A transição de carreira exige muita paciência e determinação, pois, assim como toda e qualquer transição, o período de adaptação pode representar um grande desafio. Uma das etapas mais importantes desse processo é a formulação de um currículo para transição de carreira.

Essa etapa é primordial, pois o mercado de trabalho dificilmente está voltado à pessoas que desejam realizar essa mudança. Logo, o currículo é mais uma ferramenta valiosa para garantir que esse processo seja bem sucedido.

Abaixo, você vai conferir todas as informações necessárias sobre esse tópico, assim como um guia completo de confeccionar um currículo para essa ocasião. Confira:

Boa leitura!

Por que é necessário um novo currículo para transição de carreira?

O motivo para você precisar de um novo currículo ao decidir fazer transição de carreira é que, a depender da diferença entre as áreas entre as quais você está transitando, pode ser que a experiência e as habilidades não sejam tão atraentes e interessantes para o novo segmento do mercado de trabalho.

Infelizmente, quando empresas pensam em pessoas para compor seus cargos, muitas vezes elas buscam primeiramente pessoas que já estão inseridas em determinada carreira. Isso faz com que haja pouco espaço para quem está realizando esse tipo de transição.

Logo, o currículo deve ser pensando para conseguir evitar esse obstáculo e garantir que você avance pelo processo seletivo. No entanto, não se preocupe! Vamos ensinar a você como fazer um currículo para transição de carreiras adequado para assegurar que você tenha uma chance de conseguir a vaga que deseja.

5 passos para fazer um currículo para transição de carreira

Muito bem! Com todas as informações, certificações e experiências reunidas, você pode sentar em frente ao seu computador ou dispositivo móvel para confeccionar seu novo currículo! Abaixo, você encontrará o passo a passo de como fazer isso!

PASSO 1. Decida o que é possível manter do seu currículo original

Sabemos que precisamos de um currículo novo. Porém, isso não significa que você tenha que descartar todo o trabalho que já tenha feito em seu currículo anteriormente. Logo, dê uma última olhada em seu antigo currículo e veja se você quer manter alguma coisa.

  • DICA: pense em como as informações que já estão presentes poderão ser úteis. Então, por exemplo, pensemos em línguas estrangeiras, como inglês. Essa habilidade técnica é essencial para muitas das inúmeras carreiras do mercado. Logo, manter essa informação pode ser uma boa ideia.

PASSO 2. Trabalhe (muito bem) o seu objetivo profissional

O Objetivo Profissional é aquele primeiro campo que introduz seu currículo, ou seja, ele é uma das primeiras coisas que as pessoas recrutadoras verão ao analisá-lo. Por conta disso, ele deve ser chamativo, conter boas palavras-chaves e, acima de tudo, conter brevemente o motivo pelo qual você decidiu mudar de área.

  • DICA: Coloque algumas habilidades profissionais que você adquiriu ao longo da sua formação e diga brevemente como isso pode lhe ajudar na nova área.

Por exemplo, vamos supor que uma pessoa que era da área de Marketing e decide se tornar programadora. Ela poderia fazer um objetivo profissional semelhante ao a seguir:

Construir uma carreira na área de desenvolvimento de software utilizando como base todas as minhas habilidades de organização, comunicação e trabalho em equipe adquiridas em experiências prévias a partir da exploração da multidisciplinaridade de outras áreas.

Perceba que as soft skills para programação “organização”, “comunicação” e “trabalho em equipe” foram utilizadas como palavras-chaves, juntamente com a exposição de que o fato de que essa pessoa veio de outra área é o que contribuirá para um desenvolvimento mais amplo.

PASSO 3. Reconstrua o campo de experiências prévias

É certo que suas experiências anteriores não serão tão interessantes quanto se você ainda estivesse em uma área próxima a elas. Agora, a depender de qual o grau da sua mudança de área, pode ser que elas não tenham nenhuma conexão aparente. Um exemplo seria uma pessoa médica que decide se tornar advogada. Provavelmente os anos passados em hospitais não ajudariam muito em um tribunal.

No entanto, isso não significa que ainda não podemos usar isso em nosso favor. A diferença é que não queremos que a pessoa recrutadora se demore nesse ponto, pois sabemos que não é essa parte que realmente fará com que consigamos a entrevista de emprego.

