O mercado de TI é um campo promissor e repleto de entusiasmo por estar conectado ao futuro. Dentre as várias competências desse setor, a programação vem ganhando um destaque cada vez maior, justamente por sua importância na construção das soluções do mundo moderno. Por esse motivo, a pergunta da vez é: você já aprendeu como programar?

Caso não, saiba que não há problemas! Afinal, essa é a situação de milhares de pessoas interessadas no assunto, mas que ainda não receberam aquele empurrãozinho na direção certa. Logo, decidimos ajudar você nessa jornada por meio deste guia especial sobre o tema!

O nosso objetivo é apontar tudo o que você precisa saber para iniciar o seu aprendizado na área. Então, não perca tempo e veja o que descobrirá nesta leitura:

  • O que é e qual a utilidade da programação?
  • Como escolher a linguagem certa?
  • Quais as ferramentas necessárias para quem quer aprender a programar?
  • Como escolher um curso que ensine como programar?
  • Como aprender colocando suas ideias em prática?

Boa leitura!

O que é e qual a utilidade da programação?

Basicamente, a programação é a prática de criar sistemas computacionais na qual você utiliza uma linguagem para orientar seus comandos e, por meio do planejamento e da lógica, manifesta suas ideias usando um código. Parece um pouquinho complicado? Sem problemas, a gente descomplica!

A programação nada mais é do que a resolução de problemas. Imagine criar um aplicativo para reproduzir músicas. Apesar da ideia ser simples, existem vários desafios por trás disso. Nesse exemplo, o seu código deve ser capaz de interagir com o armazenamento do dispositivo, ler o formato das músicas e oferecer recursos como play, pause, e por aí em diante.

Em essência, tudo o que há em uma interface digital esconde muita programação nos bastidores. O que o usuário final vê é apenas a apresentação realizada no palco. Já a pessoa programadora é a especialista que produz esse espetáculo, utilizando o código para orientar funções, comportamentos, animações, estados, recursos e muito mais!

Essa é a beleza da engenharia de software, uma área que incentiva o raciocínio lógico e criativo para elaborar soluções, tanto em projetos pessoais como a serviço de terceiros. Agora que você conta com uma boa noção do que é a programação, chega o momento de entender sua utilidade.

Por que ela é tão importante?

Vivemos em uma era submersa na informática. Nesse exato momento, os seus olhos estão passando por uma interface programada — o nosso portal. A mesma coisa vale para o sistema operacional do dispositivo que você usa para navegar em nosso site. Por sua quase onipresença, a programação é vista como uma competência do futuro.

No mundo moderno, o seu potencial criativo se expande imensamente conforme você aprende linguagens de programação. Afinal, quanto mais você sabe e pratica, maior o seu conjunto de ferramentas para dar vida às suas ideias no campo digital, seja criando um jogo, seja um aplicativo, um site ou afins.

Além disso, é importante notar que a programação é uma competência muito valorizada pelo atual e futuro mercado de trabalho. Segundo levantamento estimado pela Brasscom, o setor tecnológico precisará de 420 mil novos profissionais até 2024, resultando em uma média de 70 mil novas vagas por ano!

Como escolher a linguagem certa?

Logo nos primeiros passos, o universo da programação apresenta um desafio: a escolha da linguagem certa. À vista disso, é importante ter uma noção fundamental sobre o tema. Uma linguagem de programação é o conjunto de instruções, comandos e regras que você usa para criar uma solução programada.

Na história da computação já foram reportadas mais de 1000 linguagens, cada qual com um estilo semântico e propósito diferente da outra. Contudo, tanto o mercado de trabalho como a comunidade da programação costumam orbitar em torno de 20 linguagens principais — e essa predileção existe por um motivo.

Em comum, as linguagens mais populares apresentam vantagens específicas que favorecem sua seleção. É o caso da facilidade de aprendizado em Python, a experiência nativa em aparelhos Apple com a Swift, do desenvolvimento front-end em JavaScript, entre outros.

Mas para além dessas, existe uma infinidade de outras linguagens igualmente interessantes, como Java, C, C++, C#, Ruby, R, Flutter , PHP, Cobol e muito mais. O importante é saber distinguir as particularidades de cada uma e, assim, determinar para qual direção seguir.

Por essa e outras razões que a nossa dica é: pergunte a si mesmo qual foi o motivo que fez com que aprendesse a programar. Por exemplo, você deseja:

  • programar aplicativos que funcionem tanto no iOS como no Android? Considere Flutter ou React Native;
  • desenvolver aplicativos exclusivos para o ecossistema de dispositivos Apple? Vá de Swift!
  • criar jogos que utilizem engines como a Unreal Engine? Mergulhe na C++!
  • aprimorar seus projetos de data science? Escolha Python ou R, e por aí vai!

