12 de setembro, dia da pessoa programadora. Você pode não perceber, mas o trabalho dela está muito presente no seu dia a dia. Afinal, ela é responsável pela construção de softwares, aplicativos, sites, entre outros. Por conta disso, existem muitas curiosidades sobre essa profissão, além de uma grande história por trás dela.

Em comemoração a essa data especial, vamos mergulhar nesse mundo da programação e tirar todas as suas dúvidas sobre o tema neste post. Confira:

Tenha uma boa leitura!

O que é ser programadora ou programador?

Imagine como seria sua vida sem as facilidades que os aplicativos proporcionam ou se todos os comandos que você desse ao seu computador não resultassem naquilo que espera. Pois então, graças às pessoas programadoras é possível desfrutar dessas tecnologias.

Essencialmente, quem segue essa carreira deve ser capaz de fazer uso de uma série de linguagens de programação, como a C e SQL, para conseguir desenvolver essas tecnologias que utilizamos diariamente.

Caso você se considere uma pessoa comunicativa, tenha um bom raciocínio lógico e esteja sempre disposta a melhorar seus conhecimentos, você está mais perto de ser uma pessoa programadora do que imagina. Essas são características importantes para quem quer seguir a profissão, mas não devem ser consideradas limitantes. Tendo isso em mente, o próximo passo para seguir a carreira é buscar cursos que lhe qualifiquem e lhe tornem cada vez mais capaz de exercer esse trabalho.

De onde surgiu o dia do programadora ou programador?

A data escolhida para homenagear a pessoa programadora não foi aleatória. Na verdade, ela tem tudo a ver com a profissão. O dia 13 de setembro — 12 de setembro em anos bissextos — é o 256º dia do ano. Esse número também pode ser representado como dois elevado a oitava (2⁸), o que na língua da programação representa um byte de oito bits.

O dia comemorativo teve origem na Rússia e começou a ser celebrado em 2009, quando o presidente da época, Dmitry Medvedev, decretou essa data como feriado. Embora no Brasil não seja um feriado, a data serve para prestigiar o trabalho e exaltar a importância dessa profissão.

3 curiosidades sobre a carreira

Agora que você já sabe o que faz uma pessoa programadora e como surgiu a data que as homenageiam, vamos lhe contar 3 curiosidades sobre a profissão. Veja a seguir!

Média salarial

Uma das dúvidas de quem quer seguir essa carreira é o salário. Isso varia de acordo com o estado em que você trabalha no Brasil. Normalmente, se desconsiderar a linguagem de especialização, profissionais de São Paulo ao nível pleno ganham em média R$6.400 por mês, de acordo com uma pesquisa da Exame realizada em 2020.

Áreas de maior demanda

Um dos problemas que a área de TI enfrenta é a alta demanda no mercado. Por isso, é comum que haja poucas pessoas qualificadas diante da quantidade de vagas ofertadas. Tendo isso em mente, é importante saber quais as áreas que contam com maior procura por profissionais. São elas:

  • Pessoa desenvolvedora Java;
  • Especialista em PHP;
  • Autoridade em Inteligência Artificial;
  • Especialista em Big Data;
  • Gerente de projetos de programação.

Inglês e programação

É preciso saber inglês para ser uma pessoa programadora? Esse é um questionamento comum entre as pessoas interessadas a ingressar na área de programação. A resposta é: sim!

Essa é a língua-mãe das linguagens de programação, como os códigos e os comandos, por isso saber o inglês é essencial. Além disso, muitos dos materiais disponíveis na internet estão nessa língua.

Figuras importantes para a programação

Toda profissão tem personalidades que se destacaram e foram de extrema importância na história de determinada área. A seguir, elencamos algumas das figuras relevantes na trajetória da programação. Acompanhe!

Ada Augusta Byron

Apesar de não possuir o maquinário necessário para colocar em prática seu funcionamento, Ada foi a criadora do que se considera o primeiro algoritmo da história em meados de 1842. Por conta disso, ela é considerada a primeira programadora da história.

Charles Babbage

Considerado o “pai do computador”, Charles foi um grande estudioso inglês que em 1822 apresentou seu primeiro projeto de maquinário, capaz de construir tabelas de logaritmos. Ada Augusta trabalhou ao lado dele em pesquisas e traduções. O grande projeto de Babbage foi batizado anos depois como Máquina Analítica.

Irmã Mary Kenneth Keller

Mary fez história ao ser considerada a primeira mulher a receber um doutorado em ciência da computação em 1965. Uma de suas contribuições ao universo da programação foi na criação da linguagem de programação BASIC, a qual foi fundamental e utilizada por décadas. Além disso, ela escreveu quatro livros sobre programação e computação.

Alan Turing

Assim como Babbage, Alan foi um matemático nascido na Inglaterra e aos 24 anos desenvolveu uma máquina capaz de imitar qualquer sistema formal, ou seja, qualquer que fosse o sistema construído de forma lógica e matemática. Além desse feito, ele também desenvolveu um modo de identificar se um computador utilizava ou não inteligência artificial e comandou a construção de um importante computador utilizado na Segunda Guerra Mundial.

Vale ressaltar que apesar de seus grandes feitos na história da programação, o estudioso foi duramente descriminado por conta da sua orientação sexual, o que gerou até a proibição de sua entrada nos Estados Unidos. Alan não só foi importante para a evolução da programação como também é um grande símbolo de representatividade para a comunidade de pessoas programadoras LGBTQIA+.

Mulheres na programação

Como vimos anteriormente, existe uma importante contribuição das mulheres ao mundo da programação. Na década de 80, houve uma queda na quantidade de mulheres que ingressavam nessa área, o que levou a ser um ramo majoritariamente ocupado por homens nos dias de hoje.

Uma pesquisa realizada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) em fevereiro de 2017, revelou que as mulheres representam apenas 18% das pessoas programadoras. Em 2018, elas eram apenas 25% da força de trabalho na indústria digital.

Esses números nos levam a questionar as causas dessa mudança no cenário da profissão. Nos anos 80, os computadores começaram a ser comercializados como um passatempo “para homens”, segundo dados apresentados pelo NPR. Somado a isso, a falta de mulheres sendo representadas nessa área pela mídia diminuem o alcance à profissão.

Em combate a esse contraste, a igualdade de gênero dentro das empresas e cursos de tecnologia deve ser algo incentivado e priorizado, uma vez que isso estimula a procura pela área. Além disso, a inserção de mais mulheres na profissão tem como consequência a diminuição do preconceito em relação a isso.

Como abordamos neste artigo em homenagem ao dia da pessoa programadora, para programar é essencial que haja determinação e dedicação. Contudo, o gênero não pode ser um limitante na hora de exercer essa profissão. É notável a grande contribuição das mulheres a essa área de estudo, tornando-as figuras fundamentais na construção dessa área.

Viu só a importância das pessoas programadoras? Se quiser saber mais sobre essa área de atuação, confira nosso post sobre freelancers programadores!

0 Shares:
Você também pode gostar