  • DICA: Para construir esse ponto, você pode pensar que isso será apenas um adicional. Isso significa que isso demonstrará que você tem habilidades multidisciplinares que poderão ser úteis. Para tanto, você pode inclusive considerar renomear esse campo para algo mais apropriado, como “experiências prévias transdisciplinares”.

Procure adicionar uma estrutura diferenciada. Ao invés de descrever suas atividades, escolha três habilidades (técnicas ou interpessoais) que você desenvolveu durante aquela determinada experiência. No nosso exemplo da pessoa médica-advogada, por exemplo, ela poderia fazer:

Hospital XX (Cidade YY) – Médica
Habilidades adquiridas:
-Trabalho em equipe com time diversificado e dinâmico;
-Tomada de decisão;
-Raciocínio Lógico

PASSO 4. Coloque o foco nas suas novas conquistas

“Mas eu estou em transição de carreira, ainda não tenho nenhuma experiência profissional!”

De fato, esse é um dos grandes desafios da transição de carreira. Até o momento de conseguir o primeiro emprego na área nova, você precisará de resiliência, dedicação e muita paciência. E, no caso, o seu currículo precisa demonstrar isso.

Quando estamos tentando conseguir um emprego sem experiência, seja porque é nosso primeiro emprego ou porque estamos em transição de carreira, qualquer experiência conta.

  • DICA: Caso você ainda não tenha muito material e estiver sentindo pouca confiança no que tem, procure buscar outras formas de conseguir experiência. Caso sua nova área escolhida seja programação, design, escrita criativa, copywriting, jornalismo, fotografia, arte e afins, você pode montar um portfólio com trabalhos e projetos inventados. Isso mesmo! Demonstre o que você é capaz de fazer mesmo que ninguém tenha contratado você ainda!

Esse campo deve ser o que mais deve brilhar em seu currículo. De preferência, demonstre como seus trabalhos, workshops, bootcamps, freelances, entre outros, contribuíram para o seu crescimento profissional.

Coloque todo e qualquer certificado que tiver na nova área, mesmo que seja somente um curso rápido online. Como dissemos, nesse momento, qualquer experiência conta!

PASSO 5. Não se esqueça das atividades extracurriculares

As atividades extracurriculares são aquelas que não contam exatamente como experiência profissional mas ajudam a demonstrar um pouco da sua personalidade. Se enquadram nessa opção cursos de línguas ou de habilidades gerais (como Word, Excel), intercâmbios, trabalhos voluntários, cursos de extensões, etc.

Por mais que pareça que as atividades extracurriculares não mudem de uma área para a outra (afinal, elas devem ajudar a compor qualquer currículo, independentemente da área), você deve checar duas coisas principais:

1. Se a presença delas ajuda na compreensão do seu novo currículo;

2. Se as habilidades que elas evidenciam ainda servem para o novo cargo;

Por exemplo, uma experiência em um grupo de teatro evidenciando a habilidade de falar na frente de uma audiência pode ser não mais tão útil para um emprego de desenvolvimento de software. Porém, o trabalho em equipe e a resolução de problemas rapidamente que ela proporciona pode chamar mais atenção.

Pensando nesse mesmo caso, de uma vaga na área de desenvolvimento, a participação em uma conferência muito específica em outra área pode não fazer muito sentido estar presente.

Exemplo de currículo para transição de carreira!

Após acompanhar o passo a passo anteriormente, você deve estar se perguntando como estruturar esse currículo. Pensando nisso, a seguir, demonstraremos um exemplo de currículo para que você possa se inspirar e criar o seu com a sua cara!

Primeiramente, uma estrutura recomendada de um currículo para transição de carreira é:

  • Nome e informações de contato;
  • Objetivo Profissional;
  • Habilidades Técnicas/ Interpessoais;
  • Cursos/ Certificados
  • Experiências profissionais;
  • Educação formal (graduação, ensino médio, etc.)
  • Experiências prévias de outras áreas;
  • Idiomas (opcional)
  • Habilidades Extracurriculares;

Lembrando que essas informações devem ser bem sucintas e bem organizadas para que não ocupem muito espaço. Um currículo adequado é aquele que não ultrapassa 2 páginas de extensão.

Dê uma olhada em um exemplo básico:

currículo para transição de carreira exemplo 1
Currículo para transição de carreira exemplo 2

Caso você queira fazer o seu próprio personalizando essa estrutura, você pode realizar o download do modelo a seguir:

Como usar Storytelling para tornar seu currículo para transição de carreira atraente?

