Com a evolução da tecnologia e da área de aprendizado de máquina em nosso cotidiano, é comum automatizarmos as tarefas de modo a economizar tempo e termos mais produtividade. Para isso, um dos conceitos que utilizamos é a robótica, uma área da tecnologia que vem crescendo nos últimos anos.

Contudo, essa área envolve, em grande parte dos casos, uma sequência de passos para os robôs seguirem e essa sequência seria a lógica de funcionamento deles, o que pode causar medo em pessoas que trabalhem na área de robótica, pois, uma instrução errada passada ao robô, poderá causar problemas sérios.

Com a robótica, o ser humano, além de aprimorar sua criatividade, também pensará de uma forma melhor, mais rápida e terá uma facilidade maior em organizar as suas ideias. Preparado para conferir mais sobre os mistérios por trás da robótica? Vamos nessa!

No artigo, vamos verificar: 

O que é robótica?

É o ramo da ciência que estuda os robôs. Quando você lê essa palavra, a primeira coisa que vem em sua mente são robôs, certo? Pois bem, a ideia da robótica é justamente essa mesmo e, no caso, robôs seriam aparatos feitos por seres humanos que são capazes de seguir uma instrução programada para realizar uma determinada tarefa. 

História da robótica: saiba tudo sobre o começo dessa ciência!

Conforme já verificamos, a palavra robótica é a ciência que cuida do desenvolvimento de robôs e pelas tecnologias existentes em máquinas, como a televisão, um aspirador de pó, etc. Mas, como ela surgiu?

O termo teve origem a partir de um livro “Eu, Robô”, escrito por Isaac Asimov. No caso, o livro foi publicado no ano de 1950. Nesse livro, o autor descreve três princípios fundamentais que a robótica tem, que serão explicados no decorrer desse texto. 

Contudo, se Asimov foi inventor da palavra robótica, a palavra robô já existia desde 1921, em uma peça escrita por um escritor checo chamado Karel Capek. No caso, essa peça abordava como eram os seres humanos de forma artificial. No caso, robô deriva-se de uma palavra checa “robota”, que seria uma espécie de escravidão e trabalho forçado. 

O ano que o primeiro robô industrial foi implementado na empresa General Motors foi em 1961, pelo estadunidense George Devol. O robô foi batizado de Unimate. Apesar desse robô ter sido implementado neste ano, ele foi criado originalmente sete anos antes, em 1954.

O peso do Unimate era quase de dois quilos e sua função era pregar partes de metal quentes e colar essas mesmas peças nos chassis dos automotivos produzidos na GM. Abaixo, vejamos uma foto de como era o robô Unimate:

Robô Unimate, utilizado pela GM em 1961.
Ultimate: primeiro robô industrial


O caso acima foi de um robô industrial. O primeiro robô humanoide, que possui similaridade com os humanos com relação à aparência do corpo, foi criado no ano de 1937, por uma empresa elétrica localizada em Ohio. Ele tinha o nome de Elektro e fazia funções iguais às de uma pessoa humana! Veja:

  • Fumava cigarros (sim!);
  • Realizava movimentos com as cabeças e os braços;
  • O Elektro dizia uma boa variedade de palavras; 
  • Ele também estourava balões sempre que necessário.

Seu peso era de 120 quilos e, tendo mais de dois metros de altura. Vejamos a seguir uma foto de como era esse robô humanoide: 

Exemplo de robótica, o robô humanoide Elektro

Vimos robôs industriais, humanoides. Existem outros tipos de robôs? Sim! Eles serão exibidos na seção seguinte. 

Quais os tipos de robôs?

   1) Robôs programados

Os robôs programados são aqueles programados para executar tarefas repetitivas e monótonas. Hoje em dia, como um exemplo, podemos ter os robôs programados para limpar uma sujeira caso um copo seja quebrado, por exemplo. Ao quebrar o copo, você chamará o robô e ele limpará a sujeira.

