Embora o setor de tecnologia demande profissionais com habilidades técnicas, as soft skills estão ganhando cada vez mais relevância no processo de recrutamento, conforme indica uma pesquisa realizada no Reino Unido.

O estudo foi feito pela companhia de recrutamento Robert Half a partir de entrevistas conduzidas com mais de 300 líderes seniores, incluindo CEOs, CFOs, CTOs e CIOs de grandes organizações, assim como de empresas de pequeno e médio porte. 

Para o ano de 2022, cerca de um terço dos profissionais de tecnologia em cargos de liderança pretendem recrutar candidatos para novas posições. Parte dessa demanda foi impulsionada pela pandemia de Covid-19, que forçou empresas, escolas e organizações a se adaptarem ao ambiente online. 

Com isso, cresceu a demanda por desenvolvedores front-end especificamente, segundo a pesquisa. Com a interrupção das atividades presenciais, esses profissionais ficaram responsáveis por auxiliar os negócios a continuarem operando digitalmente. 

Consequentemente, isso também gerou grandes volumes de dados, impulsionando a demanda por cientistas, analistas e engenheiros de dados

Já o trabalho remoto resultou em um aumento na busca por profissionais de TI com especialidade em apoio remoto e em ferramentas de colaboração virtual.

Enquanto o mercado apresenta uma série de oportunidades, 56% dos executivos, por outro lado, acreditam que agora será mais difícil encontrar candidatos qualificados em relação ao período pré-pandemia

Aumenta a demanda por soft skills 

De acordo com a pesquisa realizada pela Robert Half, recrutadores esperam que os candidatos ofereçam habilidades híbridas. Isso significa uma combinação de hard skills, que refere-se aos conhecimentos técnicos, e soft skills, que são as competências relacionadas ao comportamento profissional. 

Entre os entrevistados, 34% dos CIOs afirmaram que a maioria dos candidatos não apresenta as soft skills necessárias. Com as mudanças constantes e aceleradas que são características do setor, alguns dos requisitos mais buscados são a habilidade de se adaptar e rápido aprendizado. 

Um grupo de pessoas em uma mesa de trabalho.

Já em relação às soft skills que estão sendo cada vez mais valorizadas, o estudo lista as capacidades de negociação e de comunicação, sendo que o gerenciamento de relações com stakeholders e competências interpessoais são as mais difíceis de encontrar em candidatos. 

O estudo ainda classifica os dados relacionados às competências em duas categorias: habilidades difíceis de encontrar e soft skills em demanda. 

No primeiro caso, a lista inclui adaptabilidade, segurança da informação, resolução de problemas, gerenciamento de relações com stakeholders e habilidades interpessoais.

Já as soft skills que estão em alta incluem resiliência, comunicação, adaptabilidade, gerenciamento de projetos e perspicácia para negócios

Desafios para 2022

Além dos desafios de recrutamento, as empresas de tecnologia também estão atentas a outras áreas que deverão ser priorizadas em 2022. Segundo a pesquisa, 28% dos CIOs citaram “aprimorar a segurança e proteção dos dados” como sua estratégia principal para o próximo ano

Em segundo lugar, com 24% dos entrevistados listando como prioridade, estão os projetos e iniciativas de computação em nuvem, o que significa que a demanda por profissionais de cibersegurança permanecerá em alta. 

Também empatados em segundo lugar com 24%, ficaram a “inovação e investimentos em novas tecnologias” e “incorporar capacidades 5G na estratégia de TI”. 

Por fim, outras prioridades citadas pelos entrevistados incluem “automação para impulsionar a produtividade ou reduzir custos” (19%), “iniciativas e projetos de transformação” (17%), DevOps (16%) e “análises de armazenamento de dados” (15%).

Deixe um comentário
Você também pode gostar