Ademais, nunca ignore o potencial de cada linguagem de programação. Ainda que seja natural se especializar em algumas delas, aprimorando os seus projetos e habilidades pessoais, é importante se manter em dia sobre o que cada uma pode oferecer.

Por onde começar?

Para a sua iniciação no tema, pode ser interessante começar por uma linguagem mais introdutória, simples e prática, como Python. A sua sintaxe simplificada já é mais do que suficiente para habituar você com uma rotina de programação, ainda que ela possa não oferecer os recursos que você busca.

Depois desse primeiro contato, você alcança a familiaridade necessária para mergulhar nas demais alternativas. Basicamente, o segredo para escolher a linguagem certa é ser transparente consigo, respondendo o que você deseja fazer com esse aprendizado.

Assim, você economiza tempo e foca o início do seu aprendizado para desenvolver competência na linguagem mais importante para o seu objetivo. Você pode estar se aprimorando para entrar no mercado como desenvolvedor web, produzir aplicativos, ou criar jogos e afins.

O importante é aprender a linguagem que prepare você para alcançar o seu objetivo, seja para uma contratação pela startup dos sonhos, seja para dar vida aos seus projetos pessoais.

Quais as ferramentas necessárias para quem deseja aprender a programar?

A primeira e mais importante é a sua curiosidade! Sem que você tenha o interesse para mergulhar nesse tema, o aprendizado pode ser um pouco difícil. No entanto, como você verá mais à frente, já existe uma solução prática e didática para orientar nessa jornada.

Já em um segundo momento, destacamos a importância de aprender a lógica de programação. Esse é um conceito fundamental para quem deseja alcançar a naturalidade ao trabalhar com uma linguagem específica.

Na programação, a lógica é o conjunto racional de causa e efeito que justifica as coisas serem da forma como são. Durante o seu aprendizado, haverá vários momentos em que você se perguntará por que as funções são evocadas de tal maneira ou por que as interações acontecem da forma que acontecem.

A lógica de programação explica tudo isso. No fim das contas, é o pensamento lógico que prepara você para entender o comportamento estrutural de cada linguagem de programação. No entanto, por ser um conceito e não necessariamente um instrumento, como as linguagens, é comum que algumas pessoas iniciantes ignorem esse tema.

Mas nós reforçamos que a lógica é uma área fundamental para o seu aprendizado. Se você pular essa parte, ainda “saberá” como programar, orientando comandos para realizar ações, mas não entenderá realmente por que as coisas estão se comportando dessa forma.

A grande sacada é que, ao entender os preceitos da lógica, você consegue utilizar essas noções de maneiras originais e criativas. Ou seja, você realmente cria coisas novas, em vez de apenas replicar os passos de um tutorial. Uma analogia bacana para isso é pensarmos na receita de um bolo.

Sem entender os conceitos da lógica, a sua programação é mecânica, limitada a seguir as instruções da receita. Quando você entende a lógica por trás de cada processo, você elabora soluções originais para cada problema no seu projeto, criando novas receitas, sem repetir o mesmo bolo a cada execução. No fim das contas, esse é o caminho que acelera o seu aprendizado e melhora as suas habilidades na língua escolhida.

A qual outras áreas você deve se dedicar?

Em terceiro lugar, mas igualmente importante, está o conhecimento da língua inglesa. Você não precisa falar como um nativo, mas é fundamental que apresente uma boa noção linguística do inglês. Se esse não é o seu caso, sem problemas, um passo de cada vez.

Atualmente, já existe uma infinidade de maneiras para se habituar com o idioma que, não por acaso, é visto como uma língua universal. Para aprimorar o seu inglês, você pode aproveitar o que já aprendeu na escola e ir complementando, utilizando aplicativos educacionais como o Duolingo, conversando com professores nativos em plataformas como o Cambly, consumindo conteúdo nesse idioma, e por aí adiante.

Pode ser que você se pergunte: por que isso importa? A realidade é que o inglês é a língua que instrumentaliza a computação no mundo. Conforme mergulhar na sua linguagem de programação de escolha, perceberá que os comandos, funções, objetos, ações, animações e tudo o mais que deseja fazer depende de alguma instrução nomeada em inglês.

Nesse sentido, entender o significado dos termos está diretamente ligado à compreensão do que você está fazendo, também complementando o seu entendimento lógico do que leva um comando a resultar em determinada ação.

Além disso, é importante notar que a esmagadora maioria da bibliografia e discussão sobre os temas da programação são feitos em língua inglesa. Naturalmente, existe muito aprendizado disponível em português, sobretudo porque a acessibilidade é uma preocupação universal na computação.

