No início da carreira, um programador experiente, claro, foi um programador junior.

Ou seja, escreveu seus primeiros códigos e começou o próprio ou participou de projetos mais básicos.

Mas afinal, quais perfis se encaixam nessa categoria? Existe um limite para ser um programador junior? O que é necessário para virar pleno?

Neste artigo, vamos falar sobre as pessoas programadoras júnior e também mostrar um modelo de currículo para auxiliar nessa jornada.

Fique com a gente!

Boa leitura!

O que é um Programador Júnior?

Uma pessoa programadora júnior é aquela que possui um perfil iniciante, geralmente se tratando de alguém recém-formado na área de tecnologia ou com pouca experiência prática na área.

Nessa fase da carreira, a pessoa programadora irá executar tarefas de menor complexidade a fim de se familiarizar com os processos envolvidos.

É o perfil, por exemplo, que já conhece os princípios básicos da programação, mas requer que uma pessoa mais experiente a auxilie e direcione.

Assim, será possível que as tarefas sejam revisadas com maior detalhamento e o conhecimento possa ser melhor absorvido. De modo geral, uma pessoa desenvolvedora júnior pode ter de 0 a 5 anos de experiência, mas isso pode variar de acordo com a bagagem de conhecimento que ela possui.

Antes de prosseguir, veja mais detalhes da formação em Desenvolvimento Web da Trybe. A empresa tem uma das maiores taxas de empregabilidade de alunos do mercado. Confira mais detalhes da formação no link abaixo.

Banner com a pergunta: Deseja Estudar Programação. Há desenho ao lado que remete uma pessoa programando

Qual o papel de um Programador Júnior nos projetos de grandes e médias empresas?

Dentro de uma empresa, uma pessoa programadora júnior será essencial para auxiliar a equipe na execução de tarefas menos complexas e na correção de erros mais simples. 

Quais as diferenças entre um programador Júnior e Pleno e Sênior?

Veja agora uma tabela comparativa das características de cada nível profissional:

JúniorPlenoSênior
Iniciante na áreaGeralmente, cerca de 3 a 4 anos de experiênciaMais de 6 ou 7 anos de experiência
Disposição para aprenderDisposição para ensinarDisposição para atuar como mentor
Resolução de tarefas com menor complexidadeExperiência em projetos variadosExperiência com tarefas complexas 
Necessário acompanhamento constanteApto para trabalhar individualmente ou como líderVisão completa dos processos do projeto

Como se tornar um Programador Júnior? 10 dicas!

Ser uma pessoa desenvolvedora júnior pode ser um desafio, principalmente quando não sabemos por qual caminho seguir e como melhorar nossos conhecimentos. Pensando nisso, preparamos dez dicas para te auxiliar nessa jornada: 

1. Aprenda lógica de programação

A lógica de programação é o fundamento primordial para qualquer área do desenvolvimento de software. Por isso, procure entender o que cada trecho de código realiza e exercite seu raciocínio.

2. Exercite seu aprendizado

No mundo da programação, não basta assistir a aulas, ler livros e artigos, é preciso praticar. Por isso, treine o seu aprendizado desenvolvendo projetos pessoais. Isso irá lhe ajudar a fixar seu conhecimento e se deparar com novas situações, que aumentarão suas habilidades.

3. Aprenda a ler os erros

É normal que ocorram bugs quando estamos programando. Quando isso acontece, geralmente, uma mensagem de erro também é exibida. Saber interpretar essa mensagem será fundamental para a resolução do erro ocorrido. Com isso, a resolução e a pesquisa acerca do bug será muito mais efetiva e direcionada.

4. Saiba pesquisar

Durante o desenvolvimento, podemos “travar” na execução de uma tarefa e não sabermos sobre como prosseguir. Nesses casos, é fundamental entender com clareza o que está impedindo nosso progresso. Assim, podemos recorrer a pesquisas, utilizando palavras-chave assertivas, e então encontrar conteúdos que vão nos ajudar.

5. Saiba pedir ajuda

Às vezes, pesquisar não será o suficiente e teremos que pedir ajuda a alguém mais experiente. Caso isso seja necessário, não tenha vergonha, solicite auxílio e explique o impedimento de forma clara e objetiva.    

6. Tenha uma visão geral das áreas do projeto

Por mais que você opte por se dedicar exclusivamente a uma área do desenvolvimento, busque possuir uma noção mínima sobre as demais. Isso será fundamental para entender a engenhosidade do projeto e ajudar na tomada de decisões.

7. Atualize-se sobre o mercado

O mercado de desenvolvimento evolui diariamente. Por isso, busque se manter por dentro das novidades, principalmente sobre as tecnologias que você escolheu aprender e praticar no dia a dia. 

8. Invista no inglês

Busque aprimorar seu inglês, pelo menos em nível técnico. Apesar de não ser mandatório para uma pessoa desenvolvedora júnior, saber o básico de inglês irá ajudar nas rotinas do dia a dia. Isso se deve ao fato de que as documentações de linguagens de programação, fóruns e artigos estão, em grande parte, em inglês.

