O processo de aprendizado é uma etapa primordial para atingir o sucesso na carreira e a satisfação pessoal. Afinal, a educação é a base para a construção tanto dos conhecimentos técnicos quanto do pensamento crítico e criativo. Para que essa jornada seja mais bem-aproveitada, é importante aplicar propostas pedagógicas inovadoras, como as metodologias ativas.

Elas basicamente se referem a métodos que incentivam o autodesenvolvimento e quebram o tradicional padrão de ensino, no qual docentes detêm o conhecimento e estudantes apenas recebem passivamente os conteúdos.

Quer entender o que são as metodologias ativas e como elas transformam a jornada educativa? Então, veja os tópicos que preparamos para explicar esse conceito:

  • O que são metodologias ativas?
  • Como funcionam as metodologias ativas no ensino remoto?
  • Quais são os tipos de metodologias ativas e como usá-las na prática?
  • Quais são as vantagens de usar as metodologias ativas?

Fique conosco e tenha uma boa leitura!

O que são metodologias ativas?

Provavelmente, você já tem familiaridade com o modelo de ensino tradicional, no qual a figura central é professora ou professor, que transmite o conhecimento, e não a que recebe, certo? 

Ainda muito utilizado nas instituições, esse método de aprendizagem passiva demonstra uma séria falha, visto que estudantes se tornam figurantes da sua própria educação, sempre na dependência de outra pessoa durante todo o processo de ensino.

Para mudar esse cenário, foram desenvolvidas as metodologias ativas. Trata-se de um conjunto de abordagens que têm um objetivo em comum: colocar estudantes como protagonistas de suas jornadas educativas

A partir da aplicação desses métodos, docentes passam a mediar a aprendizagem, as maçantes aulas expositivas são substituídas por práticas que instigam a autonomia e há incentivo para que discentes absorvam os conteúdos de forma participativa.

Assim, durante a jornada educacional, estimula-se que estudantes tenham curiosidade e independência para que possam refletir, analisar, pesquisar e questionar de maneira autônoma, enquanto encontram os melhores caminhos e estratégias para o seu próprio aprendizado.

Dessa forma, essa proposta pedagógica permite que o ensino deixe de ser baseado no ciclo de exposição da matéria e aplicação de avaliações e trabalhos, passando a ser construído por meio da superação de desafios e da resolução dos problemas propostos, desde que haja a figura docente para mediar o processo. 

Como funcionam as metodologias ativas no ensino remoto?

A educação remota é muito beneficiada pelo uso das metodologias ativas. Afinal, trata-se de um modelo de ensino que por si só já requer muita disciplina e um senso de autonomia bem desenvolvido.

Nesse cenário, o uso de abordagens que favorecem o trabalho colaborativo, tornando a aprendizagem um momento dinâmico de troca entre estudantes e educadores, é um recurso eficiente para contornar a distância física entre as partes envolvidas.

Para o ensino híbrido — modalidade em que são oferecidas tanto atividades online quanto encontros presenciais —, as metodologias ativas são ainda mais benéficas. Afinal, profissionais da educação ganham a possibilidade de aproveitar os momentos em conjunto para aplicar trabalhos práticos focados nas dificuldades da classe.

Além disso, o modelo permite que docentes consigam explorar as individualidades de cada estudante, trabalhando para que a classe tenha um aprendizado mais homogêneo e consistente. É dessa forma que a educação remota vem construindo uma nova tendência para o ensino, na qual estudantes e docentes trabalham juntos para superar os obstáculos da jornada educativa.

Contudo, ainda é preciso vencer um desafio. Afinal, profissionais da educação devem receber capacitação para promover dinâmicas inovadoras e materiais estratégicos que facilitem o aprendizado, enquanto estudantes precisam desenvolver suas habilidades colaborativas, participativas e de autonomia.

Quais são os tipos de metodologias ativas e como usá-las na prática?

Como foi dito, o objetivo central das metodologias ativas é fazer com que estudantes e profissionais de educação trabalhem em junção para construção de um saber colaborativo, inovador e criativo. Para atingir tal propósito, várias técnicas de ensino baseadas nessa ideia foram criadas ao longo dos anos. Logo abaixo, você confere algumas das principais.

