A criação do ALM está estreitamente ligada a um dos grandes desafios do desenvolvimento de software. Isso porque, durante muito tempo, a integração das diversas operações envolvidas no ciclo de vida de uma aplicação era uma tarefa complexa e haviam poucas ferramentas para facilitar todo esse processo.

Afinal, desde o momento do esboço de um software até a sua retirada do mercado, existe uma infinidade de tecnologias, pessoas, práticas e processos que precisam ser gerenciados. Sem um gerenciamento eficaz de todos esses itens, a qualidade e conformidade do software podem ser comprometidas.

Fora isso, toda essa complexidade eleva o tempo de desenvolvimento e dificulta o alinhamento entre as equipes responsáveis por cada etapa do ciclo de vida da aplicação.

Quer descobrir como o ALM auxilia a resolver esses desafios? Então, veja o que preparamos para este post:

Fique conosco e tenha uma boa leitura!

O que é o ALM

A sigla ALM refere-se a um método usado para gerenciar o desenvolvimento de softwares conhecido como Application Lifecycle Management, ou, em português, Gerenciamento do Ciclo de Vida de Aplicações. Trata-se de um processo de governança que une elementos da engenharia de software e da gerência de negócios.

Seguindo essa premissa, o ALM é baseado em três pilares essenciais: pessoas, processos e tecnologia. Isso significa que, para que o projeto corra conforme o esperado e obtenha sucesso, é preciso garantir que esses três princípios estejam perfeitamente integrados.

Afinal, processos ineficazes, tecnologias inadequadas ou pessoas descomprometidas certamente prejudicarão todo o ciclo de desenvolvimento do software, resultando em entregas de baixa qualidade.

Dessa forma, a abordagem do ALM considera toda a vida útil de uma aplicação. Ou seja, por meio dele, todas as ferramentas e processos envolvidos nas diversas fases da criação de um sistema — desde o planejamento até a entrega e manutenção — são integradas e monitoradas com mais eficiência.

Como funciona o ALM: 6 etapas do desenvolvimento de software

O ALM garante que as etapas do ciclo de vida de um software sejam abrangidas por um único processo. Com isso, é possível aplicar um trabalho contínuo, que viabiliza a melhoria da integração entre pessoas, ferramentas e procedimentos. Abaixo, explicamos brevemente as fases incluídas nesse ciclo. Veja!

Planejamento

A etapa de planejamento é o momento em que conseguimos uma visão inicial do software que será implementado. Nela, especificamos a finalidade do sistema, relacionando-o com as necessidades e objetivos do negócio

A partir dessa ideia geral, é possível avaliar a viabilidade do projeto, identificar as restrições e riscos envolvidos, levantar as alternativas de implementação e definir quais recursos serão necessários para que tudo seja feito. 

Definição de requisitos

Nessa etapa, a visão inicial do sistema é refinada por meio da análise de requisitos. Para isso, as partes interessadas na aplicação se reúnem para analisar como o software deve dar suporte aos casos de negócio

Já com as necessidades levantadas, podemos definir as funcionalidades que o sistema deverá fornecer, sempre levando em consideração os recursos, alternativas e restrições encontradas na fase de planejamento.

Design ou modelagem

A partir da modelagem do sistema o projeto começa a tomar uma forma mais “concreta”. Afinal, nesse momento, utilizamos a linguagem de notação UML e seus diagramas para criar modelos capazes de explicar as características, estruturas e comportamentos do software.

Essa atividade é essencial para documentar, simplificar e unificar a visão do sistema, garantindo que todas as partes envolvidas no desenvolvimento estejam alinhadas. É nessa etapa que diagramas de classe, de casos de uso e de componentes, por exemplo, são criados.

Desenvolvimento

Nessa etapa é que se iniciam os trabalhos de programação. Ou seja, as pessoas responsáveis pelo desenvolvimento do software transformam os requisitos e funcionalidades levantadas em código.

Várias metodologias de desenvolvimento podem ser aplicadas durante essa fase, incluindo as famosas metodologias ágeis. A aplicação de testes unitários também pode ser abrangida por essa etapa.

Testes de qualidade 

Já com o sistema desenvolvido, é chegada a hora de avaliar a conformidade do software. Ou seja, se ele atende aos requisitos especificados nas fases iniciais do projeto e se apresenta um bom funcionamento.

Para isso são aplicados testes mais amplos que verificam a integração do sistema com outros componentes e se existem bugs que devem ser corrigidos pela equipe de desenvolvimento.

Implantação

Quando o sistema atinge os níveis de qualidade e estabilidade desejados, as etapas de desenvolvimento e teste são finalizadas e o software pode ser disponibilizado. Ademais, essa fase vai variar de acordo com o tipo de produto que foi desenvolvido.

Um sistema do tipo SaaS (Software as a Service), por exemplo, deve ser implantado no servidor interno da organização.

Como o ALM acompanha todo o ciclo de vida do software, há ainda a fase de manutenção do sistema, que dura até o momento em que a aplicação é retirada do mercado e visa a melhoria e correção contínua da solução.

Quais são as vantagens de usar o ALM

O ALM garante a integração entre as diferentes etapas e ferramentas utilizadas no desenvolvimento de software e, por consequência, gera diversas vantagens para o projeto, como:

  • conformidade com as necessidades levantadas;
  • maior produtividade;
  • entregas de maior qualidade;
  • implantações mais rápidas e com menos problemas;
  • melhor interatividade entre as equipes;
  • mais facilidade para a aplicação dos métodos ágeis;
  • agilidade nos processos;
  • melhor alinhamento entre o software e os objetivos do negócio;
  • menos gastos com manutenção do sistema;
  • maior visibilidade dos fluxos de trabalho.

Agora você já sabe o que é o ALM, quais são as fases incluídas no seu ciclo de desenvolvimento e quais vantagens ele traz para o projeto. No entanto, vale ressaltar que a aplicação desse método deve ser feita com zelo e cautela. Afinal, é essencial entender e respeitar todos os processos e etapas que ele engloba para atingir o resultado esperado.

Gostou do artigo? Então, aproveite a visita ao nosso blog para aprofundar seus conhecimentos e descubra o que é e como funciona o RAD — um importante método de desenvolvimento de software!

0 Shares:
Você também pode gostar