Existem pessoas que, por mais que sejam bem-sucedidas e capacitadas, se sentem mal com o próprio desempenho. É quase como se o fruto de seus esforços fosse na verdade gerado por outros fatores, como a sorte ou a influência de amizades de destaque econômico ou social. Este estado conhecido como síndrome do impostor é uma condição que, embora não seja considerada uma doença psicológica, gera muito sofrimentos às pessoas acometidas por ela.

Uma vez que essa condição é extremamente comum, desenvolvemos esse conteúdo para explicar a você o que ela é, e para apresentar alguns sinais que podem indicá-la. Continue a leitura e descubra:

O que é síndrome do impostor

De um modo mais simples, podemos dizer que a síndrome do impostor é uma forte sensação de incompatibilidade que leva as pessoas que sofrem dela a desconsiderar as próprias qualidades, considerando-se farsas ou impostoras.

Como as pessoas que sofrem com esse problema têm grande dificuldade em acreditar em suas habilidades, elas começam a se esforçar de um modo intenso e nada saudável para atender às expectativas que só existem em sua mente.

Via de regra, esse quadro costuma acometer pessoas que atuam em posições altamente competitivas, em que o desempenho costuma ser medido e cobrado. Como exemplos desse tipo de atividade, podemos citar a gestão de empresas, a venda de produtos e até mesmo a tarefa de estudar em escolas e universidades.

Embora a síndrome do impostor não seja considerada uma doença psicológica, como dito anteriormente, as pessoas que precisam lidar com ela costumam sofrer constantemente com a sensação de que serão desmascaradas e julgadas, perdendo assim a sua posição. Tal quadro tende a acarretar problemas graves de estresse e ansiedade, podendo desencadear outros problemas e doenças.

5 tipos de síndromes do impostor

Outro ponto interessante a respeito da síndrome do impostor é que ela pode ser divida em 5 tipos diferentes. Continue a leitura e conheça suas características!

1. Perfeccionista

Quando começamos um projeto, é natural que busquemos sempre pelos melhores resultados. Tal sentimento não é ruim! O problema só ocorre quando a busca pelo resultado ideal começa a nos consumir, fazendo com que dediquemos mais tempo e esforço do que é recomendado.

A pessoa que sofre com a síndrome do impostor do tipo perfeccionista não lida bem com as pequenas falhas e erros que surgem naturalmente e tenta evitá-los ao máximo. Isso porque ela sente que, se a tarefa não for executada do modo perfeito, ela falhou e será criticada, ou até mesmo perderá sua posição ou o respeito de colegas e líderes.

É por isso que essa pessoa tenta controlar todos os aspectos dos projetos em que se envolve, o que tende a gerar conflitos entre ela e outras pessoas que fazem parte do projeto.

2. Super pessoa

As pessoas que precisa lidar com esse tipo de síndrome do impostor costumam se sentir inferiores a colegas. Por essa razão, elas costumam se empenhar muito em suas atividades, sempre comparando os resultados de seus esforços aos alcançados por outras pessoas.

O problema é que quem sofre com essa síndrome do impostor nunca sente satisfação, sempre precisa se empenhar mais para estar no mesmo nível, o que faz com que o estresse físico e mental se acumule de forma intensa e afete outras áreas de sua vida.

3. Genialidade natural

Essa pessoa acredita que, para ser validada, precisa ter um talento natural para todas as atividades que desempenha. Isso significa que, mesmo que ela esteja realizando um trabalho pela primeira vez, seus resultados precisam ser excelentes.

Uma vez que atividades que exigem prática tendem a ser frustrantes para essa pessoa, é possível que ela busque por desculpas para evitá-las, o que pode até mesmo prejudicar seu crescimento profissional.

4. Solidão

Para algumas pessoas acometidas pela síndrome do impostor, reconhecer seus limites e pedir ajuda é muito difícil. Isso ocorre porque elas sentem que, ao admitir que não podem realizar certas tarefas sozinhas, estão demonstrando sua falta de capacidade, o que afetaria de forma negativa sua imagem.

A questão é que, embora a independência e a capacidade de tomar decisões sejam importantes, as empresas têm buscado cada vez mais profissionais capazes de trabalhar bem em equipe. Tal fato indica que esse pensamento esta totalmente equivocado.

5. Pessoa especialista

Por fim, a pessoa especialista acredita firmemente que, para se desenvolver em sua carreira, ela precisa conhecer cada ponto importante relacionado a ela e ser capaz de executar qualquer tipo de função.

Sim, o conhecimento é importante! Mas as pessoas com esse problema tendem a sentir que nunca sabem o bastante, o que acaba às impedindo a buscar novos desafios e posições, como o emprego dos sonhos.

Elas precisam entender que, embora manter a capacitação constante seja fundamental, as informações adquiridas só serão úteis quando implementadas. Além disso, a experiência pode até mesmo orientá-las na busca de conhecimento, para que elas saibam exatamente onde se especializar para crescer na área que desejam.

Sinais da síndrome do impostor

Considerando que qualquer pessoa está sujeita a sofrer da síndrome do impostor, e também com efeitos negativos que esta condição pode acarretar, é importante entender os seus sintomas para que sejam suprimidos a tempo.

Em primeiro lugar, é importante ressaltar que as pessoas que sofrem com este problema costumam trabalhar demais. É uma atitude que vai muito além da simples dedicação e que pode levá-las à exaustão. Além disso, essas pessoas não lidam bem com as próprias falhas e podem prejudicar-se, pois não conseguem ver as próprias qualidades.

As pessoas que convivem com a síndrome do impostor temem ser “desmascaradas”, por esse motivo, elas costumam ser extremamente discretas e evitam com afinco posições de muito destaque. Esse medo do julgamento também faz com que elas hesitem em executar suas tarefas, o que pode levá-las a procrastinar no trabalho e nos estudos.

Por fim, esse sentimento de medo e inadequação faz com que as pessoas, acometidas por essa condição, se sintam constantemente ansiosas e estressadas, o que acaba fazendo com que elas cometam erros, sabotando a si mesmas.

Como lidar com a síndrome do impostor

Mesmo que a síndrome do impostor não seja considerada uma doença psicológica, é necessário que as pessoas tenham contato com profissionais da área de psicologia. Isso ocorre porque tais profissionais têm a capacidade de prestar o auxílio que essas pessoas precisam receber.

Apesar desse fato, existem alguns passos que podem ajudar as pessoas na luta contra essa condição. Como exemplos, podemos citar os seguintes:

  • conte com uma mentoria como apoio;
  • identifique suas qualidades, habilidades e pontos mais fortes;
  • reconheça seus talentos e procure aperfeiçoá-los;
  • procure deixar de lado pensamentos negativos e tente encarar as situações com mais leveza.

Por fim, é importante considerar que, embora as dicas que citamos sejam úteis, elas não devem substituir o apoio profissional. As dicas em questão devem ser encaradas como um complemento a esta atitude!

Podemos dizer que as pessoas que estão começando sua carreira estão mais sujeitas a síndrome do impostor. Isso ocorre porque, nessa etapa, elas têm que lidar com muitas dúvidas e escolhas complexas. Por esse motivo, é interessante que os profissionais iniciantes tenham acesso a informações e conteúdos de qualidade.

Gostou do nosso conteúdo? Leia agora sobre como fazer sua própria análise SWOT pessoal

0 Shares:
Você também pode gostar