Aprendizagem baseada em projetos

O Project Based Learning (PBL) ou, no português, aprendizagem baseada em projetos é um método de ensino que instiga a investigação e a resolução de desafios complexos. Nele, é dada uma questão inicial e, para resolvê-la, os estudantes devem passar pelas seguintes etapas:

  • processo de pesquisa;
  • elaboração de hipóteses;
  • busca por recursos;
  • aplicação prática;
  • entrega da solução ou produto final.

Isso significa que a metodologia permite a construção do saber de forma prática e criativa, já que é preciso explorar, testar e pesquisar hipóteses para que, no fim do projeto, seja encontrada uma conclusão baseada na vivência.

Por isso, é importante que o conteúdo não seja todo exposto logo no início, permitindo que a turma busque ativamente os conhecimentos necessários para a prática. Além disso, na etapa final é necessário entregar um produto, que pode ser um vídeo, uma maquete e até o desenvolvimento de um aplicativo.

Para responder à questão “Como ter um vida mais saudável?”, por exemplo, diferentes times de desenvolvimento de software encontrariam variadas respostas. Ao final do projeto, alguns poderiam entregar sistemas para o controle de atividades físicas, enquanto outros poderiam elaborar aplicativos para cuidar da dieta.

O essencial é que todo esse percurso para encontrar uma resposta e desenvolver uma solução concreta seja feito de forma ativa e colaborativa.

Aprendizagem baseada em problemas

Assim como a metodologia anterior, a aprendizagem baseada em problemas pauta o ensino a partir da solução de questões interdisciplinares propostas pelos educadores. A grande diferença é que nela o foco maior está na parte teórica da resolução.

Em outras palavras, o conhecimento é adquirido por meio de debates e júris, por exemplo. Assim, a turma de estudantes é convidada a discutir suas opiniões sobre determinado assunto, assimilando as diferentes visões sobre um mesmo ponto e buscando entender quais caminhos podem ser seguidos para que uma solução seja encontrada.

Na prática, o problema é apresentado pela pessoa educadora e a turma deve estudar o assunto, preparando-se para o debate. Nesse sentido, para estudantes de programação, uma discussão que poderia ser levantada, por exemplo, são os desafios gerados pela pandemia de coronavírus para as áreas de TI e o que fazer para superá-los. 

Aprendizagem entre pares ou times

A aprendizagem entre times é uma metodologia ativa que, como o próprio nome indica, favorece o aprendizado em conjunto. Para colocá-la em prática, a turma deve ser divida em duplas ou em pequenos grupos que resolverão desafios de forma colaborativa.

É importante ressaltar que os componentes de cada grupo, preferencialmente, não devem ter grandes vínculos afetivos, pois isso ajuda na preparação para lidar com um ambiente de trabalho real.

Colocar esse método em prática é bem simples. Primeiramente, cada estudante passa pela etapa de preparação individual, na qual estudam o assunto proposto. Posteriormente, a pessoa educadora realiza perguntas sobre o tema, dando tempo suficiente para que a classe reflita sobre elas.

Em seguida, podem ser apresentadas questões de múltipla escolha para a turma e cada estudante deve indicar qual considera a correta. Nesse momento, é atingido o objetivo central dessa metodologia ativa, pois aqueles que apresentaram respostas divergentes são convidados a debater entre si, na tentativa de demonstrar quem está com a razão.

Após esse processo, outra votação é realizada e, caso ainda haja muitas dúvidas, o assunto é explicado novamente para a turma.

Sala de aula invertida

A sala de aula invertida é uma metodologia ativa muito utilizada no modelo de ensino híbrido. Nela, a internet e as tecnologias de comunicação são ferramentas essenciais para o aprendizado, já que parte dele é realizada remotamente. Assim, o estudo de um determinado tema deve ser realizado primeiramente por meio de materiais digitais, como vídeos, fóruns e podcasts.

Dessa forma, o método melhora o aproveitamento dos encontros presenciais entre docentes e estudantes, visto que o tempo de aula pode ser usado para atividades práticas, como seminários, debates e resolução de dúvidas.

Na prática, uma turma de pessoas programadoras pode aprender remotamente os conceitos por trás de alguns algoritmos de ordenação. Já durante a aula prática, a classe pode ser convidada a resolver problemas e desenvolver sistemas em que tais conceitos sejam aplicados, por exemplo.

Gamificação

Utilizada como uma forma de transformar o ensino em um processo mais lúdico e criativo, a gamificação é uma das metodologias ativas mais divertidas de se pôr em prática. Seu conceito é bem simples: utilizar elementos de jogos para resolver problemas de uma temática específica e, ao mesmo tempo, ensinar.

