento facial é a facilidade com que uma instituição ou governo teria em “vigiar” determinado grupo ou grupos, os quais fossem opostos à sua ideologia. Em 2019, após as manifestações em Hong Kong, muitas pessoas manifestantes temiam que pudessem ser perseguidas por sua posição política por conta do reconhecimento facial.

Dessa forma, o reconhecimento facial poderia facilmente se tornar uma ferramenta de perseguição e identificação de pessoas ideologicamente opostas em lugares com governos autoritários e antidemocráticos

Racismo e misoginia 

Anos atrás, um vídeo fez muito sucesso no exterior em que um rapaz negro testava uma webcam com reconhecimento facial da empresa HP. A webcam deveria reconhecer os rostos e seguí-los, independentemente de para qual direção ele fosse. No vídeo, é possível ver que o sistema não reconhece o rosto do rapaz, enquanto sua colega que tem a pele branca não teve nenhum problema ao ser reconhecida pelo aplicativo. Esse é um dos exemplos da problemática envolvendo questões raciais do reconhecimento facial, e é só a ponta do iceberg. 

Em 2015, o algoritmo da aplicação de reconhecimento facial de imagem do Google etiquetou e categorizou duas pessoas afrodescendentes como “Gorilas”. Não obstante, um estudo envolvendo determinado software de reconhecimento facial descobriu que tal sistema era capaz de identificar com uma precisão impressionante um homem de pele branca, assim como falhava na mesma proporção em identificar uma mulher negra. 

Em outro exemplo, pessoas pesquisadoras do MIT descobriram que algoritmos de reconhecimento facial identificavam que mulheres negras eram homens em quase 35% das vezes, quanto a taxa de erro para homens de pele branca era inferior a 1%.

A culpa, no entanto, não está totalmente no funcionamento do algoritmo, e sim como ele é treinado. A grande maioria dos pacotes de informações utilizadas para treinar essas aplicações correspondem a imagens de pessoas que são 75% homens e mais de 80% de pele clara

O que diz a LGPD sobre o reconhecimento facial?

A LGPD, Lei Geral de Proteção dos Dados (13.709/2018) é uma lei que visa a proteção dos dados pessoais de toda pessoa no território brasileiro, regulamentando e padronizando práticas de uso de dados por empresas ou terceiros. 


Como reconhecimento facial envolve um dado sensível, que é a imagem da pessoa, a LGPD abarca um pouco essa medida também. Essa lei deixa explícito que o uso de informações pessoais sensíveis por parte de empresas ou outras fontes deve ser reduzido ao mínimo. Desse modo, um dado tão importante quanto a imagem biométrica do rosto da pessoa deve ser coletado somente quando necessário, não devendo impô-la sobre a pessoa que está utilizando a tecnologia em questão

Caso a empresa queira utilizar reconhecimento facial obrigatoriamente, ela deve apresentar uma justificativa que seja plausível para a coleta desse tipo de informação. Essa justificativa deverá estar destacada e bem evidenciada para todas as pessoas que estão utilizando o serviço ou tecnologia, além de pedir por consentimento para o uso desse tipo de dado

Prós e Contras do Reconhecimento Facial!

Até aqui já apresentamos uma série de informações relevantes acerca da utilização de sistemas de reconhecimento facial. Desse, vamos elencar agora os prós e contras desse tipo de tecnologia:

Prós

  • Ajuda a encontrar pessoas que estão desaparecidas, mesmo depois de alguns anos;
  • Identifica pessoas criminosas, ou que tenham cometido algum tipo de delito e estão impunes e foragidas;
  • Ajuda no reconhecimento de potenciais ameaças em vôos, reforçando a segurança de aeroportos e nações;
  • Facilita o uso de diversas aplicações, como bancos.
  • Auxilia na detecção de casos de doença, alertando caso haja contato com uma pessoa infectada.

Contras

  • Podem haver, erros, afinal, ele não é 100% eficaz ainda;
  • Ainda não há muito material diverso em banco de dados, levando à mau funcionamento com pessoas de grupos minoritários;
  • Não levam em consideração caso de pessoas que passam por grandes transições, como pessoas com transgeneridade;
  • É possível enganar o reconhecimento facial com uso de máscaras e outros acessórios para cabeça;
  • O envelhecimento diminui sua eficácia.

Como se proteger de golpes de reconhecimento facial?

Com as tecnologias, muitas vezes surgem brechas que pessoas má intencionadas não hesitam em explorar. Em um dos golpes envolvendo reconhecimento facial, uma pessoa entregadora leva um “brinde” que você ganhou até sua casa, mas pede para você confirmar a identidade. Logo em seguida, você descobre que há um financiamento de um veículo caro em seu nome. 

Se uma das suas preocupações é como você pode se proteger e proteger os seus dados pessoais de supostos sistemas de reconhecimento facial, vamos dar algumas dicas de como você pode fazer para evitar cair em golpes e fraudes aplicados por meio dessa nova tecnologia.