9. Busque cursos profissionalizantes

Cursos profissionalizantes, sejam eles em nível técnico ou superior, vão te trazer maior embasamento teórico. Assim, suas habilidades práticas serão ainda melhores, possuindo como base os fundamentos técnicos corretos. 

10. Aproveite eventos gratuitos com foco no público programador júnior

Atualmente, nas redes sociais e na internet em geral, existem diversas comunidades em que podemos participar de eventos de imersão curtos, online e gratuitos. Esses eventos são grandes oportunidades de aprimorar suas habilidades, se atualizar e trocar experiências. 

4 erros para um Programador Júnior evitar!

Agora que já sabemos como podemos nos tornar uma pessoa programadora júnior, é essencial que também saibamos como evitar os erros mais comuns cometidos nessa fase. Veja, a seguir, quatro deles:

1. Estudar diversas linguagens e/ou frameworks ao mesmo tempo

O mercado possui uma infinidade de linguagens e frameworks disponíveis. Entretanto, estudar diversas tecnologias ao mesmo tempo vai comprometer seu foco e retenção de conhecimento. Por isso, escolha uma, no máximo duas, e pratique bastante.

2. Não testar o código

Testar o código, em diferentes cenários aos quais a funcionalidade é submetida, é essencial para evitar erros no futuro. Além disso, a testagem previne que as pessoas usuárias finais da aplicação presenciem comportamentos inesperados no sistema.

3. Não compreender o código

Durante o dia a dia, é comum copiarmos códigos prontos de fóruns e documentações para agilizarmos o desenvolvimento. Entretanto, isso se torna um mal quando deixamos de entender o que o trecho copiado faz. Por isso, busque sempre compreender o funcionamento dos códigos que você está utilizando, isso lhe trará um conhecimento extra.

4. Desistir sem tentar

Às vezes, vamos nos deparar com tarefas complexas, que vão parecer ser impossíveis de serem resolvidas por nós. Nesses casos, não deixe a insegurança falar mais alto. Antes de dizer que você não consegue solucioná-la, ao menos tente entendê-la e analisá-la com calma.

Quais as diferenças entre Programador Jr, Estagiário e Trainee?

Júnior, estagiário e trainee são cargos atribuídos a pessoas que estão iniciando na área. Geralmente, o principal diferencial entre elas reside nas condições de contratação, nível de experiência e duração máxima em que se pode permanecer na posição.

Uma pessoa pode se tornar estagiária sem nenhum tipo de experiência prévia. O objetivo dessa função é justamente proporcionar conhecimento prático. Por lei, esse cargo pode ser mantido por 2 anos e é necessário estar cursando algum curso profissionalizante reconhecido pelo governo.

O trainee é destinado a pessoas recém formadas. Nesse cargo, a pessoa pode ou não ter algum tipo de experiência prévia. Assim como o estágio, a pessoa trainee pode permanecer nessa posição por até dois anos e será treinada para realizar os procedimentos da área durante o período.

Por fim, a pessoa desenvolvedora júnior também poderá ter alguma ou nenhuma experiência. Assim como os cargos anteriores, se trata de uma posição que objetiva a aquisição de conhecimento prático, porém não é obrigatório possuir diploma de algum curso técnico ou superior. A posição nessa função varia de 3 a 5 anos.

Existem muitas vagas para Programador Júnior? Como está o mercado?

O mercado de tecnologia possui, atualmente, uma grande quantidade de vagas em aberto. Além disso, existe certa dificuldade em contratar profissionais qualificados. Isso faz da área um ramo promissor para quem deseja ingressar nela, pois existem mais vagas do que profissionais disponíveis.

Além disso, a tecnologia da informação é um ramo que permite o trabalho remoto. Desse modo, as fronteiras geográficas não são uma barreira, possibilitando a busca de oportunidades em outras cidades, estados e países. 

Qual o salário de um Programador Júnior nas principais capitais?

A localização geográfica é um fator que influencia diretamente no valor pago para uma pessoa desenvolvedora em nível júnior. Isso se deve a demanda de profissionais que cada local necessita e do número de empresas na área de tecnologia. Abaixo, listamos, de modo geral, os salários deste cargo nas principais capitais do país:

  • São Paulo: a média salarial é a partir de R$2940;
  • Rio de Janeiro: no Rio, a média é de R$3010;
  • Belo horizonte: em BH, uma pessoa programadora júnior pode ganhar a partir de R$2775;
  • Florianópolis: a média salarial é de R$3042;
  • Fortaleza: em Fortaleza, é possível ganhar a partir de R$2905;
  • Brasília: na capital do país, o salário é a partir de R$2667.

As informações são do site Glassdoor. É válido ressaltar que o tamanho da empresa e a área de atuação escolhida também podem impactar no valor pago.

Como criar um currículo de Programador Júnior? + Modelo para usar!