Dessa forma, o método promove mais engajamento e, por trazer descontração ao momento de aprendizagem, facilita o entendimento de temas complexos e a retenção de informações a longo prazo.

Para utilizar esse método em sala de aula, é importante aplicar mecanismos comuns em jogos, como rankings, níveis, desafios e premiações para instigar o envolvimento. Assim, à medida que solucionam os problemas propostos, a classe pode acompanhar suas respectivas pontuações e até propor novos desafios aos colegas.

Quais são as vantagens de usar as metodologias ativas?

O uso das metodologias ativas em sala de aula permite que estudantes desenvolvam soft skills muito requisitadas no mercado de trabalho, como boa comunicação, capacidade de trabalhar em equipe e autonomia. Neste tópico, mostramos brevemente alguns desses benefícios. Veja!

Desenvolvimento do pensamento crítico

Estudantes guiados pelas metodologias ativas conseguem desenvolver o pensamento crítico de maneira natural. Isso porque, durante toda a jornada educativa, esses métodos incentivam a argumentação, o questionamento e a reflexão.

Ao mesmo tempo, também aprendem a expressar suas ideias sem medo, desafiando conceitos irracionais e pautando seus pensamentos em reflexões amparadas pela lógica.

Aumento do senso de responsabilidade

Com a aplicação das metodologias ativas, estudantes compreendem que a disciplina é um aspecto fundamental para a qualidade do aprendizado. Ao perceberem que são os maiores responsáveis pela própria educação e, consequentemente, pelo desempenho acadêmico, o senso de responsabilidade é desenvolvido.

O grande benefício é que essa característica será levada por toda vida, fazendo com que se transformem em pessoas conscientes de suas responsabilidades na sociedade.

Formação de pessoas autônomas

Autonomia é uma das habilidades mais trabalhadas pelas metodologias ativas. Afinal, nada é dado de bandeja para as pessoas que estão no processo de aprendizagem. Pelo contrário, é preciso pesquisar, refletir, analisar, argumentar, questionar e estudar por conta própria para chegar à solução dos desafios e atividades propostas.

Dessa forma, a passividade é gradativamente rompida, o que cria pessoas conscientes do meio em que vivem e da capacidade que possuem para transformá-lo.

Aprimoramento das habilidades colaborativas

Colaboração é um dos pilares mais importantes da metodologias ativas. As atividades propostas por esses métodos buscam aumentar a interação entre estudantes e educadores por meio de jogos, debates ou fóruns de discussão, por exemplo.

Durante essas atividades, discentes trabalham suas habilidades de comunicação e aprendem a lidar com pessoas de personalidade, gostos e vivências diferentes. Ao mesmo tempo, entendem a importância de compartilhar o conhecimento e ajudar no desenvolvimento dos outros.

Melhora na retenção do conhecimento

No modelo de ensino tradicional, é muito comum que estudantes apenas decorem os conteúdos para ir bem nas provas. No entanto, esquecem as informações após algum tempo, já que elas não são tratadas com a importância necessária. Isso acontece porque todo esse conhecimento é recebido de forma passiva e poucas vezes é usado na prática. 

Esse problema não ocorre com as metodologias ativas, pois é preciso buscar as informações de maneira ativa, aplicar os conhecimentos em trabalhos práticos e ainda compartilhar o aprendizado com colegas de classe. Todo esse processo favorece a retenção do conhecimento e torna mais fácil a sua solidificação.

É importante ressaltar que as instituições de ensino também se beneficiam do uso das metodologias ativas, pois elas geram:

  • mais satisfação dos estudantes com o processo de ensino;
  • reconhecimento no mercado;
  • melhores níveis de retenção;
  • avaliações mais positivas para a instituição.

Como foi possível perceber, as metodologias ativas são técnicas imprescindíveis para a formação de pessoas críticas, proativas e que pensam “fora da caixa”. Aplicá-las no processo educativo é uma forma de garantir o engajamento de estudantes, melhorando a sua percepção do ensino, a retenção do aprendizado e até o seu futuro sucesso profissional.

Gostou do conteúdo e quer continuar aprendendo? Então, confira nosso próximo artigo e entenda o que são as metodologias ágeis!

0 Shares:
Você também pode gostar