Storytelling é um conjunto de técnicas envolvendo a criação de narrativas instigantes e a contação de histórias. Essa habilidade é uma das poucas que são pertinentes para qualquer ramo que você se encontre, afinal, dificilmente uma boa história não será bem-vinda onde quer que seja contada.

Por conta disso, caso você consiga, utilizar um pouco de Storytelling na construção de seu currículo pode ajudar com que a pessoa recrutadora entenda quem você é logo de cara e compreenda todo o processo pelo qual você passou, incluindo os motivos para a transição de carreira. Além disso criar profundidade, ainda existe uma chance de tornar seu currículo memorável em meio a tantos outros.

Porém, como podemos contar uma história sem exatamente estruturar uma narrativa formal como conhecemos? Essa não é uma tarefa fácil, mas, abaixo, deixaremos algumas dicas para que você possa tentar.

1. Conte sua história

Primeiro de tudo, você precisa ter bastante consciência da narrativa que você vai contar. Logo, você pode escrever sua história. Abra seu editor de texto preferido ou, caso você seja mais tradicional, abra seu caderno e pegue uma caneta. Conte sua história com detalhes desde o momento em que você começou sua carreira, até o ponto em que você decidiu realizar a transição. Tente explicitar como você se sentiu em cada ponto e quais foram os motivos para isso acontecer.

Ao final, leia e performe para si sua história. É importante que você tenha ela bem compreendida para que você consiga traduzi-la em formato de um currículo para transição de carreira mais tarde.

2. Identifique quais aspectos curriculares comprovam sua narrativa

Pode ser que você se sentiu confortável em uma área diferente quando, por convite de alguém, compareceu a um evento sobre o assunto. Ou, você realizou algum curso ou treinamento que mudou sua forma de pensar.


Se houver alguma informação que ajude a contar a história que você escreveu, ela deve obrigatoriamente estar presente em seu currículo, mesmo que seja algo pequeno e aparentemente não tão significante.

3. Utilize o campo de objetivo profissional ao seu favor

O campo de objetivo profissional é o campo mais subjetivo do seu currículo. Isso significa que você tem uma liberdade um pouco maior para trabalhá-lo com sentenças mais longas e significativas. Portanto, realize o exercício de procurar a resposta para a seguinte pergunta:

Como posso dar dicas do meu processo de transição de carreira em meu objetivo profissional?”

Esse é um desafio e tanto, pois você tem cerca de três ou quatro linhas para contar essa história. A ideia é que você dê pequenas indicações das razões pelo qual você mudou de carreira, para que a pessoa recrutadora consiga deduzir o restante da história.

Vamos a um exemplo:

Uma pessoa da área artística deseja começar uma nova carreira na área de tecnologia. Essa pessoa tem diversas experiências com atuação, pintura e desenho e agora deseja desenvolver softwares. O motivo para ela querer mudar de emprego foi porque ela percebeu que conseguiria colocar muitas de suas ideias em práticas com as ferramentas de programação. Adicionalmente, tecnologia sempre foi um tema muito presente em sua vida. Podemos trabalhar isso da seguinte forma.

OBJETIVO PROFISSIONAL
Canalizar toda a essência artística, a criatividade e o desejo de inovação na construção de soluções tecnológicas disruptivas que ajudarão a facilitar o cotidiano de pessoas e organizações.

Esse objetivo profissional, somado às atividades extracurriculares e experiências prévias de outras áreas contarão exatamente a história que queremos contar. Adicionalmente, a empresa pode inferir que a pessoa candidata reconhece em seu produto e atuação no mercado o potencial de transformação e inovação.

4. Procure rigorosamente por contradições

Uma história tem a mesma função de um show de mágica: ambas querem levar as pessoas a sentirem algo, simulando uma emoção enquanto direciona sua atenção para determinados pontos.

Em um show de mágica, se uma pessoa consegue enxergar um fio solto ou qualquer evidência de que aquilo é uma farsa, o encanto se perde. Na narrativa, a mesma coisa acontece se a pessoa encontrar uma contradição na sua história, pois, dessa forma, ela se tornará inverossímil.

Por conta disso, veja se no seu currículo não tem nenhuma atividade que possa contradizer algum ponto que você destacou no objetivo profissional ou no restante do currículo. Caso você tenha um portfólio (onde há maior liberdade para contar sua história), pense de maneira ampla e considere que tanto ele quanto seu currículo devem estar contando a mesma história.