Pensando agora nas empresas, um braço mecânico em uma fábrica automotiva seria um exemplo, visto que ele somente insere determinada peça no motor, aperta um parafuso, etc., Ou seja, eles fazem tarefas que humanos consideram cansativas e repetitivas, que demorariam muito mais tempo utilizando mão de obra humana.  

   2) Robôs humanoides

Os robôs humanoides fazem movimentos similares aos humanos, como andar, pular, carregar objetos, etc. Muitas vezes, eles podem parecer até com um corpo humano, mesmo sendo robô. 

Um exemplo a ser apontado nesse caso seria exatamente o robô que Nino projeta no episódio do Castelo Rá-Tim-Bum, para limpar a sujeira do castelo. Nesse caso, ele consegue andar para mover objetos, segurar uma vassoura ou um espanador para retirar a sujeira, etc. 

   3) Robôs operados a distância

Os robôs nesse caso possuem uma conexão sem fio com seu operador para ele ser operado a uma distância segura. No caso, eles seriam considerados semi autônomos, por terem um controle a uma distância curta, que seja. 

Um exemplo a ser citado nesse caso seriam os drones em geral, visto que, quando um drone está em fase de testes, você precisa monitorar ele com uma conexão que seria um controle remoto. Com ele, você passará as instruções para seu drone executar a uma curta ou longa distância. 

   4) Robôs autônomos

Como o próprio nome sugere, esses robôs fazem as tarefas sem instruções programadas pelos humanos. Mas, como vou deixar um robô fazer algo sem programação? Simples. O uso desses tipos de robôs funcionam em ambientes abertos para justamente não necessitar de um humano supervisionar ele. 

Um exemplo de utilização desse tipo de robô seria na área da saúde, tendo bots especializados para agir em situações de perigo. Além disso, podemos ter robôs que possuem funcionamento similar a um cortador de grama, para aparar o excesso de plantas existentes em seu jardim, por exemplo, que seria um ambiente bem aberto para eles serem utilizados. 

   5) Robôs biônicos: (próteses, exoesqueletos, etc.)

Para esse caso, a robótica é utilizada para aumentar a capacidade que um humano tem em realizar tarefas ou, ainda, poder recuperar uma parte do corpo que uma pessoa, por alguma razão, teve seu braço amputado, por exemplo.

Um exemplo a ser citado para esse caso seria justamente a utilização de próteses para recuperar momentos em braços ou pernas para que a pessoa consiga caminhar em terra firme, consiga realizar exercícios com halteres, dentre outros. 

Isso abre um leque gigantesco para as pessoas que necessitam de suporte terem esperança que os movimentos possam ser recuperados com o passar do tempo, seja de qual parte do corpo for. 

Como está a evolução da robótica até agora?

No caso, a robótica está tendo um avanço muito grande em diversas áreas existentes em nosso cotidiano. São elas: 

  • Fisioterapia;
  • Fábrica automotiva;
  • Medicina;
  • Indústrias de modo geral;
  • Programação – tecnologia da informação.

Como, atualmente, as empresas estão buscando diminuir erros e ter uma economia de tempo na realização de suas tarefas, a robótica é essencial para que esses dois tópicos ocorram de forma simplificada. 

Na área das ciências da saúde, como a Medicina e a Fisioterapia, em casos que as pessoas ocorram acidentes com perdas significativas nos movimentos de seu corpo, com a robótica, esses movimentos podem ser recuperados com a construção de próteses. Além do traje robótico utilizado, os robôs podem ser monitorados por equipes médicas a distância para a realização de cirurgias em pacientes.

No entanto, como vamos ter certeza de que o robô não trocará um bisturi por outro equipamento cirúrgico? Não se preocupe, pois, a chance de erro nesses casos é muito baixa, pois o robô está programado para fazer os procedimentos cirúrgicos com exatidão.

Já na área de tecnologia da informação, como vimos, a robótica aprimora o raciocínio lógico, estimulando jovens a resolverem problemas e aprimorarem a sua criatividade, além de organizarem os pensamentos de forma simples. 

Qual a importância da robótica na vida do ser humano e no desenvolvimento? 

Como a robótica envolve conceitos de lógica de programação para construir as instruções do robô, a habilidade de raciocínio lógico é a principal habilidade desenvolvida na robótica. Como a área de programação é uma área de resolução de problemas, isso estimulará as pessoas a buscarem as melhores análises e soluções a eles. A criatividade, com isso, é aprimorada também.

Além disso, outras habilidades são trabalhadas com o estudo da robótica, como, por exemplo, o trabalho em equipe. Hoje em dia, é fundamental sabermos algumas boas práticas de trabalho em grupo, como comunicação e gerenciamento de tempo.


Por fim, habilidades como foco e persistência são aprimoradas da mesma forma, pois estimulam você a ficar focado na resolução de um bug, por exemplo. Ou seja, com a robótica, grande parte das soft skills (habilidades que não envolvem conceitos técnicos), são melhoradas com seu estudo, o que auxilia muito na vida de qualquer pessoa que trabalhe com tecnologia de informação

5 exemplos de aplicação da robótica no dia a dia!

Vamos verificar alguns exemplos de robótica presente em nosso dia a dia:

1) O primeiro deles seria quando utilizamos meios de transporte motorizados. Em supermercados grandes, para pessoas colaboradoras não se movimentarem em um longo espaço causando cansaço, utilizam uniciclos elétricos: 

Uniciclos: exemplos de robótica no dia a dia

2) Em geladeiras, também está presente o uso da robótica, pois é movido por energia e possui um motor para seu funcionamento;

3) Da mesma forma, a televisão também utiliza a robótica para seu funcionamento, devido a utilizar energia elétrica;


4) Assim sendo, os computadores movidos a tomadas, por precisarem de energia elétrica, também utilizam robótica para seu funcionamento;

5) O robô da Amazon, Alexa, é um robô com instruções nele a serem seguidas.

Quais as três leis da robótica do livro “Eu, robô”

Neste livro, estão listadas três leis fundamentais da robótica. São elas:

  1. Robôs não podem permitir que um ser humano ature algum sofrimento. Da mesma forma, robôs não podem machucar humanos em hipótese alguma. 
  2. As instruções dos humanos devem ser executadas pelos robôs. As exceções seriam as instruções que conflitam com o primeiro mandamento;
  3. A existência do robô deve ser protegida, caso a sua existência não conflite com os mandamentos anteriores. 

Ou seja, em resumo, um robô não pode machucar as pessoas, obedecer às ordens programadas pelos desenvolvedores ou desenvolvedoras e, sua integridade deve ser protegida por si próprio. 

Quais as vantagens e desvantagens da robótica?

Vejamos agora, na tabela a seguir, as vantagens e as desvantagens que a robótica possui: 

VantagensDesvantagens
Auxilia na criatividade;
Organização das ideias;
Produtividade maior;
Processos automatizados;
Redução drástica de falhas humanas no processo.
Como os robôs podem substituir os humanos, isso geraria um desemprego;

O que é a robótica educacional e para que serve?

A robótica educacional seria um processo de aprendizagem que usa materiais recicláveis para construção de robôs. Mas, a construção dele não é a parte mais importante do processo. Além dela, é necessário que o robô saiba receber comandos e executá-los de forma correta. 

O principal objetivo do aprendizado da robótica educacional seria a formação de alunos que tenham mais iniciativa no processo de aprendizado, pois, aprendendo essa metodologia, matérias consideradas difíceis por grande parte das pessoas (Física e Matemática) terão seu estudo simplificado. 

Qual a importância da robótica na aprendizagem?