Cuidado com rede sociais

Todas as pessoas gostam de postar fotos em redes sociais, é uma tendência da época em que vivemos. Porém, devemos tomar muito cuidado ao divulgar fotos que mostram nitidamente nosso rosto, com um ângulo que pode ser reconhecido por um sistema de reconhecimento facial. Afinal, uma pessoa pode tentar burlar o sistema, imprimindo a foto e tentando se passar por você!

Não disponibilize sua biometria facial para ninguém

Caso uma pessoa, que não esteja envolvida em processos legais ou governamentais, peça que você ceda uma foto ou olhe para a câmera, desconfie. Você pode estar sendo vítima de um golpe de reconhecimento facial. Se for uma exigência da empresa, eles devem ter uma justificativa plausível para esse dado e ele deve ser coletado dentro da própria empresa ou do serviço da empresa. 

Peça outros tipos de protocolo de segurança

Ninguém pode impedir você de utilizar determinado serviço ou produto porque você não quer ceder sua biometria facial. Desse modo, pergunte para a empresa ou serviço em questão se há outros métodos de verificação de identidade

Quais são os usos do reconhecimento facial?

Vamos conhecer agora alguns dos usos mais comuns para esse tipo de tecnologia:

  • Viagens: Algumas companhias aéreas já estão deixando de lado os velhos e ultrapassados bilhetes de embarque e adotando o reconhecimento facial! Dessa forma, o embarque pode ser feito muita mais rápido, somente sendo necessário que o passageiro ou passageira tenha sua face analisada pela câmera. 
  • Dispositivos móveis: Muitos celulares, tablets e outros dispositivos contam com uma tecnologia que permite que você desbloqueie-os somente ao olhar para eles!
  • Sala de aula: reconhecimento facial pode ser usado para saber se determinado aluno ou aluna está presente ou não em determinada aula.
  • Redes sociais: Ao fazer um upload no Facebook, seu algoritmo utiliza essa tecnologia para identificar automaticamente quem está com você dando a sugestão de marcar a pessoa na foto. 
  • Somente pessoal autorizado: Lugares com restrição de circulação para pessoas funcionárias podem trocar cartões e crachás por reconhecimento facial. Assim, a porta abre automaticamente quando uma pessoa habilitada estiver presente. 
  • Lojas e Comércios: Com reconhecimento facial, fica mais fácil identificar pessoas com má intenções, evitando furtos e roubos. 
  • Shows e concertos: há uma série de usos para reconhecimento facial em grandes aglomerações. Uma delas é encontrar pessoas que estão desaparecidas ou procuradas. Outra razão é para grupos de marketing de empresas patrocinadoras obterem dados sobre o público-alvo em questão. Ou, até mesmo, para evitar a entrada de Stalkers. 
  • Banking: Diversos bancos já oferecem como protocolo de segurança o reconhecimento facial. Assim, é possível saber que a pessoa que está abrindo conta é, de fato, a pessoa do documento em questão. 

3 Exemplos reais de utilização do reconhecimento facial!

Vamos conhecer agora alguns exemplos reais de empresas ou serviços que utilizam reconhecimento facial que fazem toda a diferença no mercado! Confira:

1. Reconhecimento de Sorrisos

Mulher sorrindo com celular na mão, campanha reconhecimento facial listerine
Imagem retirada do vídeo da campanha publicitária da Listerine.

A marca de produtos de higiene bucal Listerine criou um aplicativo mobile que auxilia pessoas cegas em ambientes de interação social. O aplicativo utiliza reconhecimento facial para identificar quando alguém está sorrindo, sinalizando para a pessoa cega a reação. Dessa forma, a pessoa sabe que alguém está sorrindo para elas. Essa ação é especialmente importante pois pessoas com deficiência visual não têm esse tipo de resposta, o que pode tornar interações com outras pessoas uma coisa mais complicada. 

2. Reconhecer cães perdidos

Prints da aplicação de  reconhecimento facial para animais, Finding Rover

Tudo bem que não é exatamente reconhecimento “facial”, mas o princípio de funcionamento é igual! O aplicativo Finding Rover utiliza reconhecimento do rosto de cães para ajudar a encontrá-los, comparando-os com imagens de animais encontrados ou que estão em abrigos. 

3. Pagamentos mais práticos!

Edifício Ant Financial

Uma companhia de serviços financeiros — ou fintech— chamada Ant Financial na China permite que pessoas paguem por coisas simples, como suas refeições, por meio do reconhecimento facial. As pessoas clientes podem escolher o prato que desejam por um menu virtual e depois utilizam o scanner para pagar com seu rosto. 

Reconhecimento facial é uma tecnologia que vem crescendo muito nas últimas décadas e que é esperado que cresça ainda mais nos próximos anos. Essa tecnologia é útil em todas as áreas, apresentando benefícios diversos para quem a utiliza. Apesar disso, ela não está isenta de polêmicas e erros, que devem ser levados em consideração e corrigidos o quanto antes. Adicionalmente, deve-se tomar cuidado e levar em consideração que toda nova tecnologia abre brechas para que pessoas má intencionadas apliquem golpes e fraudes. 

Se você gostou do nosso texto é porque possivelmente você adora saber sobre as novidades da tecnologia! Sendo assim, confira nosso texto sobre novas tecnologias que vão revolucionar o mercado! 

Deixe um comentário
You May Also Like