Como colocar no currículo uma transição de carreira para a área de Tecnologia?

Com a popularidade da área de TI aumentando nos últimos anos, a explosão de empresas que precisaram migrar seus serviços para o sistema remoto após a pandemia, a demanda por pessoas profissionais capacitadas e os altos salários, diversas pessoas estão considerando mudar ou adaptar seus currículos para uma transição de carreira para tentar uma vaga nessa área.

Essa ideia é ainda mais aprazível quando as pessoas descobrem que essa é uma das áreas que melhor recepciona pessoas que estão vindo das demais. Afinal de contas, basta você ser competente e ter a formação técnica necessária para ocupar determinada vaga, não importando quanto tempo você tenha de carreira.

Portanto, como posso colocar no meu currículo que estou mudando para a área de Tecnologia?

O que mais interessa para as pessoas recrutadora da área de TI são suas habilidades técnicas e interpessoais. Logo, você deve dar maior atenção e foco para certificações que comprovem que você tem as habilidades necessárias.

Logo, é importante deixar exposto trabalhos que você fez, quais eventos você já participou e quais cursos você fez.

Onde posso encontrar experiência na área de Tecnologia para colocar no meu currículo?

Existem diversas formas de conseguir as habilidades necessárias e se aperfeiçoar para tornar seu currículo adequado para a área de TI.

Primeiramente, existem os cursos de graduação da área de TI. Eles fornecerão todo o conhecimento necessário para a área, assim como um conhecimento teórico expressivo. O único lado que pode dificultar é a duração do curso. Para uma transição de carreira, o tempo de 4 a 5 anos de preparação pode acabar sendo um obstáculo.

Por outro lado, há diversos cursos online disponíveis em diversas plataformas que são diretamente o que você necessita para trabalhar na área. Apesar de sua objetividade, facilidade e eficiência, o ponto ruim é que eles são bem distintos e podem conferir um conhecimento pouco estruturado e guiado, o que pode levar a uma maior dificuldade de organização do conhecimento.

Ainda, você pode tentar escolas de programação que oferecem formações completas para a área. Um exemplo é a Trybe, que oferece uma formação completa na área de desenvolvimento em 12 meses, na qual você já sai com qualificação suficiente para o mercado de trabalho. Um dos diferenciais dessa opção é que além de desenvolver as habilidades técnicas, você ainda desenvolve as soft skills necessárias para a área. Essa formação em particular oferece um método de investimento que permite que você somente pague por ela quando estiver trabalhando e recebendo uma remuneração mínima.

BÔNUS: Como explicar para a pessoa recrutadora a transição de carreira?

Vamos supor que tudo deu muito certo com a construção de seu currículo e que, a partir dele, você conseguiu uma entrevista de emprego!

Nesse caso, o que fazer? A entrevista de emprego muda por conta de você estar em transição de carreira?

Muitas vezes sim. O intuito de uma entrevista de emprego é ajudar a pessoa recrutadora a entender melhor quem você é e se você será um bom encaixe para a equipe. Adicionalmente, a equipe de recrutamento é orientada a não correr certos riscos. Então, em casos de transição de carreira, é bem possível que a pessoa traga esse assunto para a entrevista para ter certeza de que você está confiante nessa decisão e não acabará se arrependendo e deixando a empresa prejudicada futuramente.

Mais uma vez, você poderá contar com o Storytelling para ajudar você nesse ponto. Lembra da história que você contou para ser o plano de fundo da construção do seu currículo? Você pode utilizá-la mais uma vez para quando esse assunto surgir na entrevista de emprego.

Com a ajuda dessa técnica, você será capaz de fazer a pessoa entrevistadora compreender seu ponto de vista e entender que contratar você pode acabar sendo uma vantagem.

Lembramos somente que sua história deve ser completamente coerente com as habilidades e atividades que você apresentou em seu currículo.

Se você chegou até aqui, é bem capaz que você tenha tirado todas suas dúvidas em relação à como montar um currículo para transição de carreira. No entanto, sabemos que existem diversos casos específicos e talvez nem todos se encaixem nas possibilidades que demos aqui. Por isso, você deve utilizar esses conhecimentos e conselhos, adaptando-os a sua situação em específico.

Ah, e se você ainda tem algumas dúvidas sobre como fazer currículos, você pode conferir esse nosso artigo com outros 10 modelos para você se basear!

Você também pode gostar