A robótica, ao ser incluída nas escolas, traz alguns benefícios, como, por exemplo:

  • Auxilia na criatividade dos alunos;
  • Melhora o raciocínio lógico de estudantes para resolverem problemas matemáticos;
  • Poderá ser incluído o aprendizado em robótica em seu currículo futuramente, sendo um diferencial;
  • Auxilia no desenvolvimento de tarefas realizadas em equipes;


Ao juntarmos os tópicos acima, teremos como resultado principal a melhora do desempenho escolar que o aluno ou aluna possa ter. 

Quais as diferenças entre robótica e inteligência artificial?

É importante dizer que, são duas áreas que são bem distintas. Enquanto a robótica é focada na construção de robôs programáveis, que funcionam através de sensores, a inteligência artificial é uma área da programação que consiste na criação de programas para finalizar tarefas.

No caso, os mecanismos de inteligência artificial são utilizados em motores de busca, como o Google, em sistemas de recomendações de lojas virtuais e, grande parte dos programas desenvolvidos utilizando a IA não são utilizados para fazer a programação do funcionamento dos robôs. 

Como trabalhar com robótica? Qual curso fazer e qual o perfil desse profissional!

Para um profissional que deseja trabalhar com robótica, ter uma formação acadêmica em um dos cursos a seguir é importante. Os cursos, em sua maioria, são cursos direcionados para áreas de engenharia.

Vejamos os cursos: 

  • Engenharia elétrica: como vimos, todos os aparelhos domésticos que usam energia elétrica, como uma geladeira, precisam da robótica. Ou seja, é fundamental saber como a energia é conduzida entre os circuitos dos robôs;
  • Engenharia mecânica: nessa área, você aprenderá como os sistemas térmicos de máquinas em execução, permitindo que a pessoa profissional trabalhe com operações envolvendo temperaturas e que sejam termodinâmicas;
  • Engenharia de produção: essa área auxiliaria a pessoa profissional a construir robôs de forma que ele utilize a menor quantidade de recursos possíveis;
  • Engenharia biomédica: nesse caso, temos uma área que junta um pouco das ciências exatas com as da saúde, visto que, a área da saúde é uma das mais aquecidas no mercado que utiliza robótica no tratamento de pacientes;
  • Tecnologia da informação: aqui, a pessoa aprende a lógica de programação para construir sistemas de alto desempenho, como funcionam os bancos de dados, as redes e suas administrações. 

O perfil de uma pessoa profissional que queira trabalhar com robótica precisa estar em atualização constante dos seus conhecimentos conforme a tecnologia se atualiza, desenvolver uma rede de networking para trocar experiências e afins e, as soft skills, que seriam habilidades comportamentais, precisam ser aprimoradas com o passar do tempo.

Como está o mercado de trabalho e a média salarial na área de robótica?

A média salarial para pessoas que desejam trabalhar com robótica está em torno de dois mil a seis mil reais, para um técnico em mecatrônica que trabalhe com robótica. Com relação ao mercado de trabalho, existem várias vagas disponíveis para esse segmento, visto que as empresas estão optando cada vez mais pelos processos feitos com robôs. 

À medida que você gera empregos com a robótica, você poderá gerar desemprego com vagas humanas envolvidas no processo, pois a tendência é que um robô substitua um humano para realizar as mesmas tarefas. Contudo, um robô poderá operar em tarefas cansativas que gerariam uma fadiga muito grande à pessoa em questão. 

Muito bacana essa área de robótica não acha? Ela é uma área em crescimento atualmente e tem uma grande quantidade de vagas abertas. Ela diverge da inteligência artificial por robôs serem movidos a sensores e com instruções programadas. E, a robótica estimula o aperfeiçoamento do trabalho em equipe e do raciocínio lógico. 

Além disso, a robótica é uma excelente área para quem gosta de desafios, resolução de problemas, pois, com o seu aprendizado, podemos aperfeiçoar processos repetitivos em empresas e simplificar eles, ocasionando uma produtividade maior para a mesa, além de uma economia de tempo significativa.

Para aprofundar o seu conhecimento nessa área, confira como a robótica participa do tratamento de crianças hospitalizadas.

12 Shares:
Deixe um comentário
Você também pode gostar