Criar seu currículo pode ser uma tarefa complexa, principalmente quando ainda não temos experiência na área e não sabemos sobre o que devemos colocar e como organizar essas informações. Pensando nisso, elaboramos algumas dicas e um modelo!

Formate o currículo corretamente

Durante a criação do currículo, use fontes legíveis, como Arial. Já quanto ao tamanho, utilize 11 e deixe os títulos ligeiramente maiores em um ou dois pontos, para que se destaquem.

No topo do currículo, adicione suas informações pessoais, como nome completo, endereço de e-mail, telefone, link para seu LinkedIn, endereço de seu repositório de códigos, como Github, ou para seu portfólio, caso haja.

Crie um objetivo ou resumo profissional

O objetivo profissional tem como intuito apresentar suas intenções para com a empresa. Já o resumo visa apresentar sobre as suas habilidades. Escolha um deles e faça uma síntese de no máximo 2 ou 3 linhas, descrevendo os pontos que você acredita serem relevantes.

Descreva sobre suas experiências como programador júnior

Essa seção é fundamental para que as empresas compreendam seu nível de conhecimento e tempo de carreira. Por isso, ao listar uma experiência profissional, indique o cargo, empresa e o período ao qual permaneceu na posição exercida. Caso ainda não possua experiência formal na área, você poderá indicar projetos pessoais aos quais desenvolveu, trabalhos voluntários, trabalhos freelancer, entre outros.

Liste os cursos que você realizou

Ao informar seu grau de instrução e os cursos aos quais realizou, você irá transmitir maior confiança para a instituição contratante. Por isso, busque descrever o nome do curso e o grau (técnico, superior, etc). Além disso, indique o nome da instituição ou plataforma e as datas de início e fim dos estudos

Destaque suas habilidades

No mundo da programação, conhecer linguagens de programação não é o suficiente, as suas habilidades pessoais também contam. Dessa forma, dedique uma seção de seu currículo para os conhecimentos técnicos e não técnicos, como comunicação, liderança e outros.

Seções extras

Caso seja necessário, você poderá complementar seu currículo com informações extras. Elas poderão conter trabalhos voluntários, certificados, prêmios, idiomas e mais. Além disso, caso deseje, acrescente uma carta de apresentação em anexo, junto ao currículo. Nela, você poderá falar mais sobre você e suas habilidades.

Para lhe ajudar na construção do seu currículo, preparamos um modelo que segue as dicas apresentadas anteriormente. Para acessar o modelo basta clicar aqui.

5 dicas para conseguir sua primeira oportunidade como programador Júnior!

1. Tenha um portfólio

Um portfólio se trata da apresentação de um conjunto de projetos, que são de sua autoria e que se destacam. Ter uma apresentação desse tipo irá lhe ajudar a mostrar, profissionalmente, suas habilidades para uma empresa interessada ou cliente. Lembre-se, não utilize cópias ou projetos não autorizados em seu portfólio, fazer isso poderá lhe trazer problemas sobre direitos autorais. 

2. Tenha uma conta em um repositório de códigos

Repositórios, como Github e Gitlab, são ótimos locais para armazenar os códigos de seus projetos pessoais e apresentá-los para pessoas interessadas. Além de manter o código em um local seguro, a pessoa recrutadora poderá analisar a lógica de suas aplicações e as tecnologias usadas.

3. Participe de fóruns e eventos

Fóruns e eventos, sejam eles presenciais ou virtuais, são ótimos lugares não só para fazer networking, o que pode lhe aproximar de uma indicação para uma oportunidade de emprego, mas também para ficar por dentro de novidades e vagas de diversas empresas, que utilizam esses canais para obter candidaturas. 

4. Crie uma conta no LinkedIn

O LinkedIn é uma rede social que foi criada com o propósito de conectar pessoas e empresas. Por isso, ter uma conta na rede não só te aproximará de diversas vagas disponíveis, mas também de pessoas recrutadoras.

5. Faça trabalhos freelancer e/ou voluntários

Trabalhos voluntários e freelancers são experiências que podem agregar ao seu currículo e lhe trazer conhecimento prático da área. Isso irá melhorar suas habilidades e sua preparação para o mercado de trabalho.

Conclusão

Neste artigo, aprendemos mais sobre a profissão de pessoa programadora júnior. Trata-se de um nível iniciante no mundo do desenvolvimento de software, mas nem por isso menos importante. Uma pessoa desenvolvedora júnior é essencial para auxiliar a equipe em tarefas e correções de menor complexidade.  

Além disso, também falamos sobre dicas que podem auxiliar uma pessoa nesse nível de experiência a trilhar sua jornada, como aprender lógicas, saber pesquisar e pedir ajuda, exercitar seu conhecimento, entre outros. Bem como não deixamos de lado os erros a serem evitados, como estudar múltiplas tecnologias e desistir de algo sem tentar.

Gostou da leitura? Que tal aproveitar a visita ao nosso blog e conferir o que faz uma pessoa profissional de Big Data e inteligência analítica?

Você também pode gostar