No entanto, sempre haverá temas e curiosidades muito específicas argumentadas exclusivamente em inglês, justamente por ser uma língua com que pessoas de todo o mundo podem se comunicar com a maior possibilidade de serem compreendidas. Também por isso, aumenta o potencial de internacionalização da sua carreira em longo prazo.

Já em um ponto de vista material, é importante que você tenha o dispositivo necessário para aprender a programar na linguagem desejada. Logicamente, já é possível interagir com algumas interfaces de programação diretamente pelo seu celular, seja Android, seja iOS.

No entanto, a programação em si é instrumentalizada em um computador, utilizando plataformas como Microsoft Visual Studio Code, Apple Xcode, Android Studio, entre outras. Inclusive, vale lembrar que em linguagens mais fechadas, como a Swift da Apple, a programação só é possível no software e hardware dessa marca.

Mas para todos os demais casos, basta um PC rodando Windows ou Linux, possibilitando o uso de internet para acelerar seu aprendizado e alguma interface em que você possa praticar as suas noções, aprendendo enquanto cria os próprios projetos.

Como escolher um curso que ensine como programar?

As opções são muitas e, apesar de ser algo aparentemente bom, isso pode ser uma armadilha disfarçada. Afinal de contas, quantas vezes você já ficou em estado de pausa, sem conseguir escolher algo para assistir na Netflix? Nós entendemos, pois o excesso de alternativas pode ser paralisante. Então, vamos às opções!

Inicialmente, muitos pensam na faculdade. Cursos de graduação até podem ensinar a programar, sobretudo em áreas como Ciência da Computação, Engenharia de Software e afins. No entanto, os cursos universitários são longos e o aprendizado nem sempre é concentrado no que você deseja aprender.

Em um segundo momento, você pode considerar o aprendizado exclusivo sobre uma área, assistindo a aulas online sobre linguagens em específico. Essa é uma boa ideia, especialmente porque existe muito conteúdo gratuito na internet que pode ser a ponte perfeita entre você e o primeiro contato com as ferramentas que deseja conhecer.

Por fim e mais importante, existe uma solução completa, a Trybe! Caso não nos conheça, vale uma breve apresentação. Nós somos uma iniciativa brasileira que considera o potencial meteórico da tecnologia e de quem sabe como usá-la para o bem!

A Trybe é uma plataforma educacional completa para o seu aprendizado de programação, que é pioneira na adoção do modelo inédito chamado ganha-ganha. Isso significa que você não precisa pagar pelo aprendizado enquanto aprende!

Com a Trybe funciona assim: você só começa a pagar quando já foi contratado pelo mercado e apenas se estiver recebendo, no mínimo, R$3.500,00 mensais. Essa é a forma mais valiosa, transparente e ética de demonstrar como somos comprometidos não apenas com o seu aprendizado, mas com o seu sucesso!

Mas você pode estar se perguntando: o que a Trybe me oferece? Simples, a rota completa para o seu aprendizado e introdução no mercado de trabalho, inclusive com orientações importantes para o seu networking!

A começar pelo nosso currículo, desenhado exclusivamente para pensar no sucesso da sua carreira. A nossa grade ensina tudo o que você precisa saber, seja em termos de soft skills, seja front-end, back-end, algoritmos, metodologias ágeis, rotinas de desenvolvimento e muito mais.

Agora, veja outros diferenciais que oferecemos:

  • aprendizado em torno de projetos e soluções de problemas da vida real;
  • reuniões de acompanhamento para alavancar o seu desempenho;
  • suporte presente, atencioso e disponível;
  • aulas ao vivo e dinâmicas diárias;
  • atividades individuais.

Como aprender colocando suas ideias em prática?

Novamente, a Trybe pode ser uma solução para esse dilema. Como frisamos antes, o nosso currículo foi desenvolvido para criar as competências mais desejadas pelo mercado da TI. Não por acaso, essas habilidades são criadas na base de muita prática, em que você aprende, programa e cria soluções para os próprios projetos.

Este é um fundamento importante para quem deseja ficar cada vez melhor na programação: programar! Quanto mais tempo você investir no desenvolvimento dos próprios projetos, seja criando um aplicativo, um site, jogo ou painel, mais aprenderá sobre a linguagem escolhida.

Com tempo e prática, você alcança um estágio de naturalidade que o deixa cada vez mais confortável a cada momento que decidir sentar e programar. Assim, você se torna uma pessoa vez mais profissional, habilidosa e destacável dentro da sua área de expertise!

E aí, gostou deste guia especial para aprender como programar? Então, aproveite para complementar a leitura com outro post do nosso portal, entendendo o que você precisa para colocar a mão na massa!

0 Shares:
